My photo
Um escritor, um poeta, um aventureiro,

Monday, 30 November 2009

"Many Thanks"

Recently I found some information about my arrest in Jakarta in 1995.

On behalf of my family in East Timor and in England, I would like to thank the East Timorese and Indonesians, who helped bring this information to AI, HRW and TAPOL.

Especially I would like to thank AI, HRW and TAPOL who worked hard to denounce human rights violence in East Timor and Indonesia during the Indonesian occupation in East Timor.

Celso Oliveira



Documents on East Timor from
PeaceNet and Connected Computer Networks
Volume 34: - December 1, 1994 - January 16, 1995

Published by:
East Timor Action Network / U.S.

P.O. Box 1182, White Plains, NY 10602 USA
Tel: 914-428-7299 Fax: 914-428-7383
E-mail PeaceNet:CSCHEINER or CSCHEINER@IGC.APC.ORG

AI ALERT ON CELSO OLIVEIRA
AI UA011/95 INDONESIA Detention
AI Index: ASA 21/07/95

16 January 1995 INDONESIA AND EAST TIMOR

“Rui” Celso Oliveira, 23, human rights activist East Timorese Celso Oliveira has been arrested in Jakarta after sending information overseas about the situation in East Timor.

Celso was reportedly arrested without a warrant, and Amnesty International is concerned that he may be being held solely because of his peaceful activities in opposition to Indonesian rule of East Timor, and in particular, the dissemination of information concerning human rights. The organization urges that Celso be provided with immediate access to lawyers of his own choice.

Celso Oliveira was arrested around 11am on 13 January 1995 after a security guard in a bookshop handed him over to police. It is believed that Celso was then transferred from police custody to Jakarta’s regional military intelligence headquarters, Bakorstanasda.

At the time of his arrest Celso Oliveira was carrying a document describing the current atmosphere in East Timor which he had distributed to human rights organizations in Indonesia and overseas.

It is believed that lawyers from the Indonesian Legal Aid Institute (Lembaga Bantuan Hukum), LBH, are currently negotiating with the authorities to visit Celso Oliveira in military custody. Just prior to his arrest Celso Oliveira stated that he had been visited twice by the military at his home in Dili, East Timor, although the reason for their inquiries was not clear.

BACKGROUND INFORMATION
The arrest of Celso Oliveira is consistent with a pattern of short-term and arbitrary detention of real or alleged opponents to Indonesian rule of East Timor. Thousands of East Timorese have been held without charge or trial for periods ranging from a few days to several months, since late 1991.

Many have been denied access to their relatives and lawyers and some are known to have been ill-treated and tortured. Others have been tried and sentenced for their peaceful activities. José Antonio Neves (see UA 198/94, 23 May 1994, and follow-ups ASA 21/15/94, 2 June; ASA 21/23/94, 20 June; ASA 21/26/94, 27 June) is currently being tried on charges of anti-government activities, in part because of attempts to send information about human rights violations in East Timor to foreign organizations. A verdict for Neves is expected this month.

RECOMMENDED ACTION: Please send telegrams/express and airmail letters either in English, Bahasa Indonesia or in your own language:

· expressing concern that Celso Oliveira was arrested on 13 January 1995 without an arrest warrant, and that he may have been detained solely for his peaceful activities in opposition to the Indonesian Government;
· urging that he be immediately and unconditionally released, unless he is to be charged with a recognisably criminal offence under existing laws;
· urging the authorities to ensure that Celso Oliveira has immediate access to lawyers of his own choice.

APPEALS TO:
Minister of Justice: Haji Utoyo Usman SH [Salutation: Dear Minister Utoyo Usman]
Menteri Kehakiman Jl Rasuna Said
Kav 6-7 Kuningan Jakarta Selatan, Indonesia
Faxes: 01062 21 314 1625
Telegrams:
Menteri Kehakiman, Jakarta, Indonesia

Military Commander for Region X/Jakarta Raya (covers Greater Jakarta):
Maj. Gen. Wiranto [Salutation: Dear Maj. Gen. Wiranto] Pangdam X/Jakarta Raya

Markas Besar KODAM X/Jaya Jl. Mayjen Sutoyo Jakarta, Indonesia Telegrams: Pangdam
X/Jakarta Raya, Jakarta Indonesia

AND, IF POSSIBLE, TO THE FOLLOWING:

Minister of Foreign Affairs: Ali Alatas
SH Menteri Luar Negeri Jl Medan Taman
Pejambon No 6 Jakarta, Indonesia
Faxes: 01062 21 36 0517

Chair of the National Commission on
Human Rights: Ali Said SH Ketua Komisi
Nasional Hak Azasi Manusia Jalan Veteran
No 11 Jakarta, Indonesia Faxes: c/o Ministry
of Justice 01062 21 314 1625

(Page 22, East Timor Documents, Volume 34. December 1, 1994 - January 16, 1995)

FROM SYDNEY JONES, HUMAN RIGHTS WATCH
Celso Ximenes de Oliveira, aged 22, the East Timorese arrested in the Gunung Agung bookstore in Senen, Jakarta, last week, was carrying documents with him from Konis Santana, as well as an Infight publication and the White Book on the June press bannings. Customers are apparently supposed to check their bags at Gunung Agung, and when he walked into the store without doing so, the Satpam got him.

Celso’s father, Dominggos Ximenes, was an Apodeti member; his mother works at the East Timorese house in Taman Mini. It is not yet clear where he was being detained; there was some fear he had been taken to Kramat V, the military intelligence interrogation interrogation center, but there is no confirmation of that.

(East Timor Documents, Volume 34. December 1, 1994 - January 16, 1995. Page 23)

TIMORESE ARRESTED IN JAKARTA, WEST PAPUA
TAPOL Report, 13 January 1995

A reliable human rights contact in Jakarta today told TAPOL that an East Timorese named Celso Oliveira, 23, was arrested at the Gunung Agung Bookshop, Kwitang, Jakarta this morning.

It is not clear whether he is currently a resident in Jakarta or in Dili. He was arrested by a member of the store’s security, SATPAM, handed on to the Jakarta regional military command and taken to the interrogation centre in Kramat Lima. It is more than likely that he will have immediately been subjected to torture.

Our contact said the security authorities had found a document in his possession which details recent events in East Timor and which had been faxed to a number of human rights organisations overseas, including TAPOL.

This may have been the document that was posted on reg. easttimor several days ago, entitled ‘Widespread tension in East Timor.’

There are fears that this will develop into a case like that of José Antonio Neves who is now on trial in Malang, East Java, on charges of rebellion.
Meanwhile, we have just learnt that the daily, Kompas, reported on 5 January the arrest in West Papua of three East Timorese on 28 December, as they were trying to flee Indonesia and go to Australia.

According to Major-Gen. Ketut Wirdhana, commander of the Trikora military command covering Maluku and Irian Jaya, the three had come to Sorong for a match with a local team but remained there after the team left for home and “obtained identity cards, certificates of good conduct, birth certificates and passports to escape to Australia.”

They were arrested before being able to leave Sorong. He alleged that one of the three had taken part in an anti-integration demonstration in Dili.
They were being handed over to the Udayana military command based in Bali which covers East Timor.

(Page 24, East Timor Documents, Volume 34. December 1, 1994 - January 16, 1995.)

Zacarias Albano Promete Sei Lori Nicolao Lobato Nia Ruin Mai Dili





Written by Emilia Ana
Monday, 30 November 2009
Image
Zacarias Albano, MNE
CJITL Flash,
Ministru Negosiu Estranjeiru (MNE) Zacarias da Costa Albano hateten sei halo esforsu makas hodi tu’ur hamutuk ho governu no estadu Indonezia atu bele lori fila fali mate ruin Saudozo Nicolau Lobato mai Timor Leste.






Lia hirak ne’e hato’o husi Prezidenti Partidu Sosial Demokrata (PSD) hafoin enkontru Bilateral ho Executive Director of Counter Terrorism Committee of United Nation (UN) ba Timor Leste, Mike Smith iha Ministeriu Negosiu Estranjeiru Praia dos Coceiros, Dili, Segunda feira, (30/11).

Nia hateten kona ba kazu mate ruin Nicolao Lobato nu'udar nia resposabildiade atu oinsa bele trata lalais hodi bele resolve iha futuru oin mai hamutuk ho Indonezia.

“Hau hanoin ne’e hanesan kestaun ida ne’ebe ke iha meja leten hela, ami tenki follow up ho autoridades Indonezia para sira entrega fali Nicolao Lobato nia ruin mai Timor Leste”, dehan Ministru ne’e. “Tamba ne’e ita presiza tuur hamutuk ho sira”.

Relasiona ho ida ne’e maka governu Aliansa Maioria Parlamentar (AMP) liu husi MNE sei tu’ur hamutuk ho Ministru Negosius Estrangeiru foun Indonezia nian atu nune’e bele debate konaba asuntu ne’e.

“Iha dia 7 to’o 9 ami sei tu'ur hamutuk ho Ministru Negosius Estranjeiru foun Indonezia nian iha Bali hodi bele debate kona ba kestaun sira ne’e” tenik nia.

Nune’e mos, tuir planu sei koalia mos konaba funsionariu publiku ne’ebe uluk servisu iha tempo Indonesia atu nune’e sira bele hetan sira nia direitu.

“Kona ba pensaun funsionariu publiku sira ne’ebe uluk servisu iha tempu indonezia ne’e sei han tan tempu. Hateten Albano. (emy/cjitl)

Sunday, 29 November 2009

Maijor Jenderal Taur Matan Ruak no Brigadeiro Lere Anan Timor Simu Tomada de Posse





Written by Emilia Ana
Saturday, 28 November 2009
ImageCJITL flash, komemorasaun Loron Independensia Unilateral Timor Leste 28 Novembru ne’ebe konhesidu ho naran Loron Proklamasaun ba tinan ida ne’e akompanya mos ho fo tomada de posse ba Taur Matan Ruak hodi sa’e deviza ba Maijor Jenderal ou Fitun Rua no mos Lere Anan Timor ho deviza foun Brigadeiro Jenderal ou Fitun Ida.

Selebrasaun loron proklamasaun independensia ba dala 34 ne’ebe monu iha loron sabdu semana ne’e, hala’o iha Palasiu Prezidensial Nicolao Lobato, Aitarak Laran, Dili.

Liu husi loron espesial ne’e, Prezidenti Republika, Jose Ramos Horta fo tomada de pose ba Komandante Jeral Falintil Forsa Defeza Timor Leste (F-FDTL) Jose Maria de Vasconselhos Alias Taur Matan Ruak no Tito da Costa Cristovão Alias Lere Anan Timor ho deviza foun ne’ebe aprova liu husi konsellu ministru iha loron 23 Fulan Novembru tinan ida ne’e.

ImageMaijor Jenderal Taur Matan Ruak, ba jornalista sira hafoin de serimonia remata hateten katak responsabilidade no konfiansa ne’ebe Povu no Estadu fo ba nia ne’e hanesan responsabilidade atu asegura diak liu tan funsaun FFDTL iha nasaun ida ne’e.

“Iha hau nia misaun, hau nia responsabilidade em primeiru lugar maka kredibiliza ita nia instituisaun F-FDTL no sigundu maka kapasita nia hodi kontinua kompri nia funsaun tuir mandatu konstituisaun nian”, hateten Taur. (Reporter emy/cjitl)

Timor Oan Nain 3 ne’ebe Dada Sa’e Bandeira Proklamasaun Independensia 1975





Written by Georginha da Silva
Saturday, 28 November 2009
Image
Grupo Dada Bandeira Proklamasaun
CJITL flash,
Liu husi selebrasaun loron proklamasaun independensia iha Palacio Prezidencial Nicolao Lobato Aitarak Laran Dili, 28 ba dala Tolu nulu resin hat (34), Prezidente Republika Aprezenta ba publiku Timor oan nain Tolu (3) nebe premeira ves hasa’e Bandera Nasional iha iha tinan 1975.

Ema nain tolu ne’e mak hanesan Jose Fereira agora hela ho idade 72, Martinho Ribeiro Soares agora moris ho idade 61 no Domingos da Silva moris ho idade 73.

Iha intervista ho jornalistas, Domingos da Silva ne’ebe uluk hasae bandera hateten katak “ohin loron hau sente kontenti teb- tebes tamba iha tinan ida ne’e hau sei partisipa iha loron komemorasaun ba dala 34 nian no hau husu nafatin ba ulun boot sira atu ukun didiak ita nia nasaun no ita nia rai”.

Image
Komprementa Lideransa Fretilin
Momentu hasa’e bandeira iha loron proklamasaun nian, Domingos da Silva halo tinan 50, agora dadaun nia hela iha Audian.

Jose Fereira mos hateten ba jornalista katak nia mos sente konteti tamba sei bele partisipa iha loron ida ohin.

“Hau husu ba joven sira tenki hametin nafatin unidade ba ita nia rain e mos tenki respeita nafatin ita nia Bandera Nasional” Jose apela. (Reporter Jinha/cjitl)

Friday, 27 November 2009

“Borja da Costa - Selecção de Poemas / Klibur Dadolin”

Comunicado de Imprensa

“Borja da Costa - Selecção de Poemas / Klibur Dadolin”

Um conjunto de poemas timorenses que transcrevem a rebeldia educacional e religiosa a par com as ideias revolucionárias de Borja da Costa, autor do hino nacional de Timor-Leste, numa época em que a luta social despontava neste país

Lisboa, 25 de Novembro de 2009
A Lidel anuncia o lançamento do livro “Borja da Costa - Selecção de Poemas / Klibur Dadolin”, da autoria de Luís Costa, que apresenta uma compilação de poemas de Borja da Costa, seu irmão, numa edição bilingue, em português e em tétum.

Os poemas de Francisco Borja da Costa mostram o profundo conhecimento das regras de poesia tradicional, em que transparece o desejo de sensibilizar o povo explorado, através de uma linguagem que está enquadrada no espírito da época anti-colonial e na luta social através da revolução. Tal como é referido num dos seus poemas, “Porque é que o Timorense há-de curvar-se para sempre?”, “Abre os olhos, o novo dia chegou à nossa terra”.

A sua poesia aborda os problemas regionais a nível da educação e do desenvolvimento, sendo influenciada pelos movimentos de libertação africanos e dos estudantes da Casa de Timor em Lisboa, bem como, pela percepção das injustiças e desigualdades com que se foi deparando na convivência com os portugueses na tropa e aquando do seu trabalho na administração pública.

Esta obra reúne os poemas de Borja da Costa, em edição bilingue – Português/Tétum ou Tétum/Português, conforme a língua do original – traduzidos pelo seu irmão Luís Costa que os organizou e ainda aperfeiçoou algumas traduções já existentes.

“Estrela d’Alva no Céu
Vem orientar o caminho!
Vem mostrar o caminho certo
Que nos leve à luz
Vem iluminar a consciência de Timor
Vem abrir os seus olhos.”
In “Borja da Costa”; pág. 37

Sobre Francisco Borja da Costa
Nasceu em Fatu-Belak, no dia 14 de Outubro de 1946. Entrou para a função pública, em 1967, a título experimental. De 1968 a 1971 cumpriu o serviço militar obrigatório e, terminado o mesmo, regressou à função pública, na categoria de aspirante da Repartição de Gabinete. Em 1973 esteve em Lisboa de licença onde frequentou a Casa de Timor. De regresso a Díli participou mais activamente nos encontros nacionalistas e, quando se deu o 25 de Abril de 1974, entrou para o movimento ASDT (Associação Social Democrática Timorense). No dia 7 de Dezembro de 1975, dia da invasão indonésia, desprevenido e sem possibilidade de fugir para as montanhas, Borja da Costa foi assassinado nessa madrugada à frente da sua residência em Kolan-ibun, Bairro dos Grilos. O seu corpo juntamente com o de outros membros da Fretilin e da Apodeti (Associação Popular Democrática de Timor) foi lançado ao mar tendo sido enterrado, posteriormente, na praia entre Lecidere e a ponte Santana, segundo dizem, ao pé de um coqueiro.


Sobre a LIDEL

Já na sua terceira geração, a Lidel - Edições Técnicas (capital social 1.200.000€) é um projecto 100% português que iniciou a sua actividade como distribuidora exclusiva em Portugal de diversas editoras técnicas de prestígio internacional.

Actualmente a actividade principal da LIDEL é a edição de livros técnicos de autores portugueses, que acumula com algumas distribuições exclusivas nas áreas da Medicina, Biologia e Informática. O Ensino do Português (Língua Estrangeira e Língua Segunda), a Medicina, a Gestão, a Formação de Professores e Formadores e a Engenharia são as principais áreas editoriais da LIDEL.

Do Grupo LIDEL fazem parte a FCA Editora de Informática e a ETEP Edições Técnicas e Profissionais, editoras especializadas na publicação de livros técnicos de autores nacionais dedicados às áreas de Informática (FCA) e Automação, Robótica e Electrónica (ETEP).

Com mais de 50 anos ao serviço do livro técnico, o Grupo LIDEL apresenta em catálogo mais de 650 obras em português, com colecções variadas destinadas a profissionais, estudantes e público em geral.


Sobre o Autor

Luís Costa
Irmão de Borja da Costa, Luís Costa nasceu a 13 de Dezembro de 1945, em Fatu-Belak. Fez o curso de Teologia no Seminário de Leiria tendo estagiado na freguesia de Freixianda, onde continuou a cooperar após ordenação sacerdotal em Dezembro de 1973. Em Novembro de 1974 regressa a Timor onde foi cooperar na missão de Ossú. Durante a invasão esteve de 1976 a 79 nas montanhas com a população, tendo regressado a Díli em Abril de 1979. De Janeiro de 1980 a Fevereiro de 1981 colaborou na tradução para tétum do Ordo Missae, Ferial e Leituras das missas, tradução essa que foi aprovada pela Santa Sé, em Abril de 1981. Em 1983 regressa a Portugal tendo cooperado nas paróquias dos Anjos e Ajuda. Em 1986 abandona a vida sacerdotal. Em Portugal, desde 1984, colaborou em actividades pela causa timorense. É autor do Dicionário Tétum-Português, 2000 e do Guia de Conversação Português-Tétum, 2001.

“Borja da Costa - Selecção de Poemas / Klibur Dadolin”
ISBN: 978-972-757-642-5
N. º de Pág.: 40
P.V.P.: 12,60 €

Para mais informações:

Grupo LIDEL
Rita Annes
Tel.: +351 21 351 14 48
E-mail: ritaa@lidel.pt

www.lidel.pt

PressDirecto
Catarina Passos
Telf: +351 21 750 60 43
E-mail: catarina.passos@pressdirecto.com
www.youngnetwork.net

Borja da Costa – Selecção de Poemas / Klibur Dadolin e de olhos lavados / ho matan moos

Exmo.(a). Senhor(a),

A Embaixada da República Democrática de Timor-Leste, a Lidel – Edições Técnicas e os autores, Luís Costa e António José Borges, têm a honra de convidar V. Exas. para a Sessão de Lançamento das obras literárias:

Borja da Costa – Selecção de Poemas / Klibur Dadolin
e
de olhos lavados / ho matan moos

A sessão será presidida por Sua Excelência a Embaixadora da República Democrática de Timor-Leste em Lisboa, Dr.ª Natália Carrascalão.

A apresentação do livro de olhos lavados / ho matan moos estará a cargo da Profª. Ana Paula Tavares (Poetisa; Ensaísta; Professora Universitária) e contará também com a participação da Dra. Elsa Rodrigues dos Santos (Presidente da Sociedade da Língua Portuguesa).

O evento realizar-se-á no dia 30 de Novembro, pelas 18h30, na Embaixada da República Democrática de Timor-Leste, no seguimento das comemorações do Dia da Proclamação da Independência.

Agradecemos a s/ confirmação até ao próximo dia 26 de Novembro para os seguintes contactos: Telef: 21 351 14 48 - E-mail: marketing@lidel.pt

Contamos com a sua presença!

Até breve,

Rita Annes
Coordenadora de Marketing

POESIA DE TIMOR “DE OLHOS LAVADOS”


.

PNN Portuguese News Network – 25 Novembro 2009

Lisboa – A Lidel lançou o livro de poemas «De olhos lavados», escritos por António José Borges, em português e tétum.

«De olhos lavados/ho matan moos» é o primeiro livro de poemas do autor. Tem como tema central Timor-Leste, as pessoas que lá vivem, as paisagens e os estados de espírito provocados por uma viagem real e metafísica do autor.

Os poemas reflectem um percurso desde o Douro até Timor-Leste, passando pela Indonésia e pela Tailândia. No final sente-se uma saudade futura de um tempo presente e a esperança global num futuro diferente do passado.

O livro é uma edição bilingue, traduzida para tétum pelo poeta timorense Abé Barreto Soares e conta com ilustrações com colagens da artista plástica suíça Piera Zürchter. Urbano Tavares Rodrigues define a obra como uma, «viagem iniciática, através do amor, da dádiva e do diálogo com a terra, metafórica visão de um paraíso agreste, da humildade e da escassez, ‘de olhos lavados’ é bem a revelação de um autêntico poeta, de quem muito há a esperar».

António José Borges foi professor de Literatura Portuguesa Contemporânea, entre outras disciplinas, na Universidade Nacional Timor Lorosae. Este é o segundo livro do autor visto já ter um livro de crónicas publicado, com o título «Timor – As Rugas da Beleza».

Thursday, 26 November 2009

"Hau Fa’an Aileba, Tamba Hakarak Alin Sai Matenek La’os Beik Hanesan Hau"





Written by Domingos da Silva
Thursday, 26 November 2009
Image
Alberita ho Reporter CJITL
Indepth news,
Alberita de Jesus nu’udar aileba ida hodi ajuda inan aman suporta alin sira ba eskola, la’o loron tomak la hanoin atu han hodi fa’an nia has, to;o Kalan mak Fila ba uma.








Alberita De jesus fa’an aifuan ka sai aileba desde idade sanulu resin lima(15), to,o agora ho idade rua nulu resin rua(22), maske ho idade nebe mak joven la moe atu faan hodi ajuda inan aman atu haruka no selu alin nia eskola.



“Hau fa’an tanba hau nia hakarak rasik atu nune’e bele suporta alin sira ba eskola, laos inan aman mak haruka hau, hau hakarak ajuda hau nia inan aman” dehan Aberita ba CJITL online iha loja Sigma nia oin,kinta 25 Novembru.

Image
Alberita de Jesus
Alberita mai husi distritu Aileu, oras ne’e dadaun hela iha Becora Dili, dadersan lori nia has sai husi uma haleu Dili laran to’o kalan mak fila, loron la hanoin atu han.







Has nebe nia fa’an, tali ida ho folin U$ 0,50 Cent, iha oras nebe mak CJITL online hasoru Alberita foin hetan U$ 3;00 dollar.

Nia haktuir katak Fa’an loron ida hetan U$8;00 – U$10;00 dollar, dalaruma hetan deit U$ 5 loron ida.

“Maske loron manas hau la’o nafatin hodi buka osan ba hau nia inan aman sira nebe mak hela iha Aileu, hodi fo ba hau nia alin sira eskola” Nia informa.

“Ita husu bebeik ba governu mas sira la halo buat ida” (Reportajen Domingos da Silva)

POESIA DE BORJA DA COSTA – lançamento na Embaixada de Timor-Leste, em Lisboa


.

Na próxima Segunda-Feira, dia 30 de Novembro pelas 18h30m na Embaixada de Timor-Leste, Largo dos Jerónimos nº 3- 1º Belém, será lançado o livro de Poesia Borja da Costa, editado pela LIDEL.

O livro é uma compilação de poemas de Borja da Costa, poeta Timorense assassinado no dia 7 de Dezembro de 1975 pelas tropas invasoras, e foi compilado pelo Luís Costa, irmão do poeta.

Descrição

A poesia de Borja da Costa, compilada neste livro, transcreve a rebeldia educacional e religiosa a par com as ideias revolucionárias do poeta, autor do hino nacional de Timor-Leste.

Os seus poemas foram escritos sobretudo para sensibilizar o povo explorado e a sua linguagem está enquadrada no espírito da época anti-colonial e na luta social através da revolução.Na sua poesia não foram esquecidos os problemas regionais a nível educacional e do desenvolvimento. Podemos encontrar a influência dos movimentos de libertação africanos e dos estudantes da Casa de Timor em Lisboa, bem como a percepção das injustiças e desigualdades com que se foi deparando na convivência com os portugueses na tropa e aquando do seu trabalho na administração pública.

Esta obra reúne os poemas de Borja da Costa, em edição bilingue – Português/Tétum ou Tétum/Português, conforme a língua do original – traduzidos pelo seu irmão Luís Costa que os organizou e ainda aperfeiçoou algumas traduções já existentes.

Francisco Borja da Costa

Nasceu em Fatu-Belak, no dia 14 de Outubro de 1946. Entrou para a função pública, em 1967, a título experimental. De 1968 a 1971 cumpriu o serviço militar obrigatório e, terminado o mesmo, regressou à função pública, na categoria de aspirante da Repartição de Gabinete. Em 1973 esteve em Lisboa de licença onde frequentou a Casa de Timor. De regresso a Díli participou mais activamente nos encontros nacionalistas e, quando se deu o 25 de Abril de 1974, entrou para o movimento ASDT (Associação Social Democrática Timorense). No dia 7 de Dezembro de 1975, dia da invasão indonésia, desprevenido e sem possibilidade de fugir para as montanhas, Borja da Costa foi assassinado nessa madrugada à frente da sua residência em Kolan-ibun, Bairro dos Grilos. O seu corpo juntamente com o de outros membros da Fretilin e da Apodeti (Associação Popular Democrática de Timor) foi lançado ao mar tendo sido enterrado, posteriormente, na praia entre Lecidere e a ponte Santana, segundo dizem, ao pé de um coqueiro.

O(s) Autor(es)

Luís Costa
.
Irmão de Borja da Costa, Luís Costa nasceu a 13 de Dezembro de 1945, em Fatu-Belak. Fez o curso de Teologia no Seminário de Leiria tendo estagiado na freguesia de Freixianda, onde continuou a cooperar após ordenação sacerdotal em Dezembro de 1973. Em Novembro de 1974 regressa a Timor onde foi cooperar na missão de Ossú. Durante a invasão esteve de 1976 a 79 nas montanhas com a população, tendo regressado a Díli em Abril de 1979. De Janeiro de 1980 a Fevereiro de 1981 colaborou na tradução para tétum do Ordo Missae, Ferial e Leituras das missas, tradução essa que foi aprovada pela Santa Sé, em Abril de 1981. Em 1983 regressa a Portugal tendo cooperado nas paróquias dos Anjos e Ajuda. Em 1986 abandona a vida sacerdotal. Em Portugal, desde 1984, colaborou em actividades pela causa timorense. É autor do Dicionário Tétum-Português, 2000 e do Guia de Conversação Português-Tétum, 2001.

Índice

1. Foho Ramelau/Monte Ramelau
2. O povo Maubere não pode ser escravo de mais ninguém/Povu maubere la bele tenik ema seluk nia atan
3. O rasto da tua passagem/Tuir o ain klor
4. Povu kiak/Povo pobre
5. Kole lele mai/Kole lele mai
6. Kdadalak/Regatos
7. O grito do soldado maubere/Soldadu maubere nia lian
8. Ela vencerá/Feto sei manán
9. Um minuto de silêncio/Nonók minutu ida
10. O amor/Domin
11. Pátria, Pátria/Patria, Patria
12. Os ventos do teu dorso/Anin susuut o kotuk
13. Fitu mutin/Estrela d’Alva
14. Demagogicamente/Hateten ibun boboot

Tuesday, 24 November 2009

TAUR MATAN RUAK PASSOU A MAJOR-GENERAL


.

Por JORGE HEITOR, jornalista – O Máximo*

O Conselho de Ministros de Timor-Leste reuniu-se extraordinariamente esta Segunda-feira, dia 23 de Novembro de 2009, na Sala de Reuniões do Conselho de Ministros, no Palácio do Governo, em Díli, e aprovou:

Proposta de Promoção de Altas Patentes das F-FDTL

O Brigadeiro-General Taur Matan Ruak (José Maria de Vasconcelos) é promovido a Major-General e o actual Coronel Lere Anan Timor (Tito da Costa Cristovão) sobe ao posto de Brigadeiro-General.

Ambas as promoções são propostas por distinção, de acordo com o Regime das Promoções Militares, e surgem como reconhecimento pela luta desenvolvida, na Resistência, por parte dos dois militares,durante os anos de Libertação Nacional, e por toda a dedicação e lealdade que têm demonstrado à Nação no desempenho das suas funções, com destaque para o trabalho desenvolvido nas F-FDTL, que acompanharam desde a sua criação, e que muito têm contribuido para a sua manutenção e fortalecimento.

O major-general Taur Matan Ruak nasceu há 53 anos em Baguia, no distrito de Baucau, sendo hoje em dia uma das mais distintas personalidades da vida timorense, dele se tendo já falado como um dos nomes a ter em conta aquando da apresentação de candidaturas para as próximas eleições presidenciais. Estas deverão verificar-se durante o primeiro semestre de 2012.

Monday, 23 November 2009

Dr.Alkatiri laran moras bot ho programas desenvolvimento husi IV Governu


Husi :Maubocy –observador politiku

Synopsis :

Palko publiku Timor Post( 14,16, Novembru) Dr.Alkatiri hakerek artigu ida ho titulo “ Iv governo constituisional “ ou sociedade unipessoal Ltd?”.
Desenho nebe Dr.Alkatiri pinta, liu husi nia ilustrasaun “ um olhar pelo Retrovisor “ (hateke /hare, husi lalenok kareta nian ba kotuk), Dr.Alkatiri enumera sistematikamente figuras hirak nebe kontribui makas Dr.Alkatiri nia derrota. Entre elas :
1. Xanana Gusmaão tuir Alkatiri nia versaun, iha 2006 Xanana hanesan Presidente, abertamente asumi posisaun de oposisaun ba I governo Constitusional lideradu husi legendario historiku Mari Alkatiri;
2. Akusa FRETILIN Mudansa ho nia estrutura tomak aliados ho Xanana, hodi hatun Mari ho nia lakaios sira husi trono;
3. Kritika governasaun de Xanana inkopetente;
4. Alkatiri kontinua ho nia retorika atual governu de jure Inconstitusional, de facto ilegitima.
Hareke nain, liu husi artigu ida ne’e, hakarak hatudo factos, katak, derrota Mari Alkatiri sofre, hussu nia demisaun ofisial, iha Junho de 2007, akompanha ho derrotas rua eleitorais (Presidensial +Legislativa) kulpa Mari Alkatiri nian rasik. La os Xanana ka F-Mudansa nian.
Rastos kronologicos do Mari pelo Retrovisor
§ Junho de 1998, dual Mari ho Estanislau, halo golpe ba Lugo iha Sydney hodi hatun Lugo husi chefia da Delegasaun da FRETILIN, promove Mari Alkatiri ba Vice Cordenador da FRETILIN;

§ 1999 Novembro Mari fila mai Dili. Iha Maio de 200 hahu Conferencia Extraordinaria dos Quadros da FRETILIN. Alkatiri kontente bot tanba kuadros barak, FRETILIN nia forsa makas. Parese altura neba, Mari hanoin ona atu desafia Xanana atu desmantela CNRT;


§ 2000 Outubro FRETILIN forma ekipa Restruturasaun Nasional atu hari hikas fali estruturas : Sukus, Sub-Distritos no Distritus, hodi prepara ba eleisaun Assembleia Constituinte ba 30 de Agosto de 2001.
Resultados das eleisoens, FRETILIN manang ho 57%, Mari Alkatiri babujo da Vitoria da maioria kuase kualifikada, garante metin ona katak nia maka patraun total de Timor Leste ho rekursus naturais tomak. Nune’e, unilateralmente Mari elege nian aan rasik ba Primeiro Ministro sem konsulta ka aprovasaun em unaminidade membros do CCF. Foti mos membros do governu tuir nia gostu “via telefonemas”.

§ Mari ho dupla funsoens ( Secretario Geral e Primeiro Ministro) transforma FRETILIN maka Mari, Governo maka Mari. Timor Leste cet moi (Timor Leste tomak hau nia kusta). Ho plenos poderes iha Partido no governu Mari tornou-se tirano arrogante lider. Mega projectos do Governo ho milioes de dollars, direito exclusivo familia Alkatiri nian.

§ Criticas internas, husi membros CCF iha Partido, nebe aponta erros fatais Mari nian, kona ba abusos de poderes, ma-gestaun Partido, Mari, vinga persegue hodi dehan: “Sira nebe kritika hau, frustado tanba la hetan fatin”.


§ Oposisaun interna hahu iha Febreiro de 2003, kulmina ho kumulo de vergonha iha II Congresso 19 de Maio de 2006 “ho famoso votasaun foti liman “;

§ Igreja mos deskontente ho politica da Religiaun Fakultativa nebe resulta demonstrasaun de 19 dias Maio de 2005; halo MA atrapalhadu no sofre depresaun bot tanba Instituisaun bot ida hanesan Igreja Catolika, nia impacto negative bele sobu MA nia imagem no reputasaun

§ Veteranos sira mos insatisfeito ho politica Mari nian nebe difama ho lia fuan “fahi krekas, fu la fase, faluk sira oan kores kores; lisensiados Indonesia ho sarkasmu de “sarjana suprimis”;

§ Deskontetamentos hirak ne soma hamutuk, hanesan laloron ka anin bot ida halo nakadoko makas MA nia forsa politika, tanba Timor oan barak ona husi Partido laran no husi liur, la gosta MA nia politica nebe la refleta ema barak nia desejos no aspirasaun.

§ MA atu assegura nia kadeira, elabora estrategias de konfrontasoens ho bolsas de Resistensias hotu inklui XG. Nune buka modelo husi Afrika hodi halibur grupos hodi fahe kilat hahu perturbasoens.

§ 2005 -06 atu konsolida Alkatiri nia poder iha Partido, organiza Conferensias Distritais, no Regionais atu sukat simpatia ba Mari Alkatiri too iha nebe. Alkatiri siente katak iha II Congresso Maio de 2006 bele lakon eleisaun, tanba sentimentu antipatia generalizado 90%, husi delegadus nebe mai Congressu, ho tauk ba surpresa ida ne, antesipa ho medida de prekausaun, hodi forma “eskuadraun de morte “ fahe kilat ba varios grupos de civis.


§ Alkatiri + Rogerio halo eskenario de instabilidade politca, nebe hamosu konfrontasaun armada PNTL ho FDTL, konfrontasaun de arte marsiais, grupo etnico loromonu versus lorosae etc.
Objectivo de ondas de violensias sai kontrario ba arkitetus (Mari +Rogerio) nia espetativas. Devia konduz ba susesu atu konsolida Mari nia chefia nafatin iha governu, felizmente sai kontrariu. Membros armados, denuncia envolvimentu Mari ho Rogerio iha tragedia “crise de Abril de 2006 “ nebe resulta kondenasaun do Rogerio ba prisaun.

§ Husi Mari nia parte, pena nebe nia hetan, demonstrantes husu nia resignasaun, sekundada ho pedido Presidente Xanana nebe fo ultimato. Xanana maka resigna ou Mari maka resigna. Mari consciente katak nia fraku, halo asneira bot fahe kilak, voluntariamente anuncia nia resignasaun iha 26 de Junho iha horas 13.00 ba media local no internasional.

§ Mari iha esperansa bot ba eleisaoens Presidensial ho Legislativa de Maio -Junho 2007. Iha kampnha eleitoral, Mari hakilar too kakorok nakafera dehan katak “FRETILIN borong tomak “ ba eleisoens rua hotu.


§ Resultado eleitoral Presidensial kandidatu FRETILIN Lu Olo, hetan deit 24.69 % (STAE :07) la hetan maioria absoluta. Iha segunda volta kandidatu CNRT, Mudansa, Undertim, Milenieum ho apoio ASDT, PD, PSDT – Dr.Ramos Horta manang 65%. Husi rival Lu Olo.

§ Eleisaun Legislativa, 2007 FRETILIN nia votos 24. 02%. Koresponde 129 592, enkuanto CNRT ho Mudansa hetan 24,10 % 100 175. Diferensa de 5%. Ho resultado de maioria simples FRETILIN la bele forma governu. Presisa Aliados husi Partidos seluk atu hetan korum de maioria absoluta.


§ Ho karater arrogante Dr.Alkatiri nian, maka impede forma Aliansa ho Partidos Politikus seluk. Nune CNRT ho figura Xanana fasilmente atrai simpatia husi Partidos : Coligasaun ASDT/ PSD, PD hodi forma AMP hodi prense rekesitus legais Konstitusional hodi forma IV Governu Konstitusional nebe hetan mandatu atu ukun tinan 5, tuir lei nebe estipula iha Konstituisaun RDTL.
Derota Politica Mari Alkatiri
Politica pratika, tuir hau nia versaun Dr.Mari, pesanmento (s), komportamentos, akompnha ho atividades nebe kapaz konsolida entre membros iha estrura organizasaun nia laran, kapta simpatia husi militantes tomak atu fo apoio nafatin, ba lideransa, ho mos buka maneiras atu hetan suporte husi aliados politikus sira.
Tuir hau nia experiensia, lider ida hanesan fo as nebe hateke hetan ema hotu, atende membros sira nia susar, fo mahon ba nia militantes tomak ou hanesan tasi nebe, be hotu-hotu ba desagua iha neba.

Politica nia funsaun no objectivu atu serve ema hotu nebe involve iha organizasaun nia laran. Se lideransa utiliza meios de organizasaun exklusivamente atu serve sira nia interesses, husi ne, apoio ka solidariedade membros sira nian neneik-neneik desaparese.
Dr.Mari .Derrota politica iha bot nian, mai husi ita bot nia aan rasik, resulta husik ita bot nia hahalok nebe prejudicial ba interesses da FRETILIN.

Tanba Mari Alkatiri identifika nian an, patraun bot FRETILIN maka konflitus internus mosu. Tanba Mari Alkatiri la iha kapasidade ka interesse atu resolve konflitus ho lideransa F-Mudansa maka resulta FRETILIN nia votos tun makas husi 57,37 % (2001) tun mai 29,02% (2007).
Se Mari Alkatiri, iha pasiensia atu rona membros F-Mudansa nia preokupasaun kona ba diferensas de opinioens kona asuntos iha Partido no Governu laran, oras ne, lideransa FRETILIN ida deit la fahe ba rua, hau iha serteza kaer ukun nafatin.

Dr.Alkatiri nia arrogansia politica maka resulta resistensia husi F-Mudansa, husi veteranos, husi Klandestina husi Xanana no husi Hirarkia Igreja Katolica;
Dr.Mari. Ita bot hatudo ona inkapasipade politica lori FRETILIN ba derrotas rua prinsipais: Presidensial no Legislativa iha 2007. Los ka lae? Realidade objetiva ida ke ita bot rasik hatene no sente. Iha fatin hotu-hotu lideres sira voluntaramente husu sira nia resignasaun kuando situasaun ne mosu.

Bainhira los maka Dr.Alkatiri husu nia Resignasaun?....

Dr.Altari. Teimosia autentiko idotas sira nian. So resulta deit katastrofes. Durante tinan rua ona ke ita bot buka meios hotu-hotu atu hatun Xanana, mas esforsus hotu-hotu em vão ka inutil.
Ultima derrota espetakular maka Mosaun de Censura nebe AMP em bloko chumba (la passa) pedidu Mosaun de Censura iha Parlamentu Nasional relasiona ho Maternus Berek nia assunto.
Ekran TVTL leno, abundansia de frustrasaun no desesperu Deputados (as) FRETILIN nian kona ba derota bot ida ne, kuando resultdos da votasaun hatudo 39 kontra Mosaun de Censura. Deputados (as) balu komo razaun la iha ona, usa deit lia fuan hotar ba Bloko AMP sira.
Problema Maternus Berek, kestaun ida judicial. Se juizes sira nia interpretazaun, entidades do governu viola lei, entaun Xanana hetan sansaun, demite husi kargu do Primeiro Ministro. La signifika katak governu AMP tomak monu, tanba mandatu sei too 2012.

Hanesan mos kasu krise de 2006 nebe Dr.Mari resigna voluntariamente, FRETILIN kaer nafatin governu too mandatu hotu.
Hau lamenta oposisaun em vez de prepara di-diak, hodi tun ba base hato sira nia programas ba eleitores sira, atu hetan votos barak iha eleisaun de 2012 atu kaer fali governu, lideransa FRETILIN preokupa deit maka buka meios ba eleisaun antesipada iha tempu badak. Buat ida la os fasil atu akontese.

Ambisaun atu fila fali ba poder, buat ida ke diak, tanba iha regalias no privilegios barak no oi-oin deit. Mai be oras ne, AMP hakat dok ona, abut mos metin ba bei-beik. Dr.Alkatiri ho nia komitiva koko doko to esgota hotu deit sira nia energias, resultado minimo mos la hetan, hodi resulta frustrasoens oi-oin deit. Oposisaun buka usa hotu ona estrategias sofistikadas hanesan alisia deputados ASDT nian, mas la hetan resultado, lobby ho Presidente da Republika ba eleisaun Antesipada ho kargu Dr.Alkatiri sai lider “pipe line task force” mos la hetan efeito, atentado 11/02/08, Xanana la hetan asidente ida, varios rekursos ba Tribunal de Rekursso, AMP hetan Vitoria bei-beik I ikus mai Mosaun de Censura, FRETILIN hetan derrota bot.
Dr.Mari , eleitorado FRETILIN maka fo kastigu ba ita bot, hodi retira votos ba FRETILIN, tanba governasaun FRETILIN tinan 5, la fo benefisios ba maioria votantes FRETILIN sira.
Dr.Mari akusa Xanana ho F-Mudansa halo golpe hodi hatun Mari Alkatiri husi tronu Prmeiro Ministro, akusasaun ne falsu no la iha fundamento logico.

Realidade akontese ba ita bot maka ne: “Poder Povo maka fo no Povo maka hasai liu husi eleisaun geral” Tanba Mari Alkatiri la-hatene manang votantes sira nia simpatia, durante tinan 5 de governasaun, maka votantes sira la fo votos ba Mari Alkatiri liu husi FRETILIN. Tanba vota ba FRETILIN hanesan vota ba ditador Mari Alkatiri.
Dr.Mari se bot maka Primeiro Ministro nafatin to ohin loron husi resultado da crise de 2006. Ita bot gaba aan hanesan autor principal ka lae? Komo resultado sai negativu entaun dun sala ba ema seluk. Dr. Alkatiri ema ida “impecavel”. Se pekadu politiku ruma mosu nunka mai husi Dr.Alkatiri. Atribui kulpa ba ema seluk.

Dr.Mari, ema la honesto ka bosoten no botar ten, buka meios hotu-hotu subar sira nia sala. Sira gosta dun ka tula sira nia sala ba ema seluk sala laek. Exemplo : autor principal ka maestro bot krise de 2006 maka Mari Alkatiri, atu deten poderes de governasaun, mai-be dun sala fali ba Xanana.
Dr.Alkatiri bainhira maka ita hetan consiencia katak ita bot komete erros barak ba derrotas FRETILIN nian?

Critikas Alkatiri hasoru Xanana nia governasaun

Dala barak Dr. Alkatiri hatudo nia dom de sabedoria liu kritikas iha jornais no entrevistas ka komentarios iha TV. Kritikas ba aspectus barak, mai be la fo ka sugere alternativa de solusoens ho propostas konkretas ka modelos asertudos.

Governu AMP ukun tinan rua ona, desgostos husi publiko atu hatudo sira nia deskontentamentu ba governasaun atual liu husi demonstrasoens massal ka violentas too ohin loron sei dauk mossu.
Impacto de des-governasatun tuir Dr.Alkatiri nia persepsaun, kona ba governasaun AMP tuir lo los nia kausa no efeito diretamente resulta ba instabilidade politica iha teritorio tomak. Mai-be, factus la suporta ho minima hypotheses Dr.MA nia tese.

Nune argumentasaun Dr.Altari nian tuir teoria probabilidade, la merese atu konsidera valida. Validasaun de kualker hypotheses iha disciplina poitica deve ser sekundado ho efeitos negativos iha sociedade nia laran ,nebe manifesta ho perturbasoens de ordem publika hanesan : kaos, anarkismu, instituisoens governu nian balu paralizadas etc.

Realidade politca hatudp mo-mos ba ema hotu, partikularmente mos ba Dr. Mari katak seguransa no estabilidade oras ne dadaun existe. Kestaun ida inegavel ba nacionais no mos ba internasionais. Embora ema pesimistas balu dehan katak estabilidade sei fragil hela. O mais importante, atual governu garante duni estabilidade nasional iha Teritorio tomak.
Issue de Desenvolvimento

Desenvolvimento – tuir politica governu nian signifika investe fundos ba projectos relevantes atu hadia povo nia moris hanesan : projectos de infra-estruturas, be, estradas, eletrisidade, saneamentu, ho hadia fasilidades publikas hanesan passeios, jardins, eskolas, hospitais no sst.
Klaru ke momentu ida ne, meios disponiveis iha Timor Leste hanesan rekursus humanos no fasilidades de suporte sei limitado hela, de modo preparativus atu responde planus governu nian atu implementa projetus sira sei dauk koresponde reksitos tecnikus.

Facto ida ne, ita hotu hatene kondisaun atual. Mai be hau koloka kestaun ba Dr.Mari ho mos mal-entendidos sst:
1. Se ita hein kondisoens satisfatorias tuir rekesitus hotu, bain-hira maka desenvolvimentu ne, hahu ?
2. Populasaun sira presisa estradas, be, no eletrcidade oras ne dadaun, iha nesidade urgent govenu investe ka lae? Presisa hein tan tinan 5 atu halo preparativus?
3. Governu aloka orsamentu hodi : sosa foz, sosa produto local povo nian. Medida ida ne, diak ka la diak ba Povo nia interesses?
4. Komemorasaun tinan 10 Konsulta Popular, Governo dispoen Projectos Pakote Referendum ba empresarios besik 800. Politika halo projectos barak ba Povo nia interese, dispoen oportunidade empresarios sira hetan servisus no hetan osan, -konsidera hanesan politica de esbanjamento orsamental? (gasta osan arabiru)
5. Dr. Mari. Ita bot hetan oportunidade tinan 5 nia laran atu halo desenvolvimento ba povo nia moris diak. Tan sa maka la halo hanesan Xanana, iha ita bot nia mandatu?
Reasaun publika hasoru planu desenvolvimento IV governu positiva.Ker dizer povo apresia no suporta asoens hotu-hotu atual governu embora iha defiseincias balu ke presisa hadia.
Desgostosos sira, politicos dos Partidos da Oposisaun, tanba ho desenvolvimentu ida vibrante, nebe governu aloka orsamento bot ba projectos hirak nebe fo kobertura geral ba Povo nia moris diak, por konsekuensia kaixa de votasaun ba CNRT ho Mudansa iha eleisaun de 2012, sai barak liu , kompara ho Partidu nebe Dr.Mari lidera.

Atan oan hau tauk maka kaixa de votasaun ba Dr.Mari ho nia deputados sira bele hetan deit assentus 5 iha Parlamento Nasional iha 2012.

Hau komprende Dr.Mari nia preokupasaun bot kona ba kestaun de Xanana aloka orsamento bot ba desenvolvimentu tanba representa ameasa imaginavel ba derrota eleitoral 3a. vez iha 2012.
Iha ona indikasoens fortes, CNRT ho F- Mudansa, ba eleisaun de 2012, fo “derrota espetakular “ bot dala idan ba Dr.Mari ho nia akolitos sira hodi aprende.

Thursday, 19 November 2009

Funu ba Ukun Rasik-an iha Portugal mos hanesan Sociedadi Unipesoal, LDA


Parti ida

Kuandu hau le Mari Alkatiri, eis PM no atual Sekretariu Jeral Fretilin, nia artigu ho titulu: IV Governo Konstituisional ka Sociedadi Unipesoal, LDA, halo hau hanoin konaba pasajem luta ba ukun rasik an iha epoka hafoin tiha Massakre Santa Cruz tinan 1991 to'o iha 30 Agostu 99, iha Portugal. Artigu hosi Mari Alkatiri, obriga hau atu hakerek uitoan konaba moris klosan Timor oan nebe hili dalan "Suaka Politik" hodi bele hakilar iha Portugal hafoin tiha massakre Santa Cruz tinan 1991.

Hau iha serteza katak Timor oan barak lahatene konaba oinsa (1) Realidadi hosi funu diplomatika Timor nian iha Portugal. (2). Oinsa lideres hosi partidus historiku (Fretilin no UDT) sira nia moris iha Frenti Diplomatika iha Portugal. (3) Oinsa komunidadi Timor sira nia moris iha Portugal. (4) Oinsa Convensaun Nasional da Resistensia Timor konsege realiza iha Peniche, Portugal, iha 1998. (5) Tamba saida maka komunidadi Timor iha Portugal la dedika sira nia moris tomak iha atividadis politikas hodi liberta lalais ita nia rai doben Timor Lorosa'e? (6) Tamba saida maka mosu konflitus (baku malun to'o atu oho malun) entre klosan "Suaka Politik" iha Portugal?...etc...

Aproveito blog ida ne'e, hau hakerek uitoan konaba oinsa lideres hosi Fretilin no UDT iha Portugal halo funu Timor hanesan Sociedadi Unipesoal, LDA.

Iha Portugal, diverjensia entre lideres politikus (Fretilin ho UDT) maka'as tebe-tebes. Lideres Fretilin dada ba sorin ida, lideres UDT dada ba sorin seluk. Lideres politikus (lideres partidus Fretilin no UDT) ida-idak lori liafuan "demokrasia" hodi halo funu Timor hanesan Sociedadi Unipesoal partidu ida-ida nian. Enkuantu iha Timor, Timor oan lori Unidadi Nasional hodi enfrenta poderoso Indonesio. Iha Timor, funu nain sira preokupa ho partisipasaun ativa hosi povo Timor tomak hodi kontra Indonesia, maibe iha Portugal, lideres partidus ida-ida preokupa liu ho sira nia partidu du ke nasaun Timor nia futuru.

Hafoin tiha massakre Santa Cruz iha 1991, klosan barak halai sai hosi Timor tamba persegidu no ameasadu hodi husu "Suaka Politik" iha embaixadas estranjeiras iha kapital Indonesia, Jakarta. Objektivu hosi "Suaka Politik" maka: "bolu atensaun ba komunidadi internasional konaba violasaun DH iha Timor Leste".

Portugal sai hanesan ultimo parajem ba klosan Timor oan nebe husu 'Suaka Politik". To'o iha Portugal, klosan sira hetan kedas apoios hosi Governu no ONG's Portuguesas. Maibe, klosan barak maka senti frustradus, stress, dezilididu tamba hare hetan lideres politikus nebe halo funu Timor hanesan Sociedadi Unipesoal partidu ida-ida nian. Fretilin ho UDT fahe malun maka'as. Laiha orientasaun politikas, laiha koordenasaun politikas, la respeitu konseitu Unidadi Nasional, la respeitu Xanana Gusmao hanesan lideres maximu funu nian iha tempu neba no seluk-seluk tan. To'o klosan balun hateten nune: "iha Timor ita fo'o isin ho klamar hodi liberta Timor. Iha Timor ita loke hirus matan hodi hasoru Indonesia. Maibe iha Portugal ita foin hatene lolos katak funu ne'e sei naruk ba nafatin tamba lideres sira la kohi tu'ur hamutuk. Se maun bo'ot sira kontinua hanesan ne'e oinsa futuru povo Timor nian?"

Iha reuniaun ida iha Universidadi Lisboa entre klosan Timor ho Dr. Ramos Horta (So Dr. Ramos Horta deit maka halo bebeik reuniaun ho komunidadi Timor iha Portugal), klosan ida dehan nune: "Se maun bo'ot sira kontinua fahe malun tamba partidus, diak liu haruka ami fila fali ba Timor hodi kaer kilat hamutuk ho maun bo'ot Falintil sira iha ai-laran".

Klosan "Suaka Politik" labele halo tan buat seluk tamba: difikuldadis lingua, kultura no klima nebe sira enfrenta iha primeira faze kuandu sira to'o iha Portugal.

Se karik la lori klosan "Suaka Politik", entaun Convensaun Nasional da Resistensia Timor sei la konsege realiza iha Peniche, Portugal, iha 1998. Tamba obstakulu barak maka padre Maubere (padre Maubere hanesan koordenador ba konvensaun) hasoru iha Portugal. Liu-liu lideres hosi Fretilin lakohi troka naran CNRM ba CNRT.
Iha reuniaun ida iha Campu Pequeno iha Lisboa, konaba atu realiza ka lae Convensaun Nasional da Resistensia Timor, klosan "suaka Politik" obrigadu hamrik hodi taka odamatan hodi ameasa lideres sira tu'ur hamutuk hodi asina dokumentu ida konaba aseita realiza Konvensaun ne'e. Tamba hare'e ba importansia hosi Unidadi Nasional, klosan "Suaka Politik" tenki halo buat hotu hodi obriga lideres (Fretilin no UDT) tu'ur hamutuk.

Iha Portugal, so Dr. Ramos Horta, uluk hanesan representanti espesial Xanana Gusmao nian, maka halibur malun beibeik ho komunidadi Timor em jeral i espesialmente ho klosan "Suaka Politik" iha pensaun Floresta I, II, iha Universidadi Lisboa no fatin seluk tan. Lideres politikus sira seluk so buka halibur ho sira nia militantis nebe ikus mai nein ida hetan resultadu diak iha Timor.

Desde uluk kedas klosan "Suaka Politik" dehan nune: "se maun bo'ot sira kontinua ho hahalok hanesan ne'e, labele hanoin katak loron ida kuandu Timor Ukun Rasik-an, maun bo'ot sira bele ukun povo Timor. Se maun bo'ot sira la konsege halibur komunidadi Timor iha Portugal enkuantu mais povo Timor".

Resultadu final hosi Fretilin no UDT iha Portugal maka ne'e: "hafoin tiha ukun rasik-an Joao Carascalao la konsege halo moris UDT iha Timor (iha 2002 UDT hetan deputadu 2 deit iha PN i iha 2007 UDT lakon total), i, Mari Alkatiri la konsege halibur Fretilin iha Timor (enkuantu uluk iha tempu funu ba Ukun Rasik-an, ema Timor barak maka hakilar hodi Fretilin nia naran). Iha 2006 Fretilin iha Mari Alkatiri nia lideransa monu tamba inkompetensia hosi Mari rasik".

Ne'e duni, lia fuan "Sociedadi Unipesoal, LDA", laos foun ba lideres sira hosi liur tamba duranti funu ba ukun rasik-an iha Portugal, sira halo funu Timor hanesan Kompanhia Unipesoal iha estranjeiru, iha ida-ida nia partidu politiku.

Sei kontinua.....

Celso Oliveira

USGov: President Obama's remarks on accepting credentials of new TL Ambassador to U.S.


.

THE PRESIDENT'S REPLY TO THE REMARKS OF THE NEWLY APPOINTED AMBASSADOR OF THE DEMOCRATIC REPUBLIC OF TIMOR-LESTE CONSTANCIO DE CONCEICAO PINTO UPON THE OCCASION OF THE PRESENTATION OF HIS LETTER OF CREDENCE

Mr. Ambassador:

It is with great pleasure that I accept your Letter of Credence, which establishes you as Ambassador Extraordinary and Plenipotentiary of the Democratic Republic of Timor-Leste and I acknowledge receipt of the Letter of Recall of your predecessor, Ambassador Jose Luis Guterres, who was exceptional in representing Timor-Leste in the United States. I would like to extend to you and your family a warm welcome and I look forward to working closely with you to deepen the already close relations between our countries.

The United States is proud that our support for the people of Timor-Leste preceded the 1999 Popular Consultation which led to your country's independence. As one of the world's oldest democracies, the United States feels a special kinship with Timor-Leste - the first new democracy of the twenty-first century. Even as a young nation, Timor-Leste has already proven its commitment to democratic values by completing a successful transfer of power between elected governments - a hurdle over which many new democracies stumble. Timor-Leste also remains a vocal supporter of international human rights and world peace.

We are committed to Timor-Leste's economic and social development. Our robust foreign assistance budget in Timor-Leste is among the most generous per capita in the world and focuses considerably on rural economic development and access to basic health services. Since 1999, our Timor-Leste Scholarship program has supported university education in the United States for 50 Timorese students.

In more recent years, we have been pleased to support Timor-Leste's security sector reform efforts by sponsoring national security strategy workshops, practical trainings, and technical assistance. Our military-to-military ties have never been stronger and activities such as the recent deployment of the 11th Marine Expeditionary Unit for joint exercises will reap benefits for both our countries for years to come.

Mr. Ambassador, I am delighted that Timor-Leste has assigned such an experienced diplomat to Washington, and I look forward to working with you to advance our common agenda and deepen the strong and abiding friendship of our countries. It is a pleasure to welcome you back to Washington.

Wednesday, 18 November 2009

Memória da ocupação de Embaixada US em Jakarta 1994 (1)

RENETIL, domingo, 15 de Novembro de 2009


Publicado por Zito Soares
Levantei muito cedo, eram 6 de manha do dia 11 de Novembro de 1994. Eu era estudante em Malang. Tinha 14.000 no bolso. Fui ao Wartel (casa dos telefones), telefonar a família em Timor e informar-lhes de que ia naquele dia a Jakarta para um jogo amizade de futebol com os meus conterrâneos.

Trazia a minha pequena moçila com escova e pasta de dentes, um par de meias e uma camisola. Entreguei a chave de quarto ao meu colega e diz-lhe que, "se depois de 5 dias eu não voltar devo estar preso algures em Jakarta". Fui apanhar microlet "G" em direcção a estação Arjosari. Lá econtrei outros colegas. Apanhamos autocarro em direcção a Joyoboyo, em Surabaya. De la seguimos para para a estação de comboio Gubeng (Não estou certo do nome das duas estações. Na estação reparei que os estudantes provenientes de Malang eram mais de 25, de Bali menos de 10 assim com os de Surabaya e de Jember. No meio de percurso juntaram mais os de Yogyakarta, Bandung, Solo e Jakarta.

Era 1 da tarde do dia 11 quando o comboio partia em Direcção a Jakarta. Éramos mais de 50 estudantes. Apanhamos a classe económica. O comboio estava cheíssimo e algúns de nós ficavam em pé durante a viagem.

Os responsáveis da acção pediam-nos a nós para que durante a viagem não falássemos em Tetum e que se alguem nos perguntasse, dizia apenas que íamos fazer um jogo amigável em Jakarta. Mas com o cansaço quebramos a regra... contávamos anedotas, histórias e rimos muito daquela viagem.

Reparamos que no comboio havia militares armados, havia bufos...

Depois de passar Yogyakarta, adormeci.

Dia 12 de Novembro de 1994

Os por menores engraçados de como iludimos a segurança.
Os responsáveis da acção tinham lançado boatos de que os estudantes timorenses iriam fazer manifestação no dia 15 de Novembro em Bogor. O local escolhido para a abertura da II Cimeira de APEC na Indonésia. Não deram conta de que sexta-feira, 12 Novembro era a comemoração do 3º aniversário do trágico acontecimento em Stª. Cruz.

Antes de chegar a Yogyakarta alguns estudantes tinham ideia de desistir do percurso e quando o comboio chegar a cidade de Bandung sairiam. No entanto com calor e cansaço da viagem, adormeceram. Quando abriram os olhos o comboio já estava a entrar na cidade de Jakarta. Era dia 12 de Novembro... Quando o bomboio seguia o seu percurso para a estação de Pasar Senen onde nós saíriamos, pus-me a pensar, exactamente este dia três anos antes assistia os meus colegas tombados no cimetério de Stª Cruz em nome de liberdade e a independência. Como recordação daquele dia trágica para os meus colegas levavam comigo as marcas de estilaços. Com a mesma fé e determinação não vamos deixar que este dia morra e que a acção que estava para acontecer seja levada em sucesso.

O comboio parou na Estação Pasar Senen. Eram 7 e pouco de manha da sexta-fiera do dia 12 de Novembro. Saíamos de comboio dois a dois em diferentes caruagens. De lá seguimos para a estação de camioneta que fica noutro lado da rua. Tínhamos que apanhar o autocarro nº. 96 (Se não estou em erro) com percurso pela Monas (Monumento Nacional) onde situa a embaixada norte americana.

Ao sair do comboio alguns colegas foram presos. Gerou certo medo e ansiedade e a preocupação era como saía de lá. E muitos de nós nem se quer conheciam a cidade de Jakarta. A preocupação era chegar a estação de autocarro. Um grupo pequeno conseguiram apanhar o autocarro com passagem por Monas e saímos em frente da residência do vice-presidente, que era Try Sutrisno. Já estavamos desanimados...Caminhamos de um lado para outro no jardim de Monas a procura de solução. Eu quis desistir e não tinha dinheiro suficiente para a viagem de regresso. Para além disso o clima de segurança não estava favorável.

Estavamos sentados ao pé de Monas, mais de 20 pessoas, quando companheiro Saky pediu-nos a nós para apanhar taxi. Apanhámos 5 ou 6 taxis com destino a embaixada que fica apenas 800 metros. Damos volta a embaixada uma vez para apanhar outros colegas que estavam perdidos na quarteirão atrás da embaixada. Com mais dois taxis seguimos em fila de 6 a 7 taxis para embaixada. Mal taxi parou gritamos as palavras de ordens e alguns começaram saltar o grade de embaixada. Em questão segundos já estávamos dentro da embaixada. Ocupamos um círculo muito pequeno na garagem da embaixada. Depois de passar a fase confusão... contamos e erámos apenas 28. Uma hora depois, com todo perimetro de segurança montada um colega nosso conseguiu saltar a grade com ajuda dos jornalistas. Passamos a ser 29.

A primeira fase de operação estava feita.

Fonte: http://renetil.blogspot.com/2009/11/memoria-da-ocupacao-de-embaixada-us-em.html

Tuesday, 17 November 2009

CARTA DE SÓCRATES A XANANA REITERA INTERESSE EM VISITAR TIMOR-LESTE


.

MSO – Lusa – 17 Novembro 2009

Díli – O primeiro-ministro José Sócrates enviou uma carta ao seu homólogo timorense, Xanana Gusmão, manifestando disponibilidade para visitar o país, revelou hoje à Lusa fonte diplomática.

“O primeiro-ministro José Sócrates acabou de enviar uma carta ao nosso primeiro-ministro Xanana Gusmão reiterando a ideia de visitar Timor-Leste, uma visita que não pôde ser feita na última legislatura e que aguardamos com interesse”, disse à Lusa Zacarias da Costa, ministro dos Negócios Estrangeiros de Timor-Leste. "Saudamos essa disponibilidade do primeiro-ministro português para visitar Timor-Leste nos próximos meses e estamos apenas a acertar datas."

De acordo com o ministro, as relações entre os dois países “estão numa fase muito boa, ou mesmo excelente”, estando a ser negociado com Portugal “um quadro de créditos ao investimento que os dois ministros das Finanças poderão assinar em breve”.

“No próximo ano, iremos olhar para o novo quadro indicativo de cooperação e temos também ideias em relação ao reforço e consolidação da língua portuguesa em Timor que terá de mobilizar a maior parte dos recursos investidos na cooperação portuguesa”, disse Zacarias da Costa.

Segundo o chefe da diplomacia timorense, o facto de alguns membros do Governo terem transitado do anterior executivo liderado por José Sócrates é um factor que facilita as negociações:

“Temos um novo Governo em Portugal que, de alguma forma, é a continuação do anterior, com o mesmo primeiro-ministro, o mesmo ministro das Finanças, o mesmo ministro dos Negócios Estrangeiros e o mesmo secretário de Estado da Cooperação. Os actores são os mesmos e conhecemos o compromisso para aprofundar a cooperação entre os dois países.”

Zacarias da Costa faz questão de salvaguardar que as boas relações de Timor-Leste com Portugal “não são com este ou aquele governo, mas com todo o povo português.

“Temos uma relação com Portugal muito diferente daquela que temos com os outros países porque é uma relação cultural e afectiva”.

A diplomacia timorense está também na expectativa quanto ao futuro da União Europeia, de que Portugal faz parte, futuro que poderá condicionar as relações bilaterais:

“A União Europeia está a atravessar um momento de transição muito importante, caminhando para uma nova fase depois da aprovação do Tratado de Lisboa", disse. "Essa nova fase vai ter reflexos na política externa, que será conduzida por um único ministro dos Negócios Estrangeiros e cujas competências serão muito mais claras até 2012."

"Estamos a acompanhar e a ver como é que a situação vai evoluir, para verificar como é que cada país, dentro da União Europeia, irá ou não de alguma forma alienar as suas competências e responsabilidades em matéria de política externa", acrescentou Zacarias da Costa. "Terá uma influência grande para Timor-Leste e para o resto do mundo, na media em que teremos de olhar para um novo enquadramento no nosso relacionamento com a UE."

"As relações bilaterais obviamente continuarão a existir no futuro, mas iremos olhar para uma relação com um bloco que aparece com uma voz única no cenário internacional”, explicou à Lusa.

Relativamente à próxima presidência espanhola da União Europeia, Timor-Leste está “optimista”, dadas as boas relações com Espanha.

“Temos uma relação muito dinâmica com Espanha, que, nos últimos anos, tem aumentado as ajudas a Timor-Leste. Estamos a contemplar uma série de projectos em que a Espanha poderá participar mais activamente e também há algumas grandes empresas espanholas que manifestaram interesse em participar activamente no desenvolvimento de Timor-Leste”, concluiu o ministro.

Monday, 16 November 2009

Istoria Kmanek Ida Konaba Saudozu Sebastiao Gomes no Sira Seluk





Written by Domingos da Silva and Emilia Ana
Saturday, 14 November 2009
Image
Afonso Gomes, Aman
CJITL flash,
“Pai, ita oan mane mak tur deit, ita la halo buat ruma maka rai Timor ema seluk mak sei ukun nafatin no ita sai atan nafatin ne’e ladiak ida” ne’e mak lia fuan husi saudozu Sebastiao Gomes ba nia aman Afonso Gomes antes nia sai husi uma ne’ebe ikus mai Militar Indonezia tiru mate iha loron 28 Outubro 1991 iha Igreja Motael.

Nune’e Afonco Gomes no Rita Rangel inan Aman husi Sebastiao Gomes hateten sente tristi tanba oan mane nebe mak nia hadomi liu mate.

Afonso Gomes haktuir liafuan hirak ne’e ho tristi no tanis iha nia oan mane nia rate leten iha semiteriu Santa Cruz iha selebrasaun dala 18 masakre ne’e.

Iha fatin hanesan Florindo Do Rego alin husi saudosa Natalino Do Rego dadalia ho CJITL online katak, Nia alin lakon iha 12 de Novembru 1991 maibe agora hetan fali nia ruin ona ne’ebe agora husu ba Governu bele tau Eroi sira nia ruin hamutuk fatin ida.

“Lori 12 de Novembru hodi hatudu ba Mundu Internasional katak Timor mos luta ba Ukun rasik a’an” hateten Florindo.
“Ita hotu hatene joven masakre 12 Novembru luta hasoru Militar Indonezia sira la'os hodi kilat maibe lori Brani hasoru Militar Indonezia hodi hakilar lia fuan katak “Mate ka Moris ukun Rasik a’an” tenik Florindo.

Nune’e mos Sebastiana Soares Inan husi saudoso Antonio freitas soares ho tinan 17 mate iha 12 de Novembru iha semiteriu santa kruz maibe agora hetan ona nia Ruin.

“Freitas hanesan oan ikun husi maun alin sanulu, Freitas mak hau hadomi liu entre nain sanulu ne’e tanba nia mak ikun” Sebastiana haktuir ho matan be’en nakonu.

Sebastiana hateten maske agora hetan ona nia oan nia ruin maibe nia sei ejiji nafatin ba Governu Indonesia no Governu Timor Leste atu tur hamutuk hodi halo Monumentu ida ba Vitima sira ne’e .

“Maske hetan ona hau nia oan nia ruin maibe hau sei tristi tanba nia maluk barak mak sedauk hetan nia ruin, hau husu ba Governu Indonezia no Governu Timor Leste atu halo Monumentu ida iha santa kruz ne’e tanba sira mate iha ne’e” hateten Sebastiana. (dsc-emy/cjitl)

Sunday, 15 November 2009

HERÓI MEU



Por: Loriku

O nascimento no paraíso da terra oprimida
A passagem na pátria amada
A juventude feliz e gozada
Com amor dos amados
Abrem-se as asas da liberdade
Nasceu o sonho pela liberdade
Liberdade traída e rasgada
Com Irmãos em guerra revolucionária
Divididos pelos princípios,
Princípios temporais
No tempo dos homens
Os homens temporais
No espaço e tempo do universo

Herói meu,
Armas em mãos
Na luta sem medo
Contra invasores estrangeiros
Deita-se o vosso corpo
Pelo colo da terra mãe
Pelo sonho da liberdade
Liberdade pelo rumo divergente
Divergência dos irmãos divididos
Traídos e abandonados
Sois da terra mãe, eis o vosso amor, o vosso sonho, a vossa razão
A última suspira na vossa boca seca e bem amarga,
As lágrimas que choram
Na matança sem fim
O sangue derramado pelo amor sem condição
Terra mãe
Paraíso misterioso
Mistérios dos corpos perdidos e almas dos desaparecidos
Sem campas e esquecidos
Verdadeiros heróis e traídos,
Dos corações rasgados
Rasgados pelas verdades enterradas
Verdades dos irmãos guerreiros
Em guerra dos abandonados

Herói meu
Hás-de se lembrar
De novo serreis ressuscitado
Ressuscitado na memória dos seus filhos
Os filhos dos esquecidos, dos bravos guerreiros sem medo

Herói meu
Mereceis a honra
Prometerei e direi
Não morrereis em vão
Por sois meu herói
Eis meu amor
Eis minha lembrança
A lembrança eterna e as saudades que doem
As dores dos que amam
Pela bravura na luta sagrada
Tombado pela pátria
A pátria libertada

Herói meu
O falecimento no paraíso libertado!

Histórias de crânios e o problema da classificação antropológica de Timor[1] [2]


Ricardo Roque


Resumo:

Em 1882, a Universidade de Coimbra acolheu uma colecção de crânios humanos da ilha de Timor. O crânio era então tido como a principal base empírica para aferir similitudes e diferenças entre tipos humanos, abrindo assim caminho para o grande projecto de taxonomia das raças. No quadro do recém-criado curso de antropologia, os crânios foram objecto de um estudo antropológico que concluía acerca da raça “Papua” dos povos timorenses. A posição etnológica de Timor era um problema sobre o qual não existia acordo entre investigadores. Em Portugal, na década de 1930, o estudo motivaria acesa controvérsia sobre a autenticidade da colecção e a classificação antropológica de Timor. Este texto explora este acontecimento, investigando a interacção entre a narração de histórias sobre crânios e a definição de uma classificação racial. O propósito é discutir o papel de práticas de retrospecção, de pequenas histórias, e de arquivos associados a colecções de museu na constituição de conhecimento científico.

Palavras-chave:colecções antropológicas, história, classificação científica, raça, Timor

1. Introdução

Encontram-se actualmente grandes quantidades de crânios humanos em museus de antropologia por todo o mundo. Muitas destas ossadas pertencem a povos de África, Ásia, América e Oceânia. A sua presença em museus tornou-se, para alguns, desconfortável e a legitimidade da sua posse em nome da ciência tem sido contestada por comunidades indígenas em diversos países.[3] No passado, todavia, estes crânios de povos “exóticos” eram especialmente valiosos em termos científicos. Chegaram às mãos dos cientistas em grande parte entre a segunda metade do século XIX e inícios do século XX, no período áureo da expansão imperial europeia.[4] Este foi também o período áureo de um certo paradigma antropológico, na sua tradição física ou biológica. Para os antropólogos que trabalhavam nesta tradição, o crânio era importante porque constituía a parte mais fiável do esqueleto para basear o estudo e a classificação de raças humanas.

Em comparação com França, Inglaterra, ou Alemanha, a antropologia em Portugal pouco peso quantitativo teve no tráfico mundial de crânios humanos como objectos antropológicos. Mas não deixou de ter a sua quota-parte. No Museu Antropológico da Universidade de Coimbra existe uma colecção rara e importante de crânios da ilha de Timor: vinte e nove crânios humanos (originalmente trinta e cinco)[5] chegados à instituição no início da década de 1880. Esta colecção é decerto bem conhecida por aqueles/as que frequentaram a licenciatura em Antropologia da Universidade de Coimbra. A colecção não está exposta ao público, mas vem sendo regularmente utilizada para fins pedagógicos nas aulas de antropologia biológica devido à sua característica traumática mais marcante. Trata-se de cabeças humanas decapitadas. O que não se sabe, ou o que se sabe com incerteza, é qual a história da colecção.

Este texto é sobre esta história. Ou, melhor dizendo: sobre as “histórias”, as várias histórias, que se contaram acerca da colecção e de como estas narrativas sobre coisas se encontraram e desencontraram da classificação racial da população timorense. Os sociólogos habituaram-se a estudar narrativas em relação a pessoas na forma, por exemplo, de “histórias de vida”, tratando-as como sendo capazes de efectivamente recriar a identidade de sujeitos ao longo do tempo. Nos últimos anos, a análise de objectos materiais – e o que alguns sociólogos preferem designar em geral de “não-humanos” – tem ganho um espaço importante nas ciências sociais. Nos estudos sobre a ciência e na antropologia social, tornou-se corrente a ideia de que também os objectos, incluindo os objectos científicos, possuem “vida social” e uma historicidade passível de ser analisada, por exemplo, na forma de “biografias” (cf. Appadurai, 1986; Kopytoff, 1986; Thomas, 1991; Daston, 2000). Ainda assim, existem aspectos importantes que têm ficado por explorar, nomeadamente no que respeita à historicidade dos objectos enquanto propriedade emergente no tempo e na prática. O modo como, em particular, a historicidade das colecções científicas é um produto contingente de práticas narrativas elaboradas no período colonial tem sido um tema negligenciado na literatura (cf. Roque, 2006a, 2007a). Os restos humanos, habitantes ambíguos nos interstícios da diferença entre coisas e pessoas na cultura Ocidental, têm também recebido menor atenção. Importa pois perceber melhor como são estes “objectos” produzidos enquanto objectos científicos através de práticas retrospectivas de tipo biográfico e historiográfico. Mais: importa perceber o complexo processo de interacção que se vai estabelecendo entre as coisas, o saber retrospectivo a seu respeito, e a formação de ordens de classificação científica. Neste artigo, este último problema interessa-me em particular. Como é que, na prática, restos humanos, histórias, e classificação antropológica interagem e se co-produzem?

Este texto procura colocar o estudo social de objectos científicos na pista do estudo simultâneo de trajectórias de histórias-e-classificações de objectos. O propósito é prestar atenção ao modo como as coisas interagem, contingentemente, com práticas retrospectivas e com práticas de classificação, e como estas práticas se relacionam entre si. Falarei aqui da interdependência que existe entre classificação e historiografia, examinando diferentes formas de interacção entre práticas de classificar raças e práticas de contar histórias. Para isso, irei conduzir o leitor pelos meandros de uma controvérsia científica que se formou em Portugal no início do século XX acerca do problema da classificação antropológica de Timor e, simultaneamente, da autenticidade da colecção no museu de Coimbra. As controvérsias têm-se revelado contextos férteis para a investigação em história e sociologia da ciência. A este respeito, a controvérsia dos crânios de Coimbra poderá ser interessante por várias razões “tradicionalmente” sociológicas. Palco das tensões políticas que atravessavam o campo da antropologia portuguesa, a controvérsia poderá ser vista como expressão de lutas de autoridade e de jogos de alianças entre diferentes académicos metropolitanos e administradores coloniais; ou ainda como demonstração dos entrelaçamentos entre ideologias coloniais e taxonomias de raças. Não são porém estas as implicações sociológicas que me interessa enfatizar. O que me interessa realçar no decurso da controvérsia é a relação que se foi desenrolando entre identidades de crânios, formas de conhecimento narrativo e formas de conhecimento taxonómico. Por esta razão, serão as turbulências desta ligação a tomar o centro da história que abaixo irei contar.

O texto divide-se em quatro partes. Para perceber como o problema da classificação antropológica de Timor viria a tomar forma em contexto português, é preciso primeiro deslocarmo-nos para um debate internacional. Começarei assim por situar o dilema da etnologia de Timor no contexto da antropologia britânica e francesa, na véspera da chegada da colecção a Portugal. Os termos internacionais deste debate serviriam como pano de fundo para desenvolvimentos nacionais subsequentes. Passarei então a situar em Portugal a discussão sobre o problema da classificação antropológica de Timor, olhando para uma tentativa pioneira para resolver a questão: um artigo de João Gualberto de Barros e Cunha sobre a etnologia de Timor, baseado no estudo craniométrico da colecção de crânios de Coimbra. As secções seguintes descrevem a controvérsia sobre a autenticidade da colecção, que se desenvolveu em Portugal nas décadas de 1930 e 1940. Terminarei o texto com algumas considerações sobre o modo como esta controvérsia nos pode ajudar a reequacionar as dinâmicas entre narração histórica e classificação científica.

2. Timor e a linha etnológica de Wallace

Desde os primeiros passos da etnologia nos fins do século XVIII que o carácter diversificado dos habitantes da ilha de Timor colocava aos estudiosos um difícil problema taxonómico. Os habitantes pareciam resistir à arrumação nas categorias existentes. Seria possível ordenar a diversidade étnica dos habitantes numa unívoca categoria e numa só genealogia racial? Muitos convenciam-se de que a única certeza era a de se estar perante uma “justaposição”, uma “mistura”, ou uma “fusão” de raças Oceânicas e Asiáticas. Ainda assim, até meados do século XIX, perante tais ambiguidades e à falta de melhores esclarecimentos, era convencional seguir a tese “Malaio-Polinésia” dominante, situando-se os “povos mistos” de Timor como variações de um tipo único, o “Malaio”. Esta classificação tinha o selo da filologia comparativa. Defendia-se que, devido à existência de claras afinidades linguísticas entre as várias populações do arquipélago indonésio – a predominância do uso da língua malaia – era possível demarcar uma grande região Malaio-Polinésia e presumir uma origem étnica comum para todos os seus habitantes. A categorização racial avançada nos finais do século XVIII pelo pioneiro da craniologia, o anatomista alemão J. F. Blumenbach, partia desse pressuposto. Blumenbach sugeriu que todas as tribos desde o Sudeste Asiático às ilhas do Pacífico podiam ser arrumadas sob uma mesma categoria, muito abrangente, o “tipo Malaio”. Assim, embora reconhecendo diferenças físicas entre os habitantes, considerava-se que estas diferenças eram meras derivações de um tipo racial dominante, o Malaio. Só que em relação a Timor a incerteza prevalecia. Em 1853, a posição do influente etnólogo britânico, John Crawfurd, ilustrava bem a dificuldade existente em meados do século XIX para garantir a Timor uma posição classificatória inequívoca, que harmonizasse as categorias vigentes com a incontestável ambivalência etnológica das populações. Para Crawfurd, os timorenses “pareciam ser de uma raça intermédia entre o Malaio e o negro Papua [os negros Oceânicos], mas pertencendo mais ao primeiro”; e chegava mesmo a sugerir que a mistura timorense era tão particular que provavelmente representava “uma raça aborígene distinta” mais do que uma “mistura dessas duas” (Crawfurd, 1856: 453).[6]

Situada de forma incerta entre as categorias Malaio e Papua, a ilha oferecia um bicudo problema de classificação. No final da década de 1860, após anos de viagens e explorações no arquipélago indonésio, o naturalista britânico Alfred Russell Wallace tentou colocar um ponto de ordem no assunto. Em vários artigos, e por fim no seu célebre livro The Malay Archipelago, de 1869, Wallace apresentou aquela que se tornaria, durante décadas, a teoria antropogeográfica de referência nos debates sobre a etnologia de Timor (Wallace, 1869). O britânico dividiu o arquipélago indonésio em duas zonas etnológicas distintas, representando-as num mapa por uma linha divisória (Figura I).

wallacemap_color_2

Figura I: O mapa de Wallace representando a linha etnológica que dividia o arquipélago Malaio (Wallace, 1869).

A “linha etnológica de Wallace”, como viria a ficar conhecida, cortava o arquipélago em duas metades que correspondiam à predominância nítida de duas raças humanas, a seu ver radicalmente opostas: a Oeste, a raça “Malaia”; a Leste, a raça “Papua” (os negros Orientais ou Oceânicos). Wallace argumentava assim que, independentemente de misturas étnicas, todas as tribos podiam ser “vistas em geral como modificações de uma ou de outra” dessas duas “raças primárias”, claramente distintas (Wallace, 1865: 211). Com esta divisão, Wallace contrariava a ideia corrente de que os timorenses deviam ser arrumados como variações do tipo Malaio. Embora reconhecesse o lugar ambivalente da ilha colocando-a junto à linha divisória, Wallace concluía que, devido à sua estatura média, cor de pele “castanho escura ou quase negra, com espesso cabelo encaracolado, e o longo nariz Papua”, a “disposição excitável, as vozes sonantes e o carácter temerário”, os timorenses estavam muito mais próximos do verdadeiro tipo Papua da Nova Guiné (Wallace, 1869: 451). Os timorenses decerto revelavam misturas. Mas o seu lugar era com os Papuas.

A linha etnológica interferia com a genealogia Malaio-Polinésia de Timor e punha ordem numa população que parecia resistir aos esforços de classificação. Todavia, em aspectos importantes a posição de Wallace conferia autoridade e visualização gráfica a um imaginário de longa data. Mais: deu-lhe novo alento. Ao considerar que os habitantes “primitivos” e originais da ilha pertenciam a um tipo de raça negra (a Papua), Wallace dava seguimento e consistência a velhos estereótipos etnológicos acerca das origens étnicas de Timor e, em geral, do arquipélago. Era consensual entre os etnólogos do século XIX a ideia de que a distribuição e a história das tribos negras e selvagens de montanheses ofereceria a solução para o problema etnológico das ilhas do Sudeste Asiático.[7] As considerações etnológicas sobre Timor, inspiradas em relatos de viagem de exploradores franceses e holandeses, encontravam-se então dominadas por um imaginário semelhante. Mesmo aqueles que se inclinavam para aceitar a genealogia Malaia dos timorenses aceitavam que, algures no interior montanhoso da ilha, habitava um povo de traços negróides e costumes bárbaros, descendente dos habitantes aborígenes, os mais antigos e os originais.

timorpapuan

Figura II: “Homens de Timor”. No livro de Wallace, esta ilustração de timorenses acentuava características físicas tipicamente “negróides”: a pele negra, o cabelo crespo (Wallace, 1869: 150).

O observador que reconhecesse e identificasse traços negróides entre as misturas timorenses estava então no caminho certo para encontrar a verdadeira classificação antropológica de Timor. Após a publicação de The Malay Archipelago, a distribuição das raças negras e o traçado da linha etnológica tornaram-se a força motriz da pesquisa etnológica sobre o arquipélago indonésio, em Inglaterra e em França. Para a consolidação desta perspectiva foi também crucial a craniologia francesa, através dos trabalhos dos prestigiados antropólogos do Museu de História Natural de Paris, Armand de Quatrefages e Ernest T. Hamy. Os franceses aceitavam como “irrefutável” a predominância da influência Papua em Timor, mas inclinavam-se para a existência de dois tipos de “raças negras” nas origens étnicas dos primitivos habitantes da ilha: os Papuas, de filiação Oceânica; e os Negritos, povos negros de pequena estatura, cuja filiação era Asiática. Nesta base, contestavam o traçado da linha de Wallace, posicionando a ilha de Timor exactamente em cima, e não ao lado, da linha etnológica (cf. Hamy, 1874; Quatrefages e Hamy, 1882: 265-67). O acordo era difícil e o aspecto embrulhado dos povos de Timor continuava a suscitar dúvidas e opiniões contrárias. Porém, nos anos que precederam a chegada da colecção de crânios a Coimbra, tinha peso especial nos círculos internacionais a opinião de Wallace e da antropologia física francesa, dominando a ideia de que Timor se filiava em raças negras (Papua ou outras), e não em raças amarelas ou malaias. Por volta de 1882-5, portanto, classificar os Timorenses como Papuas estava, porventura mais do que em qualquer outro momento, “dentro da verdade” internacional. Vimos, pois, como se configurava o problema da classificação etnológica de Timor em cenário internacional. Mudemos agora de contexto e vejamos o que se passou quando o dilema que preocupava franceses e ingleses tomou rumo próprio em Portugal.

3. Timor e a notícia sobre uma série de crânios, de Barros e Cunha

Entre o primeiro grupo de estudantes do curso de antropologia da Universidade de Coimbra criado em 1885 esteve João Gualberto de Barros e Cunha, mais tarde professor de zoologia e antropologia na mesma universidade. Nesse ano de 1885, a secção antropológica do Museu de História Natural estava em reorganização. Nas suas colecções osteológicas o museu contava com pouco mais do que uma colecção de trinta e cinco crânios da ilha de Timor recebida escassos anos antes (cf. AAVV, 1985; Rocha, 1995). No museu e laboratório da universidade, sob a direcção dos professores, Cunha e outros colegas lançaram-se no estudo da colecção aplicando os métodos craniométricos aprendidos na disciplina. Dessas observações Cunha faria um artigo publicado na revista O Instituto, em 1894, com o título Notícia sobre uma série de crânios da ilha de Timor existente no Museu da Universidade (Cunha, 1894). Deste artigo circulariam separatas com a data de 1898 e o mesmo texto seria de novo reeditado em 1902 num volume colectivo (AAVV, 1902). As diferentes datas de publicação do artigo, posteriores a 1885, suscitariam, como veremos, confusão.

O estudo baseava-se exclusivamente em bibliografia britânica e francesa, enquadrando-se no debate internacional marcado pela problemática da linha etnológica de Wallace e pela autoridade da craniologia francesa liderada por Quatrefages. Cunha herdava os principais pressupostos da discussão. Estava empenhado em encontrar uma inequívoca classificação antropogeográfica da população Timorense, uma categoria que isolasse os elementos determinantes, essenciais, que davam ordem à mescla étnica dos habitantes. Tal como Wallace, Quatrefages e Hamy, Cunha assumia que a influência malaia na população era de importância menor, e acentuava a primazia das raças negras de costumes selvagens na etnogénese da população. Cunha nunca visitara Timor, mas não teve dúvidas quanto à interpretação a dar aos traumatismos presentes na totalidade dos crânios. Escreveu então:

Os crânios do museu provêm evidentemente de campos de batalha. […] Não pode isso surpreender: os Timores são cruéis e covardes, e fazem a guerra à moda selvagem, surpreendendo, sempre que podem, as aldeias, e matando todos os habitantes sem distinção de sexo, nem de idade. (Cunha, 1894: 9)

Cunha descreveu cada um dos crânios com minúcia anatómica, calculou os devidos índices craniométricos, e comparou os dados com resultados estrangeiros. Por fim, julgou-se em terreno firme para expor as suas conclusões. “Podemos, pois, concluir com segurança que, conquanto haja em Timor a mistura de muitas raças, o elemento Papua predomina enormemente sobre todos os outros, pelo menos na parte portuguesa da ilha.” (Cunha, 1894: 14-15)

4. A controvérsia sobre a autenticidade (I): Cunha, Magalhães e Pinto Correia

Embora o contexto de referência fosse internacional, o texto seguiria apenas uma carreira nacional. Tal não ocorreu imediatamente após publicação. O estudo permanecia em Portugal porventura o único trabalho de pretensão científica sobre a etnologia de Timor, mas a comunidade antropológica levou cerca de duas décadas até interagir seriamente com o texto. Uma possível razão para tão longo período de obscuridade nacional poderia ser o facto de o trabalho não corresponder aos interesses centrais da antropologia académica portuguesa, então centrada no estudo do “povo português” (cf. Roque, 2001). Na década de 1910, porém, este contexto nacional iniciou um processo de alteração. Os especialistas metropolitanos começavam a olhar para as populações das colónias como um campo de investigações. Começava a falar-se então de uma “antropologia colonial” portuguesa, de uma ciência antropológica que servisse o império e a administração colonial (Roque, 2006b). Timor, agora, suscitava interesse – não Timor, a ilha, mas Timor, a colónia portuguesa. De facto, numa visível cumplicidade entre a imaginação imperialista do território e a imaginação antropológica, em Portugal o debate sobre Timor e a linha etnológica viria a mover-se em torno das fronteiras políticas internas à ilha – e não em volta da ilha enquanto todo. Era o estudo da entidade doravante definida como “Timor Português” que viria a importar. Além do mais, no contexto português, ao contrário do debate internacional que inspirou o estudo craniológico de Cunha, a antiga classificação Malaia de Timor mantinha-se viva.

Se é certo que situar os Timorenses como Papuas estava “dentro da verdade” internacional em 1885, em Portugal outras “verdades” circulavam. Em termos nacionais, a ideia de uma dominância Papua ou negra na ilha de Timor parecia estranha à visão dominante na tradição etnológica da literatura colonial portuguesa da época, cujos principais autores eram antigos governadores, oficiais, ou funcionários coloniais. Esta literatura tendia a repetir a opinião autorizada do ex-governador de Timor, Afonso de Castro, o qual, na esteira da tese Malaio-Polinésia, afirmara em 1867 que os timorenses pertenciam à “raça amarela ou Malaia”, não só devido aos traços físicos e morais mas também a tradições orais que identificavam os povoadores originais da ilha com populações vindas do Oriente (Castro, 1867: 311, 327-28). Em Portugal, a classificação antropológica de Timor parecia querer seguir outro rumo e, ao fechar-se a década de 1910, parecia fortalecer-se a tendência para encaminhá-la para o lado Malaio.

Em 1919, o coronel Leite de Magalhães, que cumprira vários anos de serviço como militar e administrador colonial em Timor, foi convidado pelo Professor António Mendes Correia para proferir uma conferência sobre a etnologia de Timor, na inauguração da Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia (SPAE), no Porto. Havia apenas dois anos, Mendes Correia – responsável pela jovem antropologia na Universidade do Porto, presidente da SPAE, e principal promotor da nascente disciplina da “antropologia colonial” – tinha publicado dois artigos sobre antropologia timorense com base em dados antropométricos de Fonseca Cardoso (Correia, 1916a; 1916b). Nesses trabalhos, Correia negava explicitamente que “um tipo Papua” fosse “dominante em toda a ilha” e defendia a prevalência de tipos de origem malaia na população, especialmente em Timor Português (Correia, 1916b: 47; cf. Correia, 1916a). Não seria, então, por acaso que Mendes Correia dava voz às opiniões do coronel Magalhães no espaço da SPAE. O militar pensava da mesma forma. Com base na sua experiência de terreno na colónia e em recolhas de vocabulário indígena, Magalhães considerava-se certo de que os timorenses de Leste eram malaios, nunca negros Papuas (Magalhães, 1920). Magalhães e Correia estavam determinados a situar Timor Português na genealogia malaia. Mas precisavam afastar do seu caminho um adversário: o estudo de Barros e Cunha. Leite de Magalhães foi contundente. Na sua conferência de 1919, o coronel atacou de frente a autoridade dos argumentos de Cunha. Fê-lo contando uma história sobre a origem colonial da colecção, que questionava a sua autenticidade. Segundo Magalhães, os crânios não haviam pertencido a genuínos timorenses, mas sim a uma coluna militar portuguesa massacrada por guerreiros timorenses nas chamadas guerras de “pacificação” de Timor, em 1895. A revelação surgia em nota de rodapé:

Cumpre-me observar que os 28 crânios do Museu de Coimbra que serviram de base ao estudo do sr. Barros e Cunha só por providencial acaso serão de timorenses na sua totalidade. Por averiguações a que procedi, soube que esses crânios foram levantados duma Ficus indica – a árvore sagrada – do estado indígena, ou reino, de Cová, e seriam os restos trágicos da infeliz coluna do capitão Câmara, massacrados em Fatumian no ano de 1895. Dessa coluna, faziam parte timorenses, africanos, índios e portugueses. (Magalhães, 1919: 44)

Magalhães preenchia um espaço deixado vazio por Barros e Cunha. Oferecia uma história para a colecção, associando os crânios humanos a um passado colonial e a um processo de aquisição específico; ligava a colecção a uma “história histórica”, uma história que evocava “acontecimentos que tinham de facto acontecido”.[8] Uma data: 1895; um local: a árvore sagrada de Cová; um trágico episódio da memória colectiva da época: o “massacre” de uma coluna militar portuguesa, incluindo a decapitação de todos os oficiais portugueses, às mãos dos guerreiros dos reinos de Cová e Fatumean em 1895. Caso fosse verdadeira, a história de Magalhães provocava uma viragem drástica na ligação criada por Cunha entre a colecção de crânios e a origem Papua da população de Timor. Pois, com a narrativa, era a identidade timorense dos crânios que se reconfigurava. Estes não passavam agora de uma misturada étnica, na base da qual nenhuma asserção sobre a raça timorense era credível. Por outras palavras: Magalhães propunha uma falsificação historiográfica dos crânios que correspondia à falsificação de uma classificação racial. Barros e Cunha não reagiu ao ataque; diria mais tarde que a nota de rodapé de Magalhães lhe “passou despercebida” (Cunha, 1937: 349). Mas não passou de todo despercebida aos especialistas portugueses e durante mais de uma década a história de Magalhães circulou como autêntica, sem oponente, lançando descrédito sobre a obra de Cunha e invalidando a sua classificação etnológica de Timor (cf. Lima e Mascarenhas, 1925; Anónimo, 1929; Correia, 1934).

Foi apenas em 1935, quinze anos depois, que a controvérsia estalou no espaço público. O motivo foi o livro Gentio de Timor, do tenente Armando Pinto Correia, outro oficial do exército que servira na colónia (Correia, 1935). O livro constituía uma excursão etnográfica sobre costumes, ritos e instituições timorenses, dando expressão a uma significativa tradição de etnografias de “usos e costumes indígenas” alimentada por militares e administradores coloniais. Embora o centro da obra não fosse as origens étnicas da população, Pinto Correia não deixou passar a oportunidade para expressar a sua hostilidade para com as teses da antropologia. Em extensas notas de rodapé, teceu comentários duros e mordazes à antropologia física, considerando-a como um género de “cartomancia” incapaz de solucionar o problema da etnogenia de Timor. “Problema que continua de pé”, escrevia, “embrulhado numa densa névoa de mistério, a desafiar as hipóteses que debalde pretendem violá-la ora a ciência impotente, ora a fantasia desesperada dos antropologistas” (Correia, 1935: 345). O tenente elegia como exemplo acabado das “fantasias” dos antropólogos o estudo de Barros e Cunha, uma vez que a falsa autenticidade dos seus espécimes – as “caveiras defumadas de europeus, índios, africanos e indígenas”, restos mortais de uma coluna militar portuguesa –“invalida[va] as conclusões do antropologista” (Correia, 1935: 356). A antropologia de Cunha estava errada porque a história contada por Magalhães era verdadeira. Pinto Correia novamente destruía a classificação Papua – a não ser que a história em que se apoiava fosse refutada.

Desta feita, Cunha reagiu às acusações de imediato. Em carta publicada no Diário de Notícias, o antropólogo desmentia os militares em terreno historiográfico mostrando que se baseavam num erro cronológico grosseiro (Cunha, 1935). Os crânios de Timor não podiam pertencer à coluna portuguesa de 1895 porque, muito simplesmente, as medições haviam sido executadas dez anos antes do massacre, em 1885, embora o texto circulasse, como vimos, com datas posteriores. Era a história relatada pelos militares (e não a colecção de crânios) que carecia de autenticidade. A história do coronel Magalhães não passava de pura invenção, uma história fictícia que Cunha baptizou então com o título sugestivo de “mito da árvore sagrada do reino de Cová”. Ao falsificar historiograficamente a tentativa de falsificação historiográfica da colecção, Cunha esperava preservar as suas conclusões antropológicas. Afirmava ainda categoricamente que “nenhum dos crânios pertenc[ia] nem a um Europeu nem a um negro Africano”, pela simples razão de que um craniólogo competente jamais confundiria crânios europeus ou africanos com crânios melanésios (Cunha, 1935). A colecção era genuína e por conseguinte válidas as conclusões. Afirmava: “ainda hoje as mantenho em absoluto”, concluía, “os crânios de Timor por mim estudados […] demonstram concludentemente que o fundo étnico da população de Ilha de Timor é de Raça Melanésia, e mais especialmente da divisão Papuana dessa raça” (Cunha, 1935).

Porém, os dois militares julgaram as explicações insuficientes. No espaço de poucos dias, responderam a Cunha em cartas publicadas também no Diário de Notícias (Magalhães, 1935; Correia, 1935). Se parecia incontestável o facto cronológico, sendo impossível então que os crânios de Coimbra fossem os da coluna militar de 1895, já o mesmo não se podia dizer quer da autenticidade timorense dos crânios, quer da validade das conclusões de Cunha. Quer o coronel, quer o tenente se recusavam a aceitar a classificação Papua de Timor como verdadeira. As cartas revelavam a hostilidade dos militares para com o “modelo de gabinete” da antropologia baseada no estudo de colecções de museu. A convicção inabalável de Magalhães e de Pinto Correia – que afirmavam assente na experiência sólida de longos anos de vivência na colónia – era de que a população de Timor Português não pertencia à raça Melanésia ou Papua. Pelo contrário: para observadores avisados e experientes, o tipo predominante era o “malaio ou indonésio” (cf. Magalhães, 1935; Correia, 1935). Insistiam, enfim, os militares que os dados obtidos sobre a colecção de Coimbra não podiam, simplesmente, ser verdadeiros, porque não era correcta a classificação. “Percorri a colónia em todos os sentidos, durante seis anos”, escreveu o coronel Magalhães, “e em parte alguma observei tipos de caracteres negróides acentuados, à excepção daqueles que eram produtos conhecidos com soldados e condenados de origem africana.” (Magalhães, 1935) E o tenente Pinto Correia terminava a carta, em tom de ironia: “do que me não convenço é de que essas caveiras houvessem andado, em vida, articuladas em esqueletos de verdadeiros timorenses” (Correia, 1935).

Para os militares, era sobretudo em terreno historiográfico que a disputa taxonómica devia continuar a decidir-se. A contestação, agora, não passava por formular uma outra história credível que falsificasse a colecção de crânios; as dúvidas partiam da simples inexistência de uma história que a autenticasse. Bastava o simples facto de não existir nenhuma história fidedigna associada à colecção de Coimbra para invalidar por completo a classificação proposta por Cunha. Era certo que o acontecimento do massacre não poderia corresponder ao acontecimento colonial. Mas os militares acrescentavam que a história que tinham contado sobre os crânios não era ficção – pelo menos em parte. Pinto Correia dizia que a história circulava com foros de verdadeira entre a comunidade portuguesa em Dili (Correia, 1935). Magalhães, por seu turno, reafirmava a veracidade do relato apelando à insuspeita credibilidade da sua fonte: o reputado colonial e médico goês Belarmino Lobo, presidente da Câmara Municipal de Dili por mais de uma década, destacado interveniente na política local desde 1880 e testemunha em Timor dos anos trágicos de 1895-6. Escrevia então o coronel Magalhães:

Mas também é certo que eu não inventei esta remessa [de crânios da coluna portuguesa de 1895]… Colhi a informação da boca do homem que mais larga permanência teve naquela colónia e que era o mais profundo sabedor dos seus segredos: o Dr. Belarmino Lobo. E, agora ocorre perguntar; para onde foram, então, os crânios de Cová? […] E isto não é tudo! Há ainda outra coisa importante que precisa saber-se: onde foram colhidos, então, os 35 crânios que o sr. Dr. Barros e Cunha mensurou? […] Prestaria, pois, o sr. Barros e Cunha um alto serviço à ciência se conseguisse localizar a procedência dos 35 crânios que estudou em 1885 e que lhe permitiram afirmar que eles provam concludentemente a existência de um fundo étnico de raça melanésia… que hoje se não descobre. (Magalhães, 1935)

Cunha era posto à prova. Perante a insistência dos coloniais em desmontar as bases da sua autoridade, o coimbrão apostou num acto de retaliação que esperava ser definitivo. Em 1937, publicou um longo artigo de cerca de 50 páginas com um título igualmente longo: A autenticidade dos crânios de Timor do Museu da Universidade de Coimbra, e o estado actual dos nossos conhecimentos sobre o problema da composição étnica da população de Timor (Cunha, 1937). Para provar a sua tese provando a autenticidade da colecção, Barros e Cunha recorreu a argumentos “antropológicos” e taxonómicos, em vez de “historiográficos”. O seu intuito consistia em validar a colecção de crânios provando retoricamente a veracidade da classificação. Ou seja: uma vez que os estudos existentes “mostravam” ser correcto classificar as raças de Timor na categoria “Papua”, os crânios em Coimbra eram timorenses porque exibiam características métricas e anatómicas tipicamente “Papuas”. Para construir esta demonstração, Cunha mobilizou um impressionante arsenal bibliográfico em português, holandês, francês, inglês e alemão, com vista a provar a partir da literatura existente a sua tese papua de Timor oriental, feita décadas antes. O passado dos crânios… Bom, era importante mas não fundamental.

A estratégia de Cunha consistia em desvalorizar a força da historiografia no conhecimento antropológico. Para Cunha, se era na verdade desejável que se descobrisse o local ou locais exactos onde a colecção tinha sido obtida, esta informação, no seu entender, era secundária. A única consequência da sua ausência era que a colecção devia ser considerada como “amostra fortuita” de verdadeiros timorenses (Cunha 1937: 355), nunca que pudesse ser desacreditada como autêntica. De qualquer modo, mesmo que o antropólogo quisesse contar uma história para a colecção não o podia fazer. Cunha conformava-se com o facto de os crânios terem chegado ao museu de Coimbra com muito pouca informação associada.[9] Pouco mais sobrevivia do que o nome de um doador e uma vaga designação geográfica: Timor. Tudo o que Cunha podia adicionar em termos historiográficos era que os crânios haviam sido oferecidos à universidade “em 1881 ou 1882”, dizia, “por intermédio do Dr. Júlio Henriques [naturalista da Universidade de Coimbra], pelo Governador da Província de Macau e Timor” (Cunha, 1937: 1). Estes dados, para Cunha, eram suficientes. Bastava o simples facto de a remessa vir assinada pela autoridade isenta de um governador para que a sua origem não pudesse ser posta em dúvida (Cunha, 1937: 355). Em Portugal, como vimos, o debate sobre a classificação antropológica de Timor tomava a forma de uma disputa sobre a autenticidade de uma colecção de crânios. Vejamos agora como neste palco prosseguiu o debate, com a intervenção de novos actores.

5. A controvérsia sobre a autenticidade (II): Cunha, Martinho e Mendes Correia

Barros e Cunha esforçou-se em 1937, mas, nesse momento, já historiografia colonial e classificação antropológica se tinham tornado dificilmente dissociáveis. Ao mesmo tempo que se jogava a falsidade ou veracidade da narrativa colonial dos crânios humanos, estava em questão a possibilidade ou impossibilidade de traduzir crânios humanos em classificações antropológicas. Naquele contexto histórico, no Portugal da década de 1930, associar os timorenses à raça Papua parecia particularmente difícil, a não ser que a colecção de crânios no museu de Coimbra passasse a estar ligada a uma história válida sobre a sua proveniência. Em 1937, os crânios continuavam a precisar dessa narrativa providencial; e coube a outro militar em Timor, o capitão José Simões Martinho, trazer novas descobertas a lume.

A intervenção do capitão Martinho foi estritamente historiográfica. Ao contrário dos seus predecessores, o militar não tinha a pretensão de disputar a classificação antropológica de Timor. O resultado das suas pesquisas apareceu em 1942 no Diário de Coimbra e um ano depois num capítulo da sua monografia sobre a história da colónia (Martinho, 1942, 1943: cap. 4). A principal descoberta do militar consistia num conjunto de documentos publicado no Boletim da Província de Macau e Timor, demonstrando que a colecção tinha sido enviada, em 1882, juntamente com uma grande e variada quantidade de outros objectos macaenses e timorenses, de Macau para Lisboa. Nestes documentos constava um relatório e um catálogo destas diversificadas colecções; constava também a indicação de que o Dr. Belarmino Lobo tinha pertencido a uma das comissões envolvidas na organização das colecções. Todavia, a única informação associada aos restos humanos enviados para Coimbra nos catálogos descobertos por Martinho continuava a ser uma vaga origem geográfica: “Timor” (cf. Corte-Real et al, 1882a, 1882b).

Em torno disto, Martinho teceu um conjunto de especulações. Deduziu que a história dos militares coloniais, segundo a qual os crânios tinham sido coligidos de uma árvore sagrada em Cová, era verdadeira porque o Dr. Belarmino Lobo não podia ter mentido por completo. Era verdadeiro o local; só não era verdadeira a cronologia. Para Martinho, esta deveria agora remontar a um qualquer momento antes de 1882. Martinho deduziu ainda que, devido ao facto de os guerreiros timorenses pendurarem em árvores sagradas apenas crânios de inimigos, os crânios em Coimbra pertenciam a Timorenses, de facto, inimigos do reino de Cová. Inimigos… mas de onde? Quem? Quando? De novo o investigador caminhava num pântano de incertezas. Martinho prosseguiu com as suas hipóteses. Considerou então que, devido ao reino de Cová se localizar muito próximo da fronteira com Timor Holandês, os crânios podiam ser ou de Timorenses do lado Leste… ou de Timorenses do lado Oeste. Podiam até ser crânios de timorenses auxiliares dos portugueses mortos pelos guerreiros de Cová noutra batalha inglória para as armas portuguesas, no final da década de 1860 (cf. Martinho, 1942, 1943: 20-21).

A dúvida subsistia. Parecia que, ao contrário de reduzir-se, o passado dos crânios de Coimbra aumentava, multiplicava-se, cada vez que tentava fechar-se a sua história com uma nova e definitiva versão. Num instante, porém, Cunha aproveitou as descobertas de Martinho em seu proveito. Nesse mesmo ano, numa comunicação ao congresso da Associação Portuguesa para o Progresso das Ciências, fez propaganda dos resultados do capitão e divulgou-os como oferecendo a prova historiográfica cabal da autenticidade da colecção (Cunha, 1943). No mesmo passo, aproveitou para reafirmar, cinquenta anos passados, a absoluta validade das conclusões antropológicas de 1885: “desde Wallace, há oitenta anos, até Bijlmer, há doze,” rematava Cunha, “todos os naturalistas que estiveram na ilha e fizeram observações directas sobre a sua população concordam em ver nela uma mistura em que predominam caracteres de raça papua, ou melanésia ocidental […]. O estudo dos crânios da Universidade de Coimbra conduziu a conclusão idêntica […]” (Cunha, 1943: 561).

António Mendes Correia, então um nome de peso na antropologia portuguesa, percebeu a mensagem. Era momento de intervir. Embora a sua posição sobre o assunto fosse, desde o início, oposta à de Cunha, Mendes Correia manteve-se nos bastidores enquanto a batalha pela classificação se disputou em terreno historiográfico. Mas agora, com o obstáculo historiográfico aparentemente eliminado, a colisão com a sua classificação Malaia de Timor era frontal. Em 1944, Mendes Correia entrou em acção com uma monografia de mais de 200 páginas dedicada a discutir unicamente a antropologia de Timor Português (Correia, 1944). O livro apresentava-se como uma monumental tentativa para reavaliar a etnologia timorense, desde os seus fundamentos, e tinha mesmo a ambição de rever por completo o mapa etnológico, tal como fora desenhado por Wallace e por posteriores estudiosos.[10] Na nova linha etnológica proposta então por Mendes Correia, os timorenses apareciam reclassificados como “predominantemente” “Proto-Malaios” or “Proto-Indonésios”, e o mapa etnológico do arquipélago indonésio era redesenhado. A ilha de Timor surgia atravessada a meio por uma fronteira etnológica que, sobreposta à fronteira política, separava o território em duas metades: Timor Holandês era de raça Melanésia; Timor Português era de raça Malaia ou “Indonésia”.

Entre as ambições de Correia estava a aniquilação definitiva dos argumentos do seu principal adversário em terreno nacional. O livro de Mendes Correia apresentava-se, assim, também como resposta à tese rival de Cunha. O antropólogo portuense desmontou a tese adversária, usando a táctica anteriormente mobilizada por Cunha. Isto é: serviu-se da suposta factualidade das suas categorizações antropológicas para refazer, retrospectivamente, a história da colecção e assim falsificar a classificação sugerida pelo académico de Coimbra. Assumindo a veracidade das investigações históricas dos militares, Correia aceitava que os crânios eram Timorenses e tinham sido obtidos em Cová, junto à fronteira holandesa, de uma árvore sagrada (Correia, 1944: 26). Mas o que se recusava a aceitar era que as caveiras pertencessem a povos da parte portuguesa da ilha. A razão era simples: se os crânios, como concluía Cunha, revelavam traços papuas, melanésios, então só podiam pertencer à parte holandesa da ilha, nunca a Timor Português (cf. Correia, 1944: 28). A colecção não era de Timor Português porque os crânios eram Papuas. De outro modo, Cunha tê-los-ia classificado como Malaios! A colecção de Coimbra, embora genuinamente timorense, não podia auxiliar o estudo antropológico de Timor Português – pois referia-se a populações de território holandês. Com a demonstração de Mendes Correia, a controvérsia fechava-se. Cunha não respondeu.

6. Conclusão: as histórias e a ordem das coisas

Na sua obra As palavras e as coisas, Michel Foucault perguntava como é a classificação historicamente possível. A questão de Foucault dizia respeito às condições de possibilidade da “experiência de ordem” na história da cultura Ocidental. Perguntava Foucault: “Quando estabelecemos uma determinada classificação […], em que bases somos capazes de estabelecer a validade desta classificação com completa certeza?” (Foucault, 2006: xxiii, xxi) Neste texto apresentei a antropologia perante um problema semelhante: como era possível experimentar a população de Timor como uma ordem natural de raças? Em que fundamentos podiam “os Timorenses” ser classificados com “completa certeza”? Inspirados no modelo da história natural clássica, os antropólogos na tradição da antropologia física da segunda metade do século XIX acreditavam que os crânios humanos eram “coisas” que permitiam ordenar os timorenses (ou quaisquer outros povos) na tabela das raças. Todavia, “os timorenses” surgiam como um continuum de fronteiras confusas que resistia à evidência das arrumações taxonómicas.[11] Tanto pareciam “Malaios”, como podiam também ser “Papuas”, ou talvez Polinésios, e porque não Negritos… Na classificação de raças, “os timorenses” configuravam o que Foucault designou de objecto “heteróclito”, isto é, um objecto que podia ser “disposto”, “colocado”, “arrumado” em sítios tão diferentes uns dos outros que impossível é encontrar um lugar de residência para ele, definir um common locus subjacente a todos os diferentes sítios.” (Foucault, 2006: xix) Acompanhámos até aqui os antropólogos enfrentando justamente o problema de ordenar um objecto que se dispersava em múltiplas posições classificatórias. Estivemos, assim, perante o problema da “ordem das coisas” colocado por Foucault. Mas talvez a resposta ao problema deva ser algo diferente.

Nesse trabalho, Foucault sugeria que, para perceber a experiência de ordem, era preciso escavar, à maneira arqueológica, as “regras” a priori que presidiam à grande episteme do Ocidente. Estas regras explicavam como diferentes “práticas discursivas” – desde a linguística à economia ou à história natural – arranjavam as coisas em padrões coerentes de similitude e diferença. É importante notar aqui as observações que Foucault fez relativamente às regras que regiam a história natural clássica, não só pela influência marcante dos seus argumentos nas perspectivas contemporâneas sobre história e teoria das colecções científicas, mas também porque o programa da antropologia física enquanto “história natural do homem” teve esta tradição como modelo. Por volta do século XVIII, com a emergência da ciência da história natural, Foucault identificou uma descontinuidade fundamental na episteme do Ocidente, marcada pela separação entre histórias e classificação no domínio do conhecimento sobre a natureza. Os naturalistas da Renascença faziam a história natural de plantas e animais descrevendo, ao mesmo tempo, “tudo aquilo que era visível nas coisas”, bem como todos “os signos que tinham sido descobertos ou alojados” nas coisas, ou seja, tudo o que até então tinha sido dito sobre os objectos pelos “antigos”, e “as lendas e histórias em que [a coisa] tinha ficado envolvida.” (Foucault, 2006: 141) Segundo Foucault, a novidade da história natural perante esta tradição renascentista residiu em eliminar do trabalho de classificação das coisas a compilação das “redes semânticas” externas em que os objectos estavam envolvidos: as palavras, histórias, e textos dos antigos que existiam em associação com o objecto. Daí em diante, a classificação de seres vivos basear-se-ia exclusivamente na experiência directa de objectos materiais, de colecções instaladas nos espaços físicos de museus. E, para Foucault, a partir dessa descontinuidade fundadora, a possibilidade de ordem epistémica passou a implicar “apenas palavras aplicadas, sem intermediário [sem textos, sem narrativas, sem lendas], às próprias coisas.” (Foucault, 2006: 142-43) Segundo esta perspectiva, portanto, as colecções de museu – colecções de crânios humanos, por exemplo – constituem espaços sobre os quais as modernas ordens classificatórias se erguem, sem “intermediários”, a partir da simples experiência directa da materialidade visível das coisas. A mediação de fábulas, lendas, narrativas é tida como inexistente, ou irrelevante.

Seria de esperar que a antropologia e a craniologia obedecessem a esta regra. Alguma literatura sobre história da antropologia, de facto, tende a subscrever o argumento de Foucault (cf. Roque, 2006a). Contudo, conforme demonstrou o caso da controvérsia da colecção de Coimbra, a regra de Foucault está longe de ter aplicação universal. As mediações das histórias importam; as histórias podem organizar classificações. Ao pôr a descoberto a intimidade das interacções entre historiografia e classificação, a controvérsia da colecção de Coimbra revelou-nos que é necessário reconsiderar a mediação activa de, precisamente, textos, histórias, ou lendas, na formação de ordens classificatórias; revelou-nos que, na produção de conhecimento científico a partir de colecções, existem duas experiências de ordem intimamente interligadas: a ordenação narrativa das coisas no tempo é interdependente da ordenação dessas mesmas coisas no espaço taxonómico. A construção de ordem com base na experiência directa de colecções de coisas dificilmente é possível sem que também se experimente ordem no domínio das histórias e narrações que às coisas vão sendo associadas. Com efeito, o turbulento trajecto da colecção de Coimbra sugere que a validade das classificações antropológicas depende da validade das histórias coloniais das colecções. Na controvérsia que analisei aqui, a condição de possibilidade para a certeza da classificação antropológica esteve em jogo na constante interacção entre categorização racial e narração de histórias sobre crânios. Contar ou não contar uma história; contar uma história considerada falsa, ou fictícia; ou contar uma história tida como válida e verdadeira, importava muito para decidir a localização do povo de Timor-Leste como Papua, ou como Malaio. Na controvérsia portuguesa, mais do que a experiência directa de objectos materiais, o que contou para decidir sobre a certeza da ordem dos crânios foi a qualidade e solidez das ligações entre crânios e histórias. Sendo assim, a resposta para o problema da ordem das coisas colocado por Foucault deve passar não pela recusa da participação das narrações na construção de ordenações científicas, mas antes pelo reconhecimento da sua participação dinâmica nesses processos. Estaremos assim perante uma outra episteme, com características que Foucault julgou terem desaparecido algures nos séculos XVII e XVIII, mas que provavelmente nunca nos deixou. Uma episteme feita de modos de conhecimento científico animados por práticas de narração, e onde proliferam pequenas histórias sobre colecções e objectos científicos.

A história da colecção de Coimbra conduz-nos a considerar a dinâmica entre narrativas e classificação. Pretendo concluir sugerindo dois eixos principais em torno dos quais esta “dinâmica” pode ser considerada. Em primeiro lugar, o caso da colecção de Coimbra desafia-nos a conceber a ordem das coisas como o produto de interacções entre formas de narração e formas de classificação. Estas interacções possuem um carácter realizador, ou “performativo”.[12] Geram efeitos com impacto efectivo na constituição da realidade mútua das histórias e das classificações, bem como na constituição da “realidade”, passada e presente, dos restos humanos. Assim, por vezes (como o tentaram sucessivamente os militares) eram as narrativas a agir sobre a classificação; outras vezes, eram as classificações a agir sobre a história, o passado das colecções (por exemplo, quando Barros e Cunha e Mendes Correia procuraram usar classificações para produzir passados para os crânios). Mudanças nas narrações associadas aos crânios podiam gerar efeitos nas classificações, e vice-versa. Em segundo lugar, este caso desafia-nos a olhar a colecção de crânios de Timor como uma entidade possuidora de uma historicidade múltipla e uma entidade que, por força dessa historicidade difusa, formava um género de “corpo múltiplo”, para usar a expressão de Annemarie Mol (Mol, 2004).

De facto, um efeito interessante da constante interacção entre narrativas e classificação foi o aumento da complexidade e da incerteza acerca da identidade simultaneamente histórica e taxonómica da colecção. Quanto mais histórias eram contadas, mais passados e mais classificações pareciam possíveis para a colecção; era difícil fechar a história numa narração hegemónica. Pois o que se passava era que diferentes narrativas e cronologias coexistiam. Nenhuma das demonstrações – nem a de Cunha, nem a de Martinho, nem a de Mendes Correia – conseguia unir a colecção em torno de uma única história ou uma única classificação. Assim, à medida que historiografia e classificação interagiam ao longo da controvérsia, a história – tal como a antropologia – da colecção de Coimbra não se fechava em uma; abria-se em muitas, desatava-se numa multiplicidade de ordens de conhecimento histórico. Mesmo nos anos que se seguiram à publicação do trabalho de Mendes Correia esta proliferação manteve-se evidente. Por exemplo, em 1956, o capitão Hélio Felgas, numa frequentemente citada monografia sobre “Timor Português”, continuava a invalidar o estudo craniométrico de Cunha com base na suposição de que os crânios eram os restos mortais de uma expedição portuguesa massacrada em 1895 (Felgas, 1956: 143-44). Assim, tal como “os timorenses” configuravam um objecto heteróclito relativamente ao seu lugar na taxonomia antropológica, também a colecção de crânios manifestava uma condição heteróclita relativamente à sua história. A identidade dos restos humanos insistia em dispersar-se, em multiplicar-se simultaneamente por vários tempos e lugares, várias cronologias não lineares, contraditórias: os crânios habitavam 1882 e também 1895… recolhidos de uma árvore sagrada em Cová. Para a pergunta “existe uma história da colecção de Coimbra” a resposta que sugiro, portanto, é positiva. Existe uma história, mas uma história múltipla. Por conseguinte é em estado múltiplo que se encontra também a colecção.

Ricardo Roque

Investigador auxiliar no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. É doutor em História pela Universidade de Cambridge, e mestre em Sociologia Histórica e licenciado em Sociologia pela Universidade Nova de Lisboa. Tem pesquisado e publicado sobre colonialismo e ciências humanas nos séculos XIX e XX. É autor de Antropologia e Império: Fonseca Cardoso e a expedição à Índia em 1895(Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais, 2001) e co-organizador de Objectos impuros: experiências em estudos sobre a ciência (Porto, Afrontamento, no prelo). O seu próximo livro, Talking Skulls: Colonialism, Headhunting and Anthropology, 1870-1930, será publicado pela editora Palgrave Macmillan em 2009. Contacto: ricardo.roque@ics.ul.pt

Referências bibliográficas

AAVV (1902), Aula de Anthropologia da Universidade de Coimbra: Trabalhos de Alumnos. Coimbra: Imprensa da Universidade.

AAVV (1985), Cem anos de antropologia em Coimbra, 1885-1985. Coimbra: Museu e Laboratório Antropológico.

Anónimo (1929), “Estudo antropológico do indígena de Timor”, Boletim da Agência Geral das Colónias, 54, 149-151.

Appadurai, Arjun (org.) (1986), The Social Life of Things: Commodities in Cultural Perspective. Cambridge: Cambridge University Press.

Correia, António Mendes (1916a), Antropologia timorense, Porto: Separata da “Revista dos Liceus”.

Correia, António Mendes (1916b), “Timorenses de Okussi e Ambeno (Notas antropológicas sobre observações de Fonseca Cardoso)”, Anais Scientificos da Academia Polytechnica do Porto, 1 (11), 36-51.

Correia, António Mendes (1934), “Antropologia de Timor”, Boletim da Agência Geral das Colónias, 108, 205-207.

Correia, António Mendes (1944), Timor Português. Contribuição para o seu estudo antropológico. Lisboa: Imprensa Nacional/Junta das Missões Geográficas e de Investigações Coloniais.

Correia, Armando Pinto (1935), “A origem étnica das populações de Timor e o mito da árvore sagrada do reino de Cova”, Diário de Notícias, 2 Março, 2.

Correia, Armando Pinto (1935), Gentio de Timor. Lisboa: Edição de Autor.

Côrte-Real, José Alberto et al. (1882a), “Relação de objectos de Timor enviados para os muzeus do Reino”, Boletim da Província de Macau e Timor. 9, 69-75.

Côrte-Real, José Alberto et al. (1882b), “Relatório”, Boletim da Província de Macau e Timor, 9, 67.

Crawfurd, John (1856), A Descriptive Dictionary of the Indian islands and Adjacent Countries. Londres: Bradbury & Evans.

Cunha, João Gualberto de Barros (1935), “A origem étnica da população de Timor e o mito da árvore sagrada do reino de Cova”, Diário de Notícias, 25 Fevereiro, 2.

Cunha, João Gualberto de Barros (1937), A autenticidade dos crânios de Timor do Museu da Universidade de Coimbra, e o estado actual dos nossos conhecimentos sôbre o problema da composição étnica da população de Timor. Coimbra: Imprensa da Universidade.

Cunha, João Gualberto de Barros (1943), “Notícias recentes sobre a população de Timor”, in AAVV, Associação Portuguesa para o Progresso das Ciências. IV Congresso, Porto: Imprensa Portuguesa, 558-564.

Cunha, João Gualberto de Barros (1894), “Noticia sobre uma série de craneos da ilha de Timor existente no museu da universidade”, O Instituto, 14 (XLI): 852-60; 15: 934-41; 16: 1044-48.

Daston, Lorraine (org.) (2000), Biographies of Scientific Objects. Chicago: University of Chicago Press.

Fforde, Cressida et al. (org.) (2001), The Dead and their Possessions: Repatriation in Principle, Policy and Practice. Londres: Routledge.

Foucault, Michel (2006), The Order of Things. An Archaeology of the Human Sciences. Londres: Routledge [11966].

Gould, Stephen Jay (1991), The Flamingo’s Smile. Londres: Penguin.

Granroth, Christina (2004), European knowledge of Southeast Asia: travel and scholarship in the early modern era. Cambridge: Universidade de Cambridge (Dissertação de Doutoramento).

Hamy, Ernest Théodore (1874), “Documents pour servir à l’anthropologie de Timor”, Nouvelles Archives du Muséum d’Histoire Naturelle de Paris, 10, 247-253.

Kopytoff, Igor (1986), “The Cultural Biography of Things: Commodification as Process”, in Arjun Appadurai (org.), The Social Life of Things: Commodities in Cultural Perspective. Cambridge: Cambridge University Press, 64-94.

Lima, Joaquim Pires de e Mascarenhas, Constâncio (1925), “Contribuição para o estudo antropológico de Timor”, Arquivo de Anatomia e Antropologia, 452-474.

Law, John (2000), “On the Subject of the Object: Narrative, Technology, and Interpelation”, Configurations, 8, 1-29.

Law, John (2002), Aircraft Stories: Decentering the Object in Technoscience. Durham: Duke University Press.

Maerker, Anna (2006), “The tale of the hermaphrodite monkey: classification, state interests and natural historical expertise between museum and court, 1791-4”, British Journal for the History of Science, 39 (1), 29-47.

Magalhães, António Leite (1920), “Subsídios para o estudo etnológico de Timor”, Trabalhos da Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia, 2 (1), 37-65.

Magalhães, António Leite (1935), “A origem étnica das populações de Timor e o mito da árvore sagrada do reino de Cova”, Diário de Notícias, 28 Fevereiro, 2.

Martinho, José Simões (1942), “Timor – qual a origem do povo Timorense?”, Diário de Coimbra, 7 Março, 2.

Martinho, José Simões (1943), Timor. Quatro séculos de colonização portuguesa. Porto: Livraria Progredior.

Mol, Annemarie (2004), The Body Multiple. Durham: Duke University Press.

Mol, Annemarie (2008), “Política ontológica: algumas ideias e várias perguntas”, in João Arriscado Nunes e Ricardo Roque (org.), Objectos Impuros: Experiências em Estudos sobre a Ciência. Porto: Afrontamento, no prelo.

Quatrefages, Armand e Hamy, Ernest Théodore (1882), Crania ethnica. Paris: Libr. J.B.Baillière et Fils.

Ritvo, Harriet (1997), The Platypus and the Mermaid: and Other Figments of the Classifying Imagination. Cambridge MA: Harvard University Press.

Rocha, M. A. (1995), “Les collections ostéologiques humaines identifiées du Musée Anthropologique de l’Université de Coimbra”, Antropologia Portuguesa, 13, 7-38.

Roque, Ricardo (2001), “Porto-Paris, ida-e-volta: estratégias nacionais de autoridade científica. A Sociedade Carlos Ribeiro e a antropologia portuguesa no final do século XIX”, in João Arriscado Nunes e Maria Eduarda Gonçalves (org.), Enteados de Galileu? A Semiperiferia no Sistema Mundial da Ciência. Porto: Afrontamento, 247-298.

Roque, Ricardo (2006a), “Human skulls and museum work: sketch of a perspective on miniature histories”, in Diogo Ramada Curto e Alexis Rappas (org.), Colonialism and Imperialism: Between Ideologies and Practices. Florença: EUI Working papers HEC 2006/01, 85-98, publicado na internet, http://cadmus.iue.it

Roque, Ricardo (2006b), “A antropologia colonial portuguesa c. 1911-1950”, in Diogo Ramada Curto (dir.), Estudos de Sociologia da Leitura em Portugal no Século XX. Lisboa: FCT/FCG, 789-822.

Roque, Ricardo (2007a), Colonialism, Headhunting and Anthropology in East Timor, c. 1870-1930. Cambridge: Universidade de Cambridge. (Dissertação de Doutoramento).

Roque, Ricardo (2007b), “Skulls without words: the order of collections from Macao and Timor, 1879-82”, HoST – Journal of History of Science and Technology, 1, 113-54, disponível em http://www.johost.eu

Tamagnini, Eusébio (1913), Ofício de 16 de Dezembro, para Rudolf Martin. Coimbra: Arquivo do Museu Antropológico de Coimbra, Gabinete de Anthropologia, Copiador de ofícios.

Thomas, Nicholas (1989), “The force of ethnology: origins and significance of the Melanesia/Polynesia division”, Current Anthropology, 30 (1), 27-41.

Thomas, Nicholas (1991), Entangled Objects: Exchange, Material Culture, and Colonialism in the Pacific. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Turnbull, Paul (1999), “Enlightenment Anthropology and the Ancestral Remains of Australian Aboriginal People”, in Alex Calder, Jonathan Lamb, e Bridget Orr (org.), Voyages and Beaches: Pacific Encounters, 1769-1840. Honolulu: University of Hawai’i Press, 202-225.

Wallace, Alfred Russel (1865), “On the varieties of man in the Malay Archipelago”, Transactions of the Ethnological Society of London, 3, 196-215.

Wallace, Alfred Russel (1869), The Malay Archipelago. New York: Harper & Brothers.

Whyte, Hayden (1984), “The question of narrative in contemporary historical theory”, History & Theory, 23 (1), 1-33.


[1]Como citar este artigo: Roque, Ricardo (2008), “Histórias de crânios e o problema da classificação antropológica de Timor”, e-cadernos ces, 1, 11-33. Acedido em [data], http://www.ces.uc.pt/e-cadernos

[2] Este texto corresponde no fundamental à conferência proferida no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra no quadro do II Ciclo Anual “Jovens Cientistas Sociais” e constitui uma versão alterada e resumida de um capítulo da minha tese de doutoramento apresentada na Universidade de Cambridge, com o título “Colonialism, Headhunting and Anthropology in East Timor, c. 1870-1930”. Agradeço à Fundação para a Ciência e a Tecnologia por uma Bolsa de Doutoramento (BD/9048/2002) que permitiu a realização deste estudo e aos investigadores e funcionários do Museu Antropológico da Universidade de Coimbra pelo apoio prestado na pesquisa para este trabalho.

[3] O debate público sobre repatriamento de ossadas humanas indígenas em colecções científicas tem vindo a decorrer, em especial na América do Norte, Austrália e Nova Zelândia e, mais recentemente, no Reino Unido. Sobre o tema, veja-se Fforde, Hubert e Turnbull (2001).

[4] Sobre as origens do tráfico de restos humanos como espécimes antropológicos nos fins do século XVIII, veja-se Turnbull, 1999.

[5] Em 1902, o director do museu, Bernardino Machado, emprestou seis dos crânios ao antropólogo alemão Rudolf Martin, os quais nunca foram devolvidos (Tamagnini para Martin, 1913). Agradeço à Dra. Maria Augusta Rocha esta informação.

[6] Ao longo do texto traduzi para português as citações originalmente em língua inglesa ou francesa.

[7] Ao longo dos séculos XVII e XVIII, os estereótipos indígenas que opunham habitantes civilizados, no litoral, a povos selvagens e primitivos, nas zonas altas das ilhas, passaram para o imaginário europeu através da literatura de viagens, na forma de uma distinção antropológica entre “Bugis” e “Alfuros” das montanhas, estes últimos imaginados como povos de caracteres negróides e costumes monstruosos, como a antropofagia e a caça de cabeças. (cf. Granroth, 2004: 199-204; Thomas, 1989).

[8] Sigo a distinção proposta por Hayden Whyte entre “histórias históricas” (historical stories) e “histórias fictícias” (fictional stories). Baseada no conteúdo em vez de na forma das narrações, esta distinção preserva a possibilidade de “discursos imaginários” serem tomados como “reais”, se aceites como “verdadeiros” (Whyte, 1984: 2).

[9] Analiso noutro texto o modo como este silêncio documental acerca da colecção de crânios humanos foi produzido durante o trajecto das colecções, de Macau para Coimbra (Roque, 2007b).

[10] Desde os anos de 1860, tinham sido entretanto propostas linhas etnológicas do arquipélago alternativas à de Wallace (veja-se Correia, 1944: 195, 203-4).

[11] Os esforços da ciência para resolver os problemas classificatórios colocados por objectos monstruosos, híbridos ou paradoxais têm sido objecto de interesse em história e sociologia da ciência. Veja-se, por exemplo, Gould, 1991: 78-95; Ritvo, 1997; Maerker, 2006.

[12] Situo-me aqui no quadro das investigações sobre as ontologias efectuadas por actos discursivos ou não discursivos, um tópico recente nos estudos sobre a ciência, em especial nos estudos de John Law e de Annemarie Mol sobre o modo como histórias e outras narrações “performam” realidade(s) múltipla(s) (cf. Law, 2000, 2002; Mol, 2004, 2008).


Fonte: http://www.ces.uc.pt/e-cadernos/pages/pt/numeros/01--2008-ndash-debates-contemporaneos---jovens-cientistas-sociais-no-ces/ricardo-roque-historias-de-cranios-e-o-problema-da-classificacao-antropologica-de-timor.php?lang=PT