My photo
Um escritor, um poeta, um aventureiro,

Tuesday, 29 November 2011

Convite

Estimado Celso,

O Dr Helder da Costa,consultor sênior na Direcção Nacional de Eficácia da Ajuda, Ministério das Finanças de Timor-Leste queria convidar o Senhor ao evento: ‘A new aid deal for Fragile States?’ das 12:30 às 14:00 (GMT +01 (BST)) no Overseas Development Institute (111 Westminster Bridge, Londres SE1 7JD). O evento vai tambem ser disponivel on-line ao vivo.

Ficaríamos muito gratos se o Senhor pudesse confirmar a sua presença antes da quarta-feira 05 de outubro, respondendo à Mafalda Marchioro utilizando esse endereço de e-mail:m.marchioro@odi.org.uk
Infelizmente não seremos capaz de cobrir qualquer custo de transporte ou alojamento.

Para mais informações sobre o evento ou para assistir ao evento on-line, visite:

http://www.odi.org.uk/events/details.asp?id=2749&title=new-aid-deal-fragile-states

Os meus melhores cumprimentos


Mafalda Marchioro

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Dear Sir or Madam,

Dr Helder da Costa, Senior Adviser in the National Directorate of Aid Effectiveness, Timor-Leste Ministry of Finance has asked us to invite you the event: ‘A new aid deal for fragile states?’ which will take place on 10 October 2011 from 12:30 to 14:00 (GMT+01 (BST) at the Overseas Development Institute (111 Westminster Bridge, London SE1 7JD) and will be screened live online.

We would be grateful if you could confirm your attendance by Wednesday 5th October by replying to Mafalda Marchioro at this email address: m.marchioro@odi.org.uk

Unfortunately we won’t be able to cover any travel or accommodation costs.

For more information about this event or to register to join us online, please visit:
http://www.odi.org.uk/events/details.asp?id=2749&title=new-aid-deal-fragile-states

Kindest Regards

Mafalda Marchioro

Mafalda Marchioro
Project Officer BSI

Centre for Aid and Public Expenditure


Overseas Development Institute
111 Westminster Bridge Road
London SE1 7JD
United Kingdom

Saturday, 19 November 2011

19 de Novembro de 1991, Primeira Manifestasaun Timor Oan iha Jakarta


Ohin halo tinan 20 primeira manifestasaun hosi estudante Timor oan iha Jakarta, kapital Indonesia. Tinan 20 liu ba, iha 19 de Novembro de 1991, hafoin tiha semana ida massakre Santa Cruz, estudante Timor oan iha Bali, Bandung, Yogyakarta, Solo, Malang no fatin seluk tan, halibur hamutuk iha Jakarta hodi halo manifestasaun iha Embaixada ONU, Jakarta Pusat, nia oin.

Objektivu hosi manifestasaun ne'e maka hato'o protestu ba massakre Santa Cruz, husu Inkeritu Internasional no husu Independensia ba Timor. Resultadu hosi manifestasaun 19 de Novembro maka polisia Indonesia kaer hotu kedas estudantes nebe halo manifestasaun i sira nebe lideres hosi manifestasaun 19 de Novembro iha Jakarta hatama ba prisaun, hanesan: Nando Lasama, Gil Guterres, Joao Camara, Avelino Coelho no seluk-seluk tan.

Hafoin tiha manifestasaun ne'e, forsas militares liu hosi servisu intelijensia komesa halo intimidasaun no kapturasaun ba estudantis Timor oan iha Indonesia.

Ne'e duni, ohin loron, kuandu ita koalia konaba massakre Santa Cruz, 12 de Novembro de 1991, ita labele tau ba ses data historika, 19 de Novembro de 1991, iha Jakarta, nebe estudantes Timor oan biar karik moris no estuda iha Indonesia nia rain rasik maibe sira ho aten brani halo manifestasaun kontra Republika Indonesia.

Celso Oliveira,

Friday, 18 November 2011

Timor

Revoltada! Revoltada é como me sinto como me sentirei para sempre. À nossa volta, há pessoas a morrer e eu tenho uma casa, amigos e família. Vivo bem e tenho saúde, o meu país está em paz e não sei o que o termo “guerra” significa.
Depois deste jantar apetece-me gritar, descarregar a raiva que sinto, contar a todo o mundo o que Timor sofreu. Desde 1975 até 1999 Timor sofreu horrores, usou e abusou das palavras “guerra”, “morte”, “conflito” e “injustiça” e maior parte das pessoas nem sabe sequer o que se passou.

Uma(s) história(s) como esta(s) não pode(m) ser esquecida(s). Tudo o que oiço espanta-me, tudo o que imagino leva-me a um mundo sem fim, tudo o que sou caiu aos pés destes homens, heróis dos dias de hoje e reais sem capa nem super-poderes!
Quando oiço relatos na 1ª pessoa, é outra coisa. Pessoas importantes, pessoas chave na independência de Timor. Todas as histórias ganham vida própria, ganham imagens e sentido, ganham e fazem com que ganhemos coragem e compaixão.
Para muitos 12 de Novembro é mas um dia com 24horas, cada hora com 60minutos e cada minuto com 60segundos; mas para mim, e certamente para mais pessoas, é o dia do Massacre de Santa Cruz, é mais uma história que mostra o que o ser humano pode fazer. Matebien, para uns aparenta ser uma palavra estrangeira sem sentido nenhum, para mim significa “montanha sagrada” onde muitas pessoas foram submetidas a uma estratégia manhosa por parte da Indonésia que para além de serem burros eram parvos e estúpidos e ainda (e acima de tudo) eram DESUMANOS!

Quero lutar por Timor, por estes 20 anos de sofrimento e de dor, por tudo o que aquele povo é e sempre foi. Quero caminhar ao lado dos meus pais e seguir o seu exemplo, quero juntar-me à Mana Lina e ser a sua ajudante, quero ouvir todos os que me têm algo a contar. EU QUERO SABER MAIS!

Não calem as bocas, nem se esqueçam do que aconteceu, lá por ser pequeno Timor é maior de que todos os outros países juntos em mentalidade, união e coragem!
Não tenham medo de serem ouvidos, esses tempos já passaram, não tenham receio do futuro, o presente é que está em jogo, relembrando o passado, avancem, ajudem, divulguem…façam o que quiserem desde que ajude para que Timor não seja esquecido!

Marta Marques, 12 de Novembro de 2011

Wednesday, 16 November 2011

Prezidente Repúblika konfia iha justisa husi massacre Santa Cruz

16 de Novembro de 2011, 12:54
José Ramos-Horta fiar katak justisa husi vítima sira husi massacre Santa Cruz, iha tinan 1991, sei halo wainhira demokrasia sai reforsa iha Indonézia, hodi avansa ba ajénsia PNN.

«Ha´u hanoin katak justisa sei akontese wainhira Indonézia atu hametin demokrasia», refere José Ramos-Horta, kompara ho períodou ditatorial iha Arjentina. Iha inísiu tinan 1980, ema barak mak la fiar katak membru sira husi servisu militár nian sei lori ba julgamentu. Estadu arjentina nia hahú prosesu ida ne´ebé kontra responsável sira husi krimes ne´ebé komete durante ditadura, nó agora demokrasia konsolida iha país ne´e husi Amérika Sul.

Tuir ajénsia PNN, forsa militár sira husi indonézia la ba to´o iha tribunál hodi hatan ba krimi ne´ebé efetua iha massacre loron 12 fulan Novembru nó José Ramos-Horta, dehan katak povu timór-ona sira luta dadaun ba iha demokrasia, direitu umanu nó justisa, ho intelijénsia nó determinasaun. «Sira ne´ebé hjetan kanek, mak la bele halo serbisu tanba problema psikolójiku, tenke ajuda husi Estadu», dehan José Ramos-Horta, maske atu hanoin nem ema hotu mak partisipa iha manifestasaun ne´ebé mak atu fó respeitu.

Maske seidauk hetan resposta ne´ebé sei hein, Ramos-Horta husu ba Governu indonézia atu fó sai lokalizasaun husi restus mortais husi heróis nasionais Timor-Leste nian, inklui Nicolau Lobato, David Alex, Francisco Borja da Costa nó vítima sira husi massacre Santa Cruz, hanesan ruin ne´ebé mak seidauk hetan.

Bispo Alberto Ricardo iha ninia parte husu ba ninia kongregasaun atu serbisu ho maka´as, ho sentidu atu hamenus violénsia, droga nó prostituisaun iha país ne´e. «Maromak tulun Timor-Leste atu serbisu hodi dezenvolve intelijénsia iha aspetu hotu hotu. Povu tenke moris ho disiplina nó moral, nó atu nun´e la bele estraga ho drogas, prostituisaunn nó hahalok aat sira seluk tán.»

Monday, 14 November 2011

O Massacre de Santa Cruz 20 Anos Depois


Por: Constancio Pinto, Embaixador de Timor-Leste para os Estados Unidos da America







Foi o massacre que deu inicio a vitória decisiva do povo Timorense e a derrota das forcas ocupantes indonésios.

É importante rever e lembrar a história da resistência Timorense, e o massacre de Santa Cruz faz parte desta história e porque nela reside o espírito patriótico do povo Timorense e o alicerce da nossa Independência. Por isso, não podemos deixar passar esse dia sem refletir e lembrar do Massacre de Cemitério Santa Cruz.

Muito antes da invasão de Timor-Leste, a Indonésia, sob o regime de Suharto, desencadeou uma diplomacia sofisticada em relação a Timor-Leste. Conseguiu manipular a opinião pública internacional levando muitos países a ignorar o direito do povo Timorense a autodeterminação e independência. Por esta razão em 1975 a Indonésia invadiu Timor-Leste cometeu graves violações de direitos humanos, crimes contra a humanidade com toda a impunidade.

Estas violações de direitos humanos veio depois a serem concretizadas no dia 12 de Novembro de 1991, quando os militares Indonésios massacraram os jovens e estudantes no Cemitério de Santa Cruz durante uma manifestação pacifica. Neste dia, Jovens e estudantes, homens e mulheres, saíram da Igreja de Motael numa procissão em direção ao Cemitério de Santa Cruz com o objetivo de por flores na campa de Sebastião Gomes, um jovem estudante que foi morto pelos militares Indonésios na mesma Igreja no dia 27 de Outubro. Mas o objectivo principal era protestar a ocupação Indonésia e expressar o nosso descontentamento para com o governo Português pelo cancelamento da visita Parlamentar Portuguesa a Timor-Leste, uma visita acordada entre Portugal e Indonésia em Junho 1990.

Conforme a organização paz é possível foram 271 mortos, muitos feridos e desaparecidos incluindo jornalistas internacionais, como o Allan Nairn (Americano) Kamal Bamadja ( Estudante da Nova Zelandia). Kamal morreu depois no hospital. Minutos depois do massacre, um dos elementos do CE/FC telefonou imediatamente ao Dr. José Ramos-Horta, o atual Presidente da República, informando-lhe o acontecimento.

A cidade de Dili era infundida de medo e terror. Os jovens, mortos e feridos, foram transportados ao mortuário e o hospital militar. Os capturados foram levados aos centros da inteligência e policia onde foram sujeitos a interrogatórios e torturas e muitos deles foram desaparecidos. Os que escaparam, procuraram refúgios na residência do Bispo em Licidere e outros escondidos nas casas de amigos e familiares. Em casa, os pais e familiares, rezavam com a esperança de que os seus filhos se regressassem a casa são e salvos. Sentíamos cada vez mais isolados da comunidade internacional e vulnerados da justiça. Porem nunca perdemos a esperança de um dia alcançar o nosso objectivo que é a independência. Esta esperança engrandeceu quando as primeiras noticias do massacre de Santa Cruz foram transmitidos nos rádios internacionais. E quando as primeiras imagens do massacre foram transmitidas nos ecrãs das televisões de todo o mundo. Neste contexto quero reiterar os nossos agradecimentos ao Max Sthall, Allan Nairn, Amy Goodman, Steve Cox, padre Walter (Belga) e outros jornalistas presentes em Timor-Leste naquela altura. Se não fossem eles, a Indonésia teria a capacidade de mais uma vez dizer ao mundo que nada aconteceu.

As imagens de Santa Cruz desmascarou toda a diplomacia Indonésia e colocou Timor-Leste no mapa político do mundo e na consciência dos inconscientes.

Contudo gostaria de salientar aqui que a manifestação de 12 de Novembro nunca constatou na agenda das atividades da Frente Clandestina naquela altura. Foi uma decisão tomada na ultima da hora em resposta as frustrações da juventude na frente clandestina por causa do cancelamento da visita da delegação parlamentar portuguesa que acabo de mencionar. A frustração da juventude era justificada porque a frente clandestina passava muitos meses a preparar-se para receber a delegação portuguesa. A resistência Timorense considerava a visita uma luz no túnel para a resolução da questão de Timor-Leste.

Independentemente dos objectivos da visita parlamentar portuguesa, a resistência Timorense estava preparado para receber a delegação em festa. Estávamos preparados para levar a delegação de distrito a distrito em manifestações pacíficas e terminar em Dili com um diálogo entre Portugal, Indonésia e Xanana Gusmão.

Estávamos conscientes das consequências mas partimos sempre do principio de que os militares Indonésios nunca teriam a coragem de matar os manifestantes na presença da delegação parlamentar portuguesa e jornalistas internacionais que na altura já estavam em Timor-Leste. Nunca esperávamos que os militares indonésios teriam atuado como tem atuado no cemitério de Santa Cruz.

Mas estávamos errados, para os militares Indonésios, matando os jovens era a única forma para destruir o espírito patriotico e a crescente resistência contra a ocupação nas cidades e nas vilas ocupadas.

Pelo contrario, o massacre enriqueceu o espírito patriotismo e nacionalismo, da juventude e da resistência clandestina em Timor-Leste e em todo o mundo onde existem Timorenses, e por outro lado, fortificou a diplomacia portuguesa e a campanha da frente diplomática da resistência Timorense. Depois do massacre a juventude na frente clandestina tornaram-se cada vez mais corajosos e determinados em lutar em Timor-Leste e na Indonésia. E na frente diplomática tornou-se a melhor arma da diplomacia Portuguesa e da resistência Timorense.

As reações da comunidade internacional.

Alguns meses depois do massacre de Santa Cruz, o Secretário Geral das Nações Unidas enviou o seu enviado Amos Wako a Timor-Leste com o objectivo de conduzir um inquérito sobre o acontecimento. O seu relatório nunca foi publicado por ser muito critico a Indonésia. Alguns países como Canada, Dinamarca e Holanda suspenderam imediatamente suas ajudas bilaterais a Indonésia; O Congresso Americano recusou admitir Indonésia no programa da educação militar e posteriormente proibiu vendas de armas ligeiras e pecas para equipamentos militares a Indonésia. Muitas organizações de solidariedade foram criadas em todo o mundo, graças também as Jornadas de Timor encabeçado pelo Professor Barbedo Magalhães.

Em Portugal, liderado pelo Dr. Rui Marques, organizou-se uma missão, a Missão da Paz Lusitânia Expresso. O objectivo da Missão era levando a Timor-Leste um grupo de personalidades eminentes, jornalistas, docentes, estudantes, e ativistas de paz em todo o mundo, no barco Lusitânia Expresso navegando pelas águas de Timor-Leste a partir de Darwin. O objectivo era para colocar flores no Cemitério de Santa Cruz. A Lusitânia Expresso foi prevenida entrar Timor-Leste pelos barcos de guerra da Indonésia. Era uma missão provocatória e como tal cativou a atenção internacional e alimentou a esperança dos Timorenses.

As campanhas diplomáticas tornaram-se cada vez mais assertivos e com resultados palpáveis como por exemplo, em 1993, pela primeira vez, a Comissão dos Direitos Humanos das Nações Unidas aprovou uma resolução condenando a Indonésia pelas violações de Direitos Humanos em Timor-Leste; e em 1996, o comité do Prémio Nobel atribuiu Premio Nobel da Paz a dois filhos Timorenses, Reverendo Bispo Carlos Felipe Ximenes Belo e Dr. José Ramos-Horta, o atual Presidente da República. E o Secretário Geral das Nações Unidas retomou as negociações entre Portugal e Indonésia com o objectivo de encontrar uma solução pacífica e duradoira a questão de Timor-Leste.

Tudo parece convergiu na mesma altura a favor da resistência Timorense. Em 1997, o governo de Suharto sofreu múltiplas pressões políticas relacionado a questão de Timor-Leste e económicas derivadas pela crise financeira da Asia que começou na Tailândia em julho 1997 e espalhou por todos os países do Sudeste Asiático incluindo o Japão e a Coreia do Sul. Mas os países mais afectados foram a Tailândia, Indonésia e Corrêa do Sul. Na Indonésia provocou protestos mássicos em Jakarta e outras cidades. Suharto nada a perder, esmagou os manifestantes a força. 4 estudantes Universitários da Universidade Trisakti foram mortos pelos militares Indonésios. A morte dos 4 estudantes provocou um levantamento popular contra o regime de Suharto em todo o país, uma mobilização que levou a sua resignação em Maio de 1998 depois de 32 anos no poder. Suharto foi substituído pelo seu Vice-Presidente, Habibi, o tecnocrata. Face a crise financeira e a pressão política interna e internacional, Habibi tinha apenas duas opções para ultrapassar a crise (1) largar Timor-Leste, isto é dando aos Timorenses a liberdade de decidir o seu futuro conforme as exigências da comunidade internacional, ou (2) assegurar Timor-Leste e deixar cair a economia. Habibi, ouvido aos seus generais, optou pela primeira opção deixar Timor-Leste decidir o seu futuro através de um referendo uma decisão que resultou na assinatura do acordo entre Portugal e Indonésia no dia 5 de Maio de 1999.

No dia 30 de Agosto de 1999, pela primeira vez, realizou-se em Timor-Leste um referendo sob os auspícios das Nações . Apesar das intimidações, terror e ameaças das melícias, criadas pelos militares Indonésios, 78.8 por cento da população votou a favor da independência. Revoltados com o resultado do referendo, os militares Indonésios mobilizaram suas milícias numa campanha de destruição completa. Destruíram as infraestruturas, mataram e removeram a força a população para o Timor Ocidental.

Podemos concluir de que o Massacre de Santa Cruz foi um ato decisivo para a resistência Timorense . Acredito que se não houvesse o Massacre de Santa Cruz e se as imagens do Massacre não forem divulgadas nos ecrãs das televisões do mundo, a independência de Timor-Leste teria sido adiado para um futuro incerto.

Graças ao sofrimento dos jovens massacrados, desaparecidos, torturados e tantos outros tombados nas fileiras do combate e muitos nas montanhas e nos campos de concentração, hoje Timor-Leste é um país livre e independente. Timor-Leste hoje e membro pleno das Nações Unidas. Embora pobre Timor-Leste procura dar sua contribuição para a manutenção da paz e estabilidade internacional através contribuição de policias e forcas de paz e ajudas humanitárias.

Temos uma relação diplomática excelente com a Indonésia. Uma relação assente no reconhecimento mútuo dos erros cometidos no passado e comprometer-se a olhar para um futuro melhor para os dois países e os dois povos. Em 2005 líderes dos dois países estabeleceram a Comissão de Verdade e Amizade (CVA) com o objetivo de conjuntamente resolver os problemas pendentes entre os dois países. A CVA no seu relatório final publicada em 2008, recomenda ao governo de Timor-Leste e da Indonésia para resolver as questões pendentes incluindo pessoas desaparecidas. Espero que, e no âmbito desta recomendação e no espírito de reconciliação, a Indonésia devolverá a Timor-Leste os jovens desaparecidos e os restos mortais daqueles que foram massacrados no Cemitério de Santa Cruz e muitos outros massacrados e desaparecidos durante a ocupação.

A situação atual em Timor-Leste

Nos últimos 4 anos temos vindo a assistir transformações concretas em Timor-Leste tanto institucional como humano. As instituições estão cada vez mais sólidas e capazes de responder aos desafios do desenvolvimento, na segurança, economia, política e social. Temos tido um crescimento económico de 2 dígitos. E espero mantermos o mesmo ritmo de crescimento para muitos anos. Somos abençoados por ter recursos naturais que muitos países não têm. E os nosso líderes souberam evitar os mesmos problemas surgidos em outros países, em estabelecer o Fundo Petróleo de Timor-Leste. O Fundo que tem acumulado até hoje 8.2 mil milhão de dólares em receitas petrolíferas. Estamos a gerir este fundo com prudência e disciplina. Investimos, nas infraestruturas, no desenvolvimento do capital humano, na saúde e nos programas sociais.

Os sacrifícios dos jovens massacrados no dia 12 de Novembro de 1991 e de muitos outros heróis e mártires da pátria são para nós, os Timorenses, o alicerce da fundação do nossa independência. Por isso mesmo, embora pobre e pequeno devemos ser orgulhosos. Mas também e preciso olhar para o sacrifico de todos eles como humildade e respeito.


Artigo relacionado:

1, http://www.publico.pt/Mundo/as-vezes-sintome-culpado-por-ter-dado-orientacoes-para-a-manifestacao-1520561,


Wednesday, 9 November 2011

Lia Menon Hosi Bispo Carlos Belo Iha Loron 12 de Novembro de 2011

MASSAKRE SANTA CRUZ HALO TINAN RUA NULU

Tinan ida ne’e, Massakre Santa Cruz halo tinan rua nulu. Iha loron ne’e, ita Timor oan tomak sei la halu’ha susar no terus nebé foin sa’e Timor oan sira enfrenta iha loron Sanulo Resin Rua fulan Novembru tinan 1991.

Assuwain Timor oan lubuk ida mak mate, kanek todan no lakon, tan ba deit defende sira nia direito hanesan Nasaun no Povu.

Ohin loron Rai Timor Loro Sa’e, sai independente, livre no soberanu. Ida ne’e, konsequénsia luta nebé foin sa’e sira halo durante okupasaun indonésia. Ne’e duni ita bele dehan, foin sa’e sira nia sakrifisiu la lakon saugati deit.

Ita sei hanoin hikas sira nia aten berani, sira nia terus no mate! Ita sei husu ba Aman Maromak atu simu iha nia kadunan Santu, sira nebe mate ona. No fó isin diak ba sira nebé sei moris.

Labarik no adolesentes namkari iha rai laran, Timor oan nebé moris iha tempo ikus ne’e, sei banati tuir Maun boot sira nia aten berani.

No bele karik, ita tomak, bo’ot eh ki’ik, sei hametin iha Rai Laran sentimentus de Unidade, Respeito ba Malu, no Hadomi Paz no Justisa.

Tan foin sa’e sira nia sakrifisiu, ita sei rai hanesan osan mean no murak sira nia “MEMORIA”.

Tan sira, ita husu ba ukun nain sira atu ukun didiak Povu ki’ak no kasian. Ita sei halo atu “dezenvolvimentu” ka “progressu” to’o ba ema hotu-hotu. No Povu tomak sei moris iha hakmatek laran hodi serbisu, tuir ida-diak nia kbi’it, ba Nasaun Timor-Leste!

Ita reza ba Nain Maromak atu haraik bensa ba ita tomak.

Porto, 12 de Novembro de 2011.

Amo Bispo Carlos Filipe Ximenes Belo

Tuesday, 8 November 2011

Dadolin Hosi Gil Gamukai Konaba Massakre Santa Cruz, 12 de Novembro 1991

UNTUKMU PAHLAWAN MUDAKU
By: Gil Gamukai (Nabi Kiamat)

Kisah sebuah mimpi
Kembali terusik sang waktu
Menerobos sisi gelap yang tertata
Hadir membakar hasrat anak negeri

Dalam bola matanya tergambar kobaran api
Menerangi deret langkah pada tiap lorong
Mengumandangkan awal dari sebuah gerakan
Yang terkubur sedalam ambisi dan keserakahan

Kala itu 12 ....11...1991
Sebuah kisah kembali bergema
Membekaskan bayang baru bagi sebuah mimpi
Hingga jantung dunia tergetar mengiba

Kisah pembebasan yang terpelungku hati
Terlunasi darah dan belulang
Takkan terurai sepanjang jaman
Hingga mimpi itu hadir menghiasi wajah bangsa.


Saturday, 5 November 2011

UDT Marka Historia Foun Iha Timor Leste



Partidu UDT iha lideransa Gilman Santos nian, oras ne'e halo historia foun no marka passu importanti iha panorama politika Timor Leste nian.

Nudar partidu historiku, UDT (União Democrática Timorense) nebe moris iha 11 de Maio 1974, UDT halo historia barak ona iha Timor Leste. UDT uniku partidu nebe luta kontra komunismu iha tempu neba, i, ohin loron kontinua fo'o kontribuisaun ba estabilidadi no dezenvolvimentu nasional iha Timor Leste.

Kontinua ho politika konsolidasaun no reajustamentu, ohin loron UDT prepara ninia kuadru politiku hosi nasional toó baze hodi bele partisipa ativa iha eleisaun foun rua nebe sei akontese iha tinan oin, 2012, maka eleisaun presidensial no lejislativa.

Iha eleisaun presidensial, UDT fo ona apoio ba Brijen Taur Matan Ruak nebe kandidatu-an iha fulan hirak liu ba nudar kandidatu independenti.

Iha fali eleisaun lejislativa, UDT sei haka'as-an hodi hetan kadeira balun iha PN hodi nune bele luta ba hasa'e valor moris ema Timor nian, hodi bele partisipa aktiva iha estabilidadi no dezenvolvimentu nasional, i, liu-liu rekonhese martires sira nebe mate tamba Timor.

Celso Oliveira

Wednesday, 2 November 2011

Comité 12 de Novembro (C12N)

Comité 12 de Novembro (C12N)
Comissão Organizadora I Congresso C12N
CCD, 8 – 12 de Novembro de 2011, Dili, Timor-Leste

Liu husi oportunidade ne’e, C12N hakarak fo’o sai ba publiku katak, iha loron 8 – 12 de Novembro 2011, C12N sei hala’o ninia Kongresu ba Dahuluk. Ba maluk Sobreviventes husi masakre Santa Cruz, 12 de Novembro 1991 nebe’e namkari iha Timor-Leste nia laran tomak no iha rai leur bele buka atu partisipa iha Kongresu Dahuluk ne’e, atu nune’e bele fo’o hanoin ka ideias ruma nebe’e diak atu dezenvolve nasaun doben Timor-Leste ba futuru.

Liu husi oportunidade ne’e, Comissão Organizadora mos hakarak husu ba maluk Sobreviventes ka maluk seluk nebe’e iha dokumentus, fotografias, vídeo relasiona ho demonstrasaun ka masakre Santa Cruz, 12 de Novembro 1991 bele ajuda hato’o mai Comissão Organizadora atu nune’e bele hariku dokumentasaun C12N.
Mak ne’e deit, maluk nebe’e hakarak participa iha Kongresu Dahuluk C12N bele kontaktu Comissão Organizadora iha numeru 7361792, 7288541.

Obrigado ba atensaun.
Comissão Organizadora