My photo
Um escritor, um poeta, um aventureiro,

Tuesday, 31 March 2009

Lasama sei visita CPLP

Reporter, Domingos da Silva Costa,

“Hau sei halao visita parlementar nian ba nasaun CPLP balun hanesan Portugal no Sao Tome Prinsipe iha semana ida ne’e nia laran”

Presidente Parlementu Nasional Fernando Lasama de Araujo, hateten ida ne’e hafoin enkontro ho Presidente Republika, Ramos Horta iha Palacio Presidente, Farol 30 Marcu.

“Hau sei halo enkontro ida ho Presidente Parlementu Nasional Jaime Gama no delegasaun ne’e sei visita parlementus iha pais CPLP seluk iha rejiaun” konfirma Lasama ba Jornalistas.

Lasama hateten durante nia vizita iha estrangeiro, Parlementu Nasional Timor sei entrega ba Vice Presidente Vicente Guterres no Maria Paixao.

Visita Parlementar ne’e sei halao to’o fim de Abril 2009.

Fonte: Teki Tabloid

Monday, 30 March 2009

DEMOCRATIC GOVERNANCE FORUM: "LET´S TALK WITH OUR LEADERS" ACCOUNTABILITY AND TRANSPARENCY

Vise-Primeiru Ministru SE Mário Carrascalão

Dr Atul Khare, Reprezentante Espesiál Sekretáriu-Jerál Nasoens Unidas
nian ba Timór-Leste

Exelênsias

Distintus konvidadus

Senhoras i Senhores


Boa governasaun fundamentál tebes atu asegura katak ita nia Nasaun
nurak oan ne’e bele realiza nia mehi ba prosperiedade i páz rohan
laek.

Atravez-de estabelesimentu mekanizmu institusionál ne’ebé efisiente no
kultura boa governasaun mak ita sei bele enfrenta dezafius ho
dignidade no konfiansa.

Ha’u louva Nasoens Unidas ninia Misaun Integrada iha Timór Leste tanba
organiza Forum Governasaun Democrátika lubun ida ne’e ho tema
prinsipál “Let’s Talk With Our Leader”, ka Mai Ita Dadalia Ho Ita Nia
Nai Ulun sira. Forum hirak ne’e bele fó oportunidade ba sosiedade
sivíl atu rona no, importante liu, bele hato’o perguntas ba sira nia
líderes rasik.

Tanba bele enkoraja diálogu importante kona-ba asuntus nasionais, mak
forum hirak ne’e sei fó kontribuisaun boot hodi promove governasaun
demokrátika.

Matéria ba forum ohin nian maka “Responsabilizasaun no Transparênsia”.
Responsabilizasaun no transparênsia – hamutuk ho integridade no
lideransa – maka hanesan prinsípius fundamentais ba boa governasaun.

Orienta ho prinsípius hirak ne’e mak Governu Timór-Leste dezenvolve
daudaun mekanizmu institusionál ida atu promove boa governasaun.
Mekanizmu ne’e inklui estabelesimentu Komisaun Funsaun Públika ho
Komisaun Anti-Korrupsaun i reforsa liután Gabinete Inspetór Jerál.

Hau mós kontente tanba bele servisu hamutuk ho ema ida ne’ebé iha
kapasidade no integridade aas tebes, hanesan SE Vise-Primeiru Sr.
Eng. Mário Carrascalão, atu kaer governu nia ajenda kona-ba boa
governasaun.

Rezultadus husi servisu ne’e sei reforsa governasaun demokrátika iha
ita nia rain.


Senhoras i Sehores
Boa governasaun fundamentál tebes ba boun dezempenhu.
Sistema governasaun ida ne’ebé efetivu – ho estruturas, sistemas no
prosesus ne’ebé di’ak–fó kbiit ba governu atu atinje nia objetivus.

Prinsípius xave ba boa governasaun maka:
Responsabilizasaun;
Transparênsia;
Integridade; no
Lideransa.

Ne’e maka prinsípius ne’ebé orienta ita.

Ita presiza tebes banati-tuir prinsípius hirak ne’e atu nune’e públiku
bele fiár nafatin ba governu no ajênsias governu nian tomak.

Ida ne’e signifika mós katak, regras ne’ebé promove responsabilizasaun
sai hanesan parte integrante iha planeamentu, no iha prosesus servisus
i monitorizasaun governu nian.

Inklui mós oinsá bele asegura katak, servidores iha governu, hatene
katak sira nia asoens no dezempenhu sei submete ba kontrolu rigorozu.

Transparênsia iha governu hanesan protesaun ne’ebé di’ak liuhotu
hasoru hahalok ne’ebé la iha étika hodi bele kria kultura ida ne’e ho
étika.


Sehoras i Senhores
Ita mós labele haluha katak boa governasaun ne’e mós buat ida ke la’ós
deit kona-ba regras no regulamentus. Relasiona mós ho lideransa no
dezenvolvimentu kultura ida ne’ebé ho étika no integridade.

Importante katak ita nia ukun na’in sira – iha nível nasionál,
distritál no nível sub-distritus, hatudu ezemplu di’ak no atua ho
integridade.

Ho esforsu husi ukun na’in sira atu kria kultura ida ne’ebé ho étika,
mak ita bele atinje governu ida ke moos i efetivu.

Senhoras i Senhores
Prinsípius responsabilizasaun i transparênsia ne’e maka prinsípius
importantes tebes ne’ebé hametin Governu ninia determinasaun atu
estabelese fundasaun ida ba boa governasaun.

Reformas xave inklui estabelesimentu Komisaun Funsaun Públika no
Komisaun Anti-Korrupsaun.

Instituisoens hirak ne’e sei independentes i sei asegura governu
ne’ebé onestu – sira iha kbi’it atu bolu atensaun kona-ba failhansus
governu nian no ajuda ita atu hadi’a dezempenhu.

Komisaun Funsaun Públika mak sei kaer objetivus xave hodi asegura:
Rekrutamentu iha funsaun Públika bazeia ba méritu;
Funsaun Públika tenke apartidária no imparsiál; i
Dezenvolve valores étikas ne’ebé forte iha funsaun Públika tomak.

Sei laiha fatin ba patroens polítikus, favoritízmu no sei la iha fatin
ba korrupsaun iha funsaun Públika,

Senhores i Senhoras
Governu mós submete tiha ona proposta lei ida ba Parlamentu Nasionál
atu estabelese Komisaun Anti-Korrupsaun independente, atu dedika-an
de’it ba kombate korrupsaun iha Timór-Leste.

Lei ne’e dezenvolve depoisde períodu naruk ida hala’o konsulta nasionál ho Povu
Timór –Leste.

Komisaun Anti-Korrupsaun sei asegura katak ema hirak ne’ebé envolve
iha atus korrupsaun submete ba investigasaun i sei hetan pena boot.

Komisaun Anti-Korrupsaun sei iha mandatu atu halo investigasoens ba
atus korrupsaun; hato’o evidênsias ba Prokuradór Jerál hodi foti
prusesu; no hala’o kampanhes edukasaun

Komisaun Anti-Korrupsaun sei iha poderes investigativus boot. Komisaun
ne’e iha podér atu bele hetan asesu ba dokumentus no edifísius.

Ho aprovasaun husi Tribunál, i hamutuk ho Prókurador, Komisaun
Anti-Korrupsaun mós iha poderes atu:
Konjela kontas bankárias
Prende “asets” ka beins
Intersepta no grava komunikasoens eletrónikas, inklui monitoriza
xamadas telfónikas no email ka korreius elektrónikus

No ikus liu Kódigu Penál mós aprova ona iha Konselhu Ministrus i
Prezidente Repúblika sei promulga iha loron hirak mai. Iha ita nia
Kódigu Penál, iha mós referênsia klara ba aktus ka krimes kona-ba
Korrupsaun.

Senhoras i Senhoras,
Vise Primeiru Ministru foun, SE Eng. Mário Carrascalão, sei kaer papél
importante atu hadi’a responsabilizasaun no transparênsia iha Governu
laran.

Prioridades xave ida hotu ne’ebé nia sei haré, mak atu reforsa liután
Gabinete Inspetór Jerál.

Ida ne’e inklui prepara lei orgánika ida atu reforsa autoridade legál
no kapasidade Gabinete Inspetór Jerál nian, atu hala’o auditoria
internál independente no inspesiona Ajênsias ho Departamentus
Governu nian.

Ida ne’e sei hadi’a responsabilizasaun husi Governu i karik deskobre
korrupsaun ou ilegalidade ruma, Inspetór Jerál iha kbiit atu enkaminha
asuntus hirak ne’e ba autoridades kompetentes hanesan Komisaun
Anti-Korrupsaun no Prokuradór Jerál.

Objetivu husi reformas governasaun nian hirak ne’e atu hasa’e
transparênsia no responsabilizasaun.

Senhoras i Senhores,
Ho estabelesimentu mekanizmu boa governasaun efetivu ida, bazeia ba
prinsípius transparênsia no responsabilizasaun, ita bele dezenvolve
ita nia rain no demokrasía.

Kultura governasaun demokrátika iha Timór-Leste ne’e maka ita nia forsa boot.
Dalaruma ita la konkorda malu – maibé ne’e maka demokrasía ninia sentidu.

Ita iha nível partisipasaun polítika ida ne’ebé aas tebes ho istória
ida kona-ba debate ho envolvimentu politíku ne’ebé di’ak.

Ita uluk luta ho mehi ida atu harí nasaun ho governu demokrátiku ida.
No ita hatene katak boa governasaun mós depende ba governasaun ida ke
demokrátika.

Ho matéria forum ohin nian kona-ba “responsabilizasaun no
transparênsia”, ita tenke rekonhese katak simu prinsípius hirak ne’e
hanesan parte importante ida husi ita nia esforsu hamutuk atu hametin
liután ita nia governasaun demokrátika

Senhoras i Senhores
Hau agradese ba UNMIT tanba organiza forum importante ida ne’e.
Transparênsia no responsabilizasaun maka hanesan prinsípius bázikus ba
boa governasaun

Kaer ba prinsípius hirak ne’e mak Governu Timór-Leste dezenvolve
daudaun Mekanizmu institusionál ida atu promove boa governasaun.

Rezultadus husi servisu ne’e sei hametin liután governu demokrátiku
iha ita nia rain.

Agora ha’u remata ona ha’u nia ko’alia, atu fó tempu barak liu ba
sesaun perguntas no respostas.

Obrigadu Barak!

Kay Rala Xanana Gusmão

Friday, 27 March 2009

Hau nia dalan





Hau nia dalan maka dalan nebe loro-loron hau lao hodi “hatutan” hau nia moris.
Dalan ida nebe, loron no kalan, hau nia isin husik hela nia ain fatin.
Dalan ida nebe, hau kria hela amizade ho hau nia vizinhos sira.
Dalan ida nebe, iha dadersan hau bele rona manu fuik nia lian.
Dalan ida nebe, dadersan hau lori hau nia oan sira ba eskola, no,
lokoraik hau ba foti sira hosi eskola.
Dalan ida nebe, bainhira hau lao, hau nia vizinhos sira husu hau nia tulun nomos hau husu hau nia vizinho sira nia tulun.
Dalan ida nebe, hau nia oan sira halimar ho laran haksolok.

Hau nia dalan, fo mai hau oportunidadi barak.
Hau nia dalan, fo mai hau Liberdade no Laran Haksolok.
Hau nia dalan, dalan nebe hau gosta tamba nia fo moris mai hau.
Loron no kalan.

Nia maka loke hau nia “néon no fuan” atu hau hakfodak hosi hau nia isin nebe maten.
Nia maka fanun hau hosi hau nia dukur.
Nia maka hanorin hau konaba sentidu lolos hosi moris.
Nia maka muda hau nia neon hosi aat ba diak, hosi barukten ba badinas, hosi dukur ba hader, hosi triste ba kontenti.
Nia maka fo sentidu mai hau katak dalan ne’e naruk laiha rohan.

Ita ema lao bele lao; loron no kalan, iha udan okos, loron manas, malirin, etc…
Ita ema bele para atu hanoin…
Maibe, dalan laiha rohan, laiha fim.

Hau nia dalan, laiha rohan, laiha fim.


Dadolin no imajem: Celso Oliveira

Thursday, 26 March 2009

Presensa Petisionarius nian iha Distritos tomak maka kontribui ba redusaun votos Fretilin iha 2007, konsidera Nakfilak

Jose Manuel Fernandes (Nakfilak), deputadu Fretilin, konsidera katak presensa Petisionarius nian iha Aldeias no Sucos tomak maka kontribui ba redusaun votos ba Fretilin iha eleisaun 2007.
Iha artigu ida naruk (tahan 16) ho titulu "Resposta ba DR Maubocy husi Jose Manuel Fernandes (NAKFILAK)", Jose Manuel explika konaba nia passagem historiko iha resistensia da Libertasaun Nasional hosi tinan 1982 - 2009, hodi mos lansa kritika maka'as kontra Vicente Maubosy, dirijenti Fretilin Mudansa (F Mudansa).

"DR Maubocy, ema hotu hatene ona, tan sa mak Fretilin hetan redusaun votos 2007, lalika bosok tan ema ona, presensa PETICIONARIO nian iha Distritos hirak nebe, tuir ami konsidera mais afektados ne'e mak kontribui maka'as ba redusaun hirak ne'e, la'os tamba DR Maubocy nia influensia lae!"

Nakfilak konsidera mos katak duranti krisi 2006, militante Fretilin senti ameasadu ho presensa petisionariu nian iha distritus tomak.

"Hau fo kasian ba DR Maubocy, kasian tamba DR Maubocy so hare deit ba factor numeru, la hare ba factor seluk, tamba eleisaun 2007 iha instrumentu bo'ot ida mak DR Maubocy ho nia aliados sira usa iha tempo neba, presensa
PETICIONARIO nian iha Aldeias no Sucos tomak iha Distritos hirak mais afektados iha krise ne'e, psikologikamente, militante FRETILIN sente ameasado ho presensa sira nian e automatikamente kontribui dunik ba redusaun de votos. Ne'e mak leitura nebe ami halo ba situasaun iha tempu krise 2006".


Nota hosi blog nain: Atu hetan artigu "Resposta ba DR Maubocy husi Jose Manuel Fernandes (NAKFILAK)", bele loke: http://odanmatan.blogspot.com/2009/03/jose-manuel-fernandes-nakfila-responde.html

Saturday, 21 March 2009

KADIMA ho FRETILIN: PARTIDUS MAIS VOTADUS SAI OPOZISAUN

Carlos da Silva L.F.R. Saky*


Eleisoens lejislativas iha Israel (10/02/09), ho formasaun Governu foun iha rai ne’e fo hanoin hikas ba ita kona ba eleisoens lejislativas (30/06/07) ho formasaun IV Governu Konstitusional iha Timor-Leste (TL).

Artigu ida ne’e ho objektivu halo komparasaun entre partidu KADIMA iha Israel ho FRETILIN iha TL, nebe’e manan eleisoens lejislativas maibe nem ida forma Governu. Partidu sira 2º vensedores hanesan Likud ho CNRT (Conselho Nacional para a Recosntrução de Timor-Leste) mak forma fali Governu. Nune’e mos sei hare’e, razoens nebe’e halo partidu sira ne’e bele forma Governu ou labele no oin-sa sira nia komportamentu politiku iha rai demokratiku ida.


Iha rai sira nebe’e poder fahe entre Prezidenti Republika (PR) ho Primeiro-Ministro (PM), jeralmente, Konistituisaun fo poder ba PR hodi nomeia PM husi partidu mais votadu ou husi aliansa husi partidus sira nebe’e hetan maioria parlamentar. Nomeasaun ne’e halo depois de rona partidus politikus hothotu nebe’e iha reprezentasaun parlamentar nian opiniaun. Ne’e regra komum iha rai sira nebe’e ukun tuir demokrasia parlamentar nian.


Atu sukat partidu nebee manan i bele forma Governu, iha artigu ne’e sei sadere ba sistema “reprezentasaun proprosional” nebe’e TL (Konstituisaun RDTL, artigu 65º) ho Israel (http://www.knesset.gov.il/elections16/eng/about/electoral_system_eng.htm) ho kaer.


Sistema “reprezentasaun proporsional” diferente ho “sistema maioritário”. Iha sistema “maioritário”, hanesan ema “futu manu”, se mak manan, manan ona, la interesse adversariu nia manu mate, ta’uk halai ho isin kanek ou tomak. Nune’e mos iha sistema “maioritário”, partidu nebe’e manan eleisoens, la interesse manan ho maioria simples, relativa ka absoluta, nia nudar partidu mais votadu, hakarak ka lakohi, nia mak manan i tenki forma Governu duni. Enkuantu sistema “reprezentasaun proporsional”, sistema ida demokratiku liu iha mundo, la hanesan ne’e. Iha sistema “reprezentasaun proporsional” signifika votu eleitor sira nian mak determina partidu ida-idak sei hetan deputadus hira. Ninia prosedimentu fo tuir media nebe’e aas liu, nebe’e produz rezultadus hanesan mos metodu d’Hondt. Karakteristikas balu husi metodu d’Hond ida mak dudu partidu sira hodi forma koligasoens, basaa, bainhira halibur partidus barak hamutuk sei hetan numeru deputadus nebe’e barak du ke partidu ida halai mesak. Sistema “represzentasaun proporsional” loke dalan mos ba partidus ki’ik sira hodi hetan reprezentasaun iha Parlamentu, basaa, hanesan temi iha leten, votos eleitores mak determina partidu ida hetan mandato ka kadeira hira. Nune’e mos partidu ki’ik sira, iha possibilidade boot hodi to’o ba iha Governu, bainhira forma aliansa ka koligasaun ho partidu boot ida ou ho partidu naton sira seluk.


Tuir “sistema proporsional”, partidu ida mesak, la konta ho sira seluk, atu hetan maioria iha Parlamentu mak, partidu ne’e tenki manan iha eleisoens ho maioria absoluta (50% + 1). So hetan maioria absoluta mak partidu ida bele forma mesak Governu. Karik la hetan maioria absoluta iha eleisoens, entaun tenki buka forma koligasaun ka aliansa ho partidu seluk iha Parlamentu hodi hetan maioria ne’e.


Iha Israel ho TL, sistema “maioritário” uza ba eleisoens prezidensiais, maibe iha eleisoens lejislativas uza sistema “reprezentasaun proporsional”. Iha sistema “resprezentasaun proporsional”, iha opsoens barak nebe’e ajuda Prezidenti da Republika hodi hola desizaun hodi hatudu partidu ka aliansa nebe’e bele forma Governu. Entre opsaun sira ne’e, prezidenti sei hili ida nebe’e diak liu hodi forma Governu. Opsaun diak liu mak partidu ka koligasaun nebe’e hetan maioria iha Parlamentu, nia mak sei hetan konvite hodi forma Governu. Diak tanba nia sei forma Governu ida forte ho estavel. Opsoens sira ne’e balu hanesan tuir mai ne’e.


Primeira opsaun, partidu nebe’e manan iha eleisoens ho maioria absoluta (50% + 1) mak forma Governu. Bele forma mesak ou forma koligasaun se hakarak. Iha ne’e PM automatikamente mai husi partidu vensedor. Opsaun ida ne’e diak liu tanba garante estabilidade governativa.


Segundo opsaun, partidu vensedor eleisoens nebe’e manan ho maioria simples/relativa (votos la to’o 50%), obrigado buka forma koligasaun ho partidu seluk hodi hetan maioria parlamentar. Bele forma ho segundo vensedor (la obrigatório) ou partidu ki’ik seluk hodi hetan maioria iha Parlamentu. Iha ne’e, PM bele mai husi partidu mais votadu ou bele mai mos husi segundo vensedor, ou bele mos seluk, depende iha partidu sira forma koligasaun, se mak iha pezu ka influensia politika determinante liu iha koligasaun laran. Opsaun ida ne’e mos diak tanba bele garante estabilidade institusional/governativa.


Terseira opsaun, segundo partidu vensedor eleisoens bele forma Governu koligasaun bainhira, partidu mais votadu iha eleisoens, la konsegue forma koligasaun ida hodi hetan maioria iha Parlamentu. Segundo vensedor hetan maioria iha Parlamentu tanba iha apoiu husi partidu sira nebe’e hetan deputadus barak. Iha koligasaun ne’e, bele mos inklui primeiru vensedor eleisoens (la obrogatorio) iha Governu koligasaun laran se hakarak. Karik lakohi, primeiru vensedor tenki passa ba opozisaun. Opsaun ida ne’e mos diak, tanba bele forma Governu forte ho estavel ida.


Quarta opsaun, partidu vensedor manan ho 50% iha eleisoens. Iha ne’e bele dehan impatadu, tanba partidu vensedor nia votos barak hanesan ho partidus sira lakon nian tau hamutuk. Hanesan izemplu, iha Israek, sira nia numeru total deputadus hamutuk 120, iha nebe’e bele fera ba rua, partidu vencedor hetan deputadus hamutuk 60 i 60 seluk ba opozisaun sira. Enkuantu iha TL, la sei hetan “impatadu” ne’e, basaa, numeru total deputadus hamutuk 65, numeru klik la’os numeru kaduak.


Atu hakat liu situasaun ne’e, iha dalan rua mak bele tuir: 1) Partidu vensedor bele buka halo koligasaun ho partidu boot ka ki’ik ruma hodi bele hetan maioria iha Parlamentu. Karik la hetan aliadu ruma, entaun susar mos atu aprova programa Governu nian, tanba impata hela de’it kuandu halo votasaun iha Parlamentu i, 2) Partidu vensedor bele forma Governu ida, maibe, tenki iha kapasidade lobbying makaas hodi hakail deputadus opozisaun nian ida ou rua hodi hola pozisaun abstein durante votasaun kona ba kestoens sira nebe’e bele provoka Governu monu. Por izemplu, iha votasaun kona ba “Orçamento Geral de Estato (OGE), kuandu deputadu opozisaun nian ida hola pozisaun abstein, mak OGE ne’e bele aprova ona. Bele dehan deputadu opozisaun ne’e Governu sosa kotu ona hodi la halo monu Governu. Deputadu ne’e hanesan osan mean ba Governu, tanba ninia votos abstein, a favor ka kontra, sempre fo impaktu ba Governu. Solusaun ida ikus ne’e bele dehan perigozu oituan, basaa, iha rai sira korrupsaun makaas, deputadu ne’e bele hetan “suborno” (suap) husi Governu. Maibe iha rai sira korrupsaun la/ladun iha, deputadu ne’e bele la simu “suborno” ruma, maibe nia tau kondisaun ruma ba Governu. Por izemplu, nia husu Governu loke estrada, harii eskola, hospital, merkadu ho buat seluseluk iha ninia distritu.


Sa ida mak deputadu ne’e sei manan? Klaru, deputadu ne’e, ninia partidu sei kritika, izola ou hasai nia husi partidu tanba, nia la kumpri disiplina partidu nian, maibe nia sei manan konfiansa povu husi ninia distritu, tanba ninia politika halo distritu sai diak. Kuandu loron ida nia hakarak kandidata an ba prezidenti Kamara Munisipal ou administrador Distritu, maski hanesan independente, ema sei hili nia du ke sira nebe’e reprezenta partidu. Tanba nia hatudu tiha ona ninia vontade diak hadi’a ninia distritu.


Quinta opsaun, partidu vensedor manan elesoens ho maioria simples/relativa (49% ou menos husi ida ne’e), bele forma Governu minoritário ida. Governu ne’e legal i legitima, maibe la diak, basaa, nia sei monu iha fulan rua ou tolu nia laran. Monu tanba, partidu opozisaun sira mak kontrola Parlamentu. Sira sei vota kontra tomak programa Governu nian. Nudar izemplu, kuandu maioria deputadus sira vota kontra OGE dala rua, mak Governu ne’e monu kedas tuir Konstituisaun nia haruka. Tan ne’e, maski Governu minoritariu ida legal, jeralmente, PR la sei husik partidu vensedor ida hanesan ne’e forma Governu ida. Partidu vensedor ho maioria simples/relativa ne’e mos la sei sisi makaas atu forma Governu minoritariu ida, basaa, nia hatene ona sei monu. Obriga an forma Governu ida hanesan ne’e i kuandu monu tenki konvoka eleisoens antesipadas.


Governu ida monu depois de ukun tinan tolu ka hat sei diak liu Governu ida foin ukun fulan rua ka tolu monu. Basaa, ita foin halo eleisoes ida gasta osan barak, dala ruma, balu envolve tan iha violensia nebe’e provoka vítimas barak, foin fulan rua tolu de’it, ita seidauk haluha ou hadi’a efeitus negativos husi eleisoens ne’e nian, agora ita tenki halo fali tan eleisoens ida. Ninia kustus politikus ho ekonomikus boot tebes.


Governu minoritariu ida la monu bainhira partidu sira iha opozisaun mos la entende malu i la vota hamutuk kontra programa Governu nian iha lejislasaun ida nia laran tomak. Raro (jarang) tebes hetan opozisaun sira la entende malu. Tanba poder, dala barak, fasil liu ba partidu opozisaun sira halai hamutuk du ke fahe malu. Hanesan izemplu iha TL, la susar CNRT, koligasaun ASDT-PSD ho PD halai hamutuk hodi hasoru Fretilin.


Fila fali ba eleisoens lejislativas iha Israel, nune’e mos iha TL, tanto Kadima komu Fretilin, partidu rua ne’e manan eleisoens, maibe la hetan maioria absoluta (50% + 1) hodi forma kedas/mesak Governu ida.


Israel ninia total numeru deputadus hamutuk na’in 120 i TL nian total numeru deputadus hamutuk na’in 65. Atu hetan 50% + 1 iha Israel, nu mínimu, tenki hetan deputadus na’in 61. Enkuantu iha TL, atu hetan 50% + 1, nu minimu, tenki hetan deputadus hamutuk na’in 33.


Partidu Kadima (centro), nebe’e lidera husi Tzipi Livni, iha eleisoens fulan Fevereiru liu ba, manan ho maioria simples, tanba hetan de’it deputadus hamutuk na’in 28. Numeru ida, dok tebes husi 61, hodi garante maioria parlamentar. Iha TL, iha eleisoens lejislativas (30/06/07), Fretilin (centro eskerda) mos manan eleisoens ho maioria simples, tanba konsegue hetan de’it deputadus hamutuk na’in 21 (29%), numeru ida dok husi 33 hodi garante maioria parlamentar.


Tantu iha Israel komu iha TL, tanba la iha partidu ida manan ho maioria absoluta (50% + 1), partidu sira iha hipoteze atu forma gorvernu, hanesan 1º ho 2º vensedor, ida-idak tenki buka hakbesik an ba partidu seluk hodi buka forma maioria parlamentar ida. Kuandu hetan ona maioria parlamentar mak foin bele forma Governu.


Prezidenti Republika Israel, Shimon Peres nune’e mos prezidenti RDTL, Ramos Horta, haree ba rezultadu eleisoens nian, sira halo apelu ba partidus “mais votadus” (hetan votos barak liu iha eleisoens) sira atu forma Governu koligasaun alargada ou Governu de Uniaun Nasional ida.


Iha Israel, Shimon Peres, husu ba Kdima ho Likud, nudar 1º i 2º vensedor eleisoens, atu hamutuk ho partidu balu tan forma Governu koligasaun ida. “Hau sei hakaas an makaas hodi convence partidu rua ne’e serbisu hamutuk hodi forma Governu alargdu ho estável ida, dehan Shimon Peres (Agence France Press, 20/02/09, Jawa Pos, 21/02/09). Alargadu signifika sei presiza tan partidu balu, tanba sira rua mesak (55 deputados) la hetan maioria parlamentar. Nune’e mos iha TL, Horta, halo apelu ba partidu politikus sira nebe’e hetan votus barak: “Hau fanu partidu politiku hothotu nebe’e hetan votos barak, Fretilin, CNRT, koligasaun ASDT-PSD ho PD hodi forma koligasaun boot ida. Ninia modelo la’os partidu nebe’e manan eleisaun automatikamente sai xefe Governu, maibe PM bele mai husi forsa seluk” (EFE, 05/07/07).


Hafoin sorumutuk ho negasisaun barak entre Livni ho Netanyahu (ho ou la ho mediasaun Shimos Peres nian), la hetan akordu ruma atu forma koligasaun hamutuk. Ho nune’e, depois de prezidenti Shimon Peres rona partidu politikus hothotu, nebe’e iha reprezentasaun iha Parlamentu nia opiniaun, nia konvida Netanyahu, nebe’e hetan apoiu barak liu hodi forma Governu.


Nusa mak la konvida Kadima nebe’e manan eleisoens? Haree ba rezultadu eleisoens, Kadima la hetan kadeira naton atu assegura maioria iha Parlamentu. Kadima ninia deputadus hamutuk na’in 28. Partidu sira eskerda hamutuk ho arabi-israel nian, nebe’e besik liu ba Kadima, sira hotu nia kadeira tau hamutuk hetan de’it 55, dok liu husi 61, numeru nebe’e hanesan kondisaun minima hodi garante maioria parlamentar ida. Enkuantu Likud (direita) ho apoiu partidu sira ekstrema direita (religiosos ho ortodoksos) nian, sira hotu nia kadeira tau hamutuk hetan 65, kadeira ida barak liu ona 61. Maski nune’e, Netanyahu buka ko’alia nafatin ho Kadima no Trabalhista atu halo parte ninia Governu, maibe Tzipi Livni ho Ehud Barak (prezidenti partidu Trabalhista) prefere sai opozisaun du ke halo parte Governu direita ida, nebe’e Benjamin Netanyahu mak nudar PM. Netanyahu hakarak partidu rua ne’e halo parte ninia Governu, ho razaun hanesan nia rasik afirma: “Mai ita hamutuk hodi assegura futuro Israel nian. Hau hato’o ba elementus faksaun hothotu nian…hodi tau ses politika ba sorin no tau uluk interesse nasaun nian nudar prioridade” (Koran Tempo, 23/02/09). Maski Netanyahu tenta makaas atu forma Governu alargada ida, iha nebe’e, inklui Kadima ho Trabalhista hotu iha laran, maibe la konsegue tanba razoens balu nebe’e ikus mai ita sei haree.


Iha primeiru dia kuandu fo sai foufoun rezultadu eleisoens, prezidenti Kadima nian, Livni dehan nune’e: “Povu hili ona Kadima, … presizu respeita eleitores sira nian escolha, respeita desizaun urna nian, ita hamutuk forma Governu Unidade Nacional ida iha Kadima nia okos” (Correio da Manha, 11/02/2007).


Livni hanoin fasil pressiona Netanyahu ho partidu sira direita hodi simu Governu Koligasaun ida nebe’e lidera husi nian. Maibe tanba la hetan apoiu naton, halo Livni ninia “bargaining power” sai fraku. Susar obriga partidu sira direita atu simu Livni sai PM. Ikus mai Livni hakiduk oituan husi ninia “exigência” (tuntutan). Nia simu halo koligasaun ho Likud ho kondisaun, partidu Yisrael Beiteinu (ekstrema direita), terseiru vensedor eleisoens, labele tama Governu i halo rotasaun ba postu PM nian. Livni sai PM tinan rua depois tinan rua seluk Netanyahu mak PM fali. Maibe Netanyahu ho ninia aliadu, Lieberman la simu Livni nia kondisaun, ho razaun “rotasaun sei hamosu de’it Governu namalaik ida“ (Jawa Pos, 20/02/09).


Ikus liu, Livni la sisi makaas ona fatin ho halo parte koligasaun, tanba partidu sira direita mesak de’it hetan ona maioria parlamentar. Livni hili sai opozisaun. “Hau hakarak governa Israel ho dalan nebe’e hau fiar, hodi dudu prosesu paz ba oin tuir prinsipio estadu rua ba nasaun rua. Koligasaun alargada ida la iha ninia benefisiu se la rekuinese prinsipiu ne’e”, dehan Livni (Sydney Morning Herald, 21 ho 23/02/09; Koran Tempo, 23/02/09).


Hanesan mos Livni, Ehud Barak lakohi halo parte Governu koligasaun Netanyahu nian tanba, Trabalhista mos defende negosiasaun ho Palestina. Kadima ho Trabalhista hakarak dudu prosesu paz ba oin hodi harii Estado rua (Israel ho Palestina) nebe’e bele moris hamutuk iha paz nia laran. Enkuantu partidu sira direita, nebe’e Likud halo parte, kontra harii Estado Palestina ida (Koran Tempo, 23/02/09).


Iha TL, Mari Alkatiri, sekretariu-jeral Fretilin nian, iha ninia primeira reaksaun ba rezultadu eleisoens, nia dehan: "Maioria husi povu sei konfia iha Fretilin hodi ukun tan tinan 5 mai … Ami la sei buka halo negosisaun ruma ho CNRT. Ami nia oda matan taka ona ba CNRT… Ami hahu ona ko’alia ho partidu sira oposizaun, hanesan ASDT-PSD ho PD hodi forma Governu koligasaun ida, wainhira CNE fo sai rezultadu final …” (EFE, 05/07/07).


Alkatiri, kala, la hanoin hetan ninia hahalok iha tinan hat nia ukun, iha nebe’e insulta partidu sira opozisaun ho nia lider sira ho lia-fuan insultuzu oioin. Nia hanoin fasil dada ASDT-PSD ho PD ba Fretilin nia sorin hodi forma Governu ida no dudu CNRT ba opozisaun. Maibe Alkatiri hanoin sala. Koligasaun ASDT-PSD la husik Alkatiri dada iis, Mario Carrascalão nudar xefe koligasaun ASDT-PSD hatan kedas ba Alkatiri: "imposivel ko’alia kona ba koligasaun ida ho Fretilin tanba ami nia prinsipiu ideolojiku politiku la hanesan liu kedas. ASDT-PSD sosialista demokrata, enkuanto Fretilin sosialista-marxista” (EFE,05/07/07).


PD la taka oda matan. La’Sama, prezidenti PD nian, hatudu pozisaun fleksivel no implisitamente simu Fretilin halo parte Governu koligasaun ida.“ Ba interesse unidade nasional ho estabilidade Timor nian” dalan diak liu mak forma “Gabinete Unidade Nasional ida nebe’e sei hakotu lalais terus ho mukit populasaun sira sei moris iha kampu refuziadus iha Dili ho fatin seluk iha Timor laran. Ne’e la’os atu fa’an ami nia votus, maibe hodi rezolve krizi nasional”, dehan La’Sama (EFE, 05/07/07). Maski defende Governu uniaun nasional ida iha nebe’e Fretilin, CNRT, ASDT-PSD ho PD tama hotu iha laran, maibe ho kondisaun ida Xanana Gusmão mak sai PM (EFE, 06/07/07). Pozisaun ida hanesan partidu Yisrael Beiteinu (extrema Direita), Avigdor Lieberman nian, terseiru vensedor iha Isreal, nebe’e hakarak Kadima halo parte Governu koligasaun maibe Benjamin Netanyahu mak PM.(...)


Iha TL, personalidades barak hanoin hanesan mos PD, konsidera prudente liu hatama Fretilin mos ba koligasaun ho razaun hodi hasai lalais Timor husi krizi nebe’e la’o ona tinan ida resin. Maibe susar atu hamutuk tanba Timor oan sira la fiar malu. "Ami la fiar malu i diverjensias entre Timor oan sira klean tebes, dehan La’Sama (UOL Media Global, 06/07/07). Diverjensia nebe’e La’Sama temi refere ba diverjensia entre politiku sira jerasaun tuan nian hanesan Mari Alkatiri, Xanana Gusmão, Xavier do Amaral ho Mario Carrascalão. Jerasaun tuan sira ne’e susar entende malu tanba sira nia diverjensia balu hahu kedas husi 1975 mak mai.

Karik Alkatiri mak hatene haraik-an i iha relasaun diak ho partidu opozisaun hothotu, la susar hetan apoiu husi PD, Undertim ho ASDT, tanba partidu sira ne’e sei bele dehan familia ida ho Fretilin. Fretilin uluk sei hanesan movimentu nebe’e funu ba ukun-an, maioria fundadores ho membrus husi partidu sira ne’e mos halo parte hotu Fretilin. Mezmu depois de harii partidu ketak, valores ho prinsipius ideolojikus nebe’e sira defende, barak sei reflekte eskerda ka sentru eskerda nian. Enkuanto PSD, bele dehan, partidu sentru direita. Lideransa PSD nian, maioritariamente mai husi UDT, partidu direita ida. Mário Carrascalão fundador PSD, uluk mos fundador UDT nian iha 1974 i halo parte hotu lideransa partidu ne’e nian. Nune’e, susar oituan ba PSD ho Fretilin forma koligasaun ida hamutuk. Maibe iha politika, buat hothotu bele, dala ruma buat sira labele nian mos sai bele.

Kona ba CNRT, karik Alkatiri la arrogante i la buka marjinaliza Xanana ho partidu opozisaun sira husi prosesu politika ho rekonstruzaun Timor nian, provavelmente, partidu CNRT mos la mosu. Bele dehan, CNRT rasik sei familia ida ho Fretilin i la susar forma koligasaun ida entre partidu rua ne’e, tanba Xanana, prezidenti CNRT, mai husi Fretilin. Maibe diverjensia nebe’e klean liu ona entre lideransa Fretilin ho Xanana tanba arrogansia Alkatiri nian nune’e mos kestoens de prinsipius ideolojikus balu fahe sira makaas. Hanesan mos Likud ho Kadima, lakohi hamutuk tanba iha diverjensia de prinsipius makaas entre partidu rua ne’e. Ariel Sharon (ex-PM Likud) sai husi Likud i harii fali Kadima iha fulan Novembro 2005 depois de iha diverjensia makaas entre nia ho lider sira ekstremista iha partidu laran kona ba dada forsa Israel husi Palestina ho halo negosisaun da paz ho PLO (Palestine Liberation Organization). Enkuanto Xanana sai husi CCF (Comite Central da Fretilin) ou Fretilin iha fins anos 80 nudar estratejia Resistensia nian ida i xefia fali CNRM (Conselho Nacional da Resistência Maubere), orgaun ida hamrik iha partidu hothotu nia leten (supra-partidaria) hodi hametin unidade nasional hodi funu hasoru okupasaun militar indoneziu iha TL. Depois de TL manan iha referendum ba ukun an iha Agustu 1999, Xanana la fila ba Fretilin. Husi tinan 2000 mai oin, hahu mosu diverjensia entre Fretilin radikal sira, liliu grupo Mari Alkatiri nian ho Xanana Gusmão depois de Fretilin dada an husi CNRT (Conselho Nacional da Resistência Timorense), orgaun nebe’e troka fali CNRM iha tinan 1998. Diverjensia sai makaas liu tan kuandu Fretilin halo politika iha TL hanesan partidu uniku: “Partidu iha poder [Fretilin] fo konseitu revolusionariu ida: Governu mak Partidu, Estado mak Partidu! Partidu nebe’e kaer poder tenki ser forti, basaa, ho nune’e de’it mak bele halo Governu forti, i ho nune’e de’it mak halo Estadu forti! I Partidu nebe’e bele kaer ukun mak Fretilin de’it, tanba istorika”, dehan Xanana (Xanana Gusmão, TEORIA DAS CONSPIRAÇÕES, 2006). Kritika Xanana nian ne’e refere ba komportamentu politika Fretilin nian nebe’e domina buat hothotu i la valoriza forsas politikas ho sosiais seluk durante ninia governasaun. Krizi politika ho militar iha 2006 halo diverjensia entre Fretilin ho Xanana sa’e to’o tutun i nudar nia konsekuensia, Mari Alkatiri semo sai husi posto PM i halo rezistensia makaas liu tan hasoru Xanana. Mari Alkatiri monu depois de manifestasaun popular makaas hasoru nian kona ba Fretilin fahe kilat ba ema sivil, liu husi Rogério Lobato, vice-prezidente Fretilin nian hodi halakon líder sira opozisaun ho grupos petisionariu sira. Iha krizi 2006, Mari Alkatiri nudar PM, falta respeitu ba Xanana nudar PR ho komandante supremu forsas armadas nian, hodi haruka F-FDTL persegue grupus petisionarius sira sem kuinesimentu Xanana nian (Barbedo Magalhaões, Timor-leste, as crises e os protagonistas, 2006). Krizi 2006 hanesan katalizador ida aselera Xanana hodi harii partido CNRT iha tinan 2007 ho objektivu derrota Fretilin iha eleisoens hodi bele rezolve krizi oioin nebe’e Fretilin hamosu i lori hikas Timor oan sira ba iha moris hakmatek.

Kuandu Sharon harii Kadima, militantes ho simpatisantes barak husi Likud, inklui aktual PM Israel, Ehud Olmert ho aktual prezidenti Kadima, Tzipi Livni, tuir hotu militar veteranu ne’e ba Kadima. Iha TL mos nune’e, militantes ho simpatizantes Fretilin barak (inklui Fretilin Mudansa nebe’e moderadu) tuir hotu Xanana ba CRNT tanba sira lakon fiar ba lideransa Fretilin nebe’e radikal.

Liu loron hat, depois de haree CNRT mos halo movimentasaun makaas hodi forma aliansa ida, Mari Alkatiri dehan: “ Fretilin sei forma Governu ida. Lokraik ne’e ami sei halo konferensia ida hodi eksplika hakat sira nebe’e atu tuir hodi forma Governu ida tuir Konstituisaun i bazeia ba iha rezultadus eleisoens parlamentares nian” (EFE, 09/07/07). Ba Alkatiri so Fretilin de’it mak bele forma Governo ida tuir Konstituisaun, enkuantu sira seluk mak forma la tuir Konstituisaun. Maibe artigu 106º, Konstituisaun RDTL la hakerek hanesan Alkatiri ninia hanoin nebe’e ko’alia momos “aliansa ho maioria parlamentar” mos bele forma Governu.

Iha TL, prezidenti Ramos Horta halo esforsu makaas hodi forma Governu uniaun nasional ida. Nia husu ba partidu hothotu: "Atu diak ba estabilidade, paz, armonia ho rekonsiliasaun nasional, hau husu ba hothotu hodi forma Governu Uniaun Nasional ida, tanba realidade hatudu katak partidu ida de’it labele ukun diak rai ne’e” (EFE, 21/07/07).

Husi hahu kedas Fretilin taka oda matan ba CNRT, la hanesan ho Likud nebe’e la taka oda matan ba Kadima, halo CNRT mos la loke janela hodi fihir Fretilin. Karik Alkatiri kuidadu ho nia lia-fuan “Fretilin nia oda matan taka ona ba CNRT”, dala ruma CNRT sei hanoin hatama hotu Fretilin iha aliansa laran. Maibe arrogansia politika Fretilin nian nebe’e mai husi Alkatiri nia ibun halo CNRT mos taka oda matan.

Depois de CNRT konvense koligasaun ASDT-PSD ho PD hodi forma “Aliança para Maioria Parlamentar” (AMP) ida, halo Fretilin lakon terreno hodi lidera koligasaun maioria ida. Ho formasaun AMP, orgaun kolektiva ne’e hasai komunikadu ida: “Hafoin haree ba rezultadu eleisoens ho estuda posibilidade forma Governu foun ida ba tinan lima mai, ami disidi ona hamutuk ho hamosu koligasaun ida hodi forma Governu foun ida” (EFE, 06/07/07). Xanana nebe’e nudar kandidatu AMP nian ba PM reforsa tan sira nia pozisaun hodi dehan: “Fretilin manan ona eleisoens, ita hotu rekuinese ida ne’e. Ita la dehan kontrariu, maibe ita hein hodi konsidera katak Fretilin iha de’it maioria simples, nune’e bele entende, atu diak ba estabilidade rai frágil ida ne’e, ami nia proposta” (EFE, 06/07/07).

Koligasaun entre partidu hat ne’e, hetan ona maioria iha Parlamentu ho numeru deputadus hamutuk 37, barak liu 33, numeru nebe’e hanesan kondisaun minima hodi hetan maioria parlamentar i bele forma Governo maioritariu forte ho estável ida.

Ho hakat politik nebe’e AMP halo, la iha dalan seluk ba Fretilin. Fretilin nebe’e sinti odan matan hothotu klot ona ba nian atu forma Governu koligasaun ida, nia la’os de’it loke nia oda matan, maibe loke nia didin hotu ba CNRT. Alkatiri troka nia estratejia, dudu ASDT-PSD ho PD ba opozisaun i hakarak hako’ak fali CNRT. "CNRT hanesan mos partidu seluk ida, se ohin ami loke an ba partidus hothotu, ami labele taka oda matan ba ida. Sa tan ba ida hetan segundo lugar… Aliansa ida entre Fretilin ho CNRT mesak hetan ona maioria absoluta. Se ida ne’e kontribui ba estabiliza Timor, hau hanoin dalan ida ke bele tuir”, dehan Alkatiri (Lusa, 06/07/07). Los duni, Fretilin ho CNRT mesak hamutuk, sira rua iha ona deputadus hamutuk 39, numeru ida barak liu 33 hodi hetan maioria parlamentar i numeru ida nebe’e boot liu 37 AMP nian. Tanba Fretilin loke ona oda matan ba negosisaun, CNRT mos loke nia janela ba Fretilin. Xanana hakerek ba prezidenti Fretilin, Lu-Olo: “Nudar aliansa, ami prontu konsidera inisiativas entendimentu nian [ho Fretilin], maibe tenki promove husi prezidenti da Republika, hodi garante unidade ho estabilidade Nasional” (Luza, 10/07/07). Iha pratika la hetan entendimentu ruma. Susar tebes hatama leaun ho lafaek hamutuk iha ka’ut ida. Tanba sira rua la’os han malu de’it, maibe, hothotu hadau malu sai jigante, hothotu hakarak sai PM. Kestoens nebe’e sira fila ba mai diskuti la’os prinsipius, maibe poder. La hanoin oin-sa rai ne’e atu diak. Ironiku liu tan mak sei dehan ukun fulan rua tolu monu mos la buat ida, hanesan prezidenti Fretilin, Lu-Olo dehan : "Fretilin mak ukun rai ne’e i agora prontu atu kontinua serbisu ida ne’e tuir rezultadu eleisoens nian, maski Governu ne’e sei monu iha fulan rua ou tolu nia laran”(EFE, 19/07/07). Maibe kala arrepende ou oinsa, tenta hadi’a fali nia lia-fuan hodi dehan ba interese nasional, sira “prontu atu partisipa iha Governu unidade ida, maibe tanba Fretilin mak manan eleisoens, postu primeiro-ministro nian tenki okupa husi ema ida mai husi Fretilin. Ne’e hanesan buat ida labele bok"(EFE, 19/07/07).

AMP la hakruk ba kondisoens Fretilin nian hodi defende nafatin Xanana mak sai PM. Tanba parte rua ne’e la iha ida atu hakruk ba seluk, mak prezidenti Horta husu ba Fretilin ho AMP, la’os atu halo rotasaun ba fatin PM iha Governu koligasaun ida nia laran hanesan Kadima husu ba Likud, maibe Horta husu forma Governu rotativu ida, Fretilin ukun tinan rua ho balu, depois tinan rua ho balu seluk AMP kaer fali Governu (Lusa, 24/07/07). AMP la simu Horta nian proposta.

Tanba sinti izoladu liu ona i “bargaining power” la iha ona, tentativa ikus liu nebe’e Fretilin halo mak mosu ho proposta ida hanesan Alkatiri defende atu“forma Governu independente [PM mai husi ema indepenente] ida ho vice-PM rua, ida husi Fretilin mak hili i seluk husi partidu sira opozisaun” (Lusa, 02/08/07). AMP la simu ideia ida ne’e, parese hanoin susar ba ema independente ida atu xefia Governu ida forma husi koligasoens partidu politiku sira. Governu ida xefia husi ema independente sei rezulta de’it Governu fraku ida tanba la iha apoiu sufisiente husi forsa politika sira. Hanesan izemplu, Ramos Horta, nudar ema independente, nebe’e sai PM ba Governu Fretilin nebe’e la hetan suporta barak husi lideransa Fretilin ho CCF. Nia la livre hola desizaun, basaa, partidu mak tenki desidi ba nian.

Negosiasoens entre partidu sira, ho ou la ho mediasaun prezidenti Republika nian, la’o besik semana rua la iha rezultadu ruma. AMP kaer metin nia pozisaun e Fretilin mos la hakiduk. Fretilin hakarak hakat ba oin hodi forma Governu minoritario ida.

Horta, nudar prezidente, nebe’e Konstituisaun fo poder ba nian hodi garante estabilidade ho unidade TL nian, aumenta nia pressaun ba Fretilin hodi simu Governu koligasaun ida xefia husi AMP. "Ba interesse povu nian no estabilidade ho uniaun nacional, hau uza prerrogativa konstitusional hodi halibur partidu politikus hodi ita koalia i forma Governu diak ida, hodi serbisu ba povu rai ne’e”.. “Hau husu uniaun nasional ida, Governu de Grande Inkluzaun” … “Hau nia obrigasaun mak garante paz ho estabilidade rai ne’e nian i hau labele simu opsaun ida nebe’e hau kunsidera rahun, ho Fretilin forma Governu ida nebe’e dura fulan rua ou tolu i monu bainhira opozisaun maioria iha Parlamentu taka dalan ba ninia politika” (EFE, 12/07/07). Iha ne’e hatudu momos ona prezidenti Horta ninia intensaun la sei simu Governu minoritariu Fretilin nian ida, maibe nia hakarak Governu maioritariu ida hodi garante estabilidade institusional. Ne’e signifika Fretilin nia laran metin atu forma mesak Governu ida ka lidera koligasaun maioria ida mos lakon ona.

Fretilin la simu Horta nian ideias kona ba governu uniaun nasional mosu antes de eleisoens lejislativas kedas, hanesan ex-PM, Estanislau da Silva afirma: "Hau totalmente kontra ideia [Horta nian] ne’e, tanba nia [Governu Uniaun Nasional] kontra prinsipius demokrasia nian”…”oho prosesu pluralidade politika iha rai jovem ida hanesan TL… Se los mak atu sai opozisaun iha Parlamentu? Nia lojika iha nebe’e? Hau hanoin la iha liu kedas” (EFE, 22/06/07). Estanislau iha razaun, maibe kuandu haruka Fretilin ba opozisaun atu demokrasia labele mate, Fretilin prefere tama iha koligasaun i la interesse ona ho demokrasia nia moris. Sorti AMP salva tiha demokrasia i bazeia ba artigu 106 Konstituisaun RDTL ho sistema “reprezentasaun proporsional”, AMP dudu tiha Fretilin ba opozisaun, independentemente se Fretilin hala’o nia papel nudar opozisaun diak ou lae, ne’e kestaun seluk ida. Maibe tenki rekuinese katak, Fretilin halo ona opozisaun forte ida, forte husi parte pozitivu ho negativu hotu. Pozitivu hanesan buka kombate makaas KKN i negativu hanesan la rekuinese ho la koopera ho Governu AMP i kontinua bosok militantes partidus nian dehan desizaun prezidenti Ramos nian ilegal.

AMP nebe’e sinti iha anin leten tanba prense ona kriteriu hodi forma maioria parlamentar, la interesse ona ho Fretilin i halo presaun nafatin ba PR. Ami iha maioria iha Parlamentu. Ne’e signifika ami konta ho kondisoens hodi garante estabilidade ba Governu ho nasaun” … “Se prezidenti bolu ami, ami sei rona. Maibe la kompete ba nia [prezidenti] hodi konvense partidu politikus hothotu no obriga sira hodi forma Governu ida”, dehan Zacarias da Costa, lider AMP ida husi partidu PSD (EFE, 12/07/07). Ikus mai, Cecilio Caminha, membro CNRT nian ida, reforsa tan Zacarias: “Ohin, ami hotu, membrus AMP, hili ona Xanana Gusmão ba primeiro-ministro no Fernando La’Sama de Araújo ba prezidenti Parlamentu, hein hodi prezidenti Ramos Horta, hatudu ami, iha semana mai hodi forma Governu ida la ho partisipasaun Fretilin nian” (EFE, 28/07/07). Tanba Fretilin la hakruk ba AMP, mak AMP mos la halo hanesan Likud, nebe’e halai tuir nafatin Kadima, maibe sira husik tiha Fretilin ba kotuk, ba iha opozisaun.

Sinal ba AMP forma Governu sai naroman liu tan iha loron 30 fulan Juillu, iha nebe’e, bloku AMP ho partidu opozisaun balu, hili La’Sama ba prezidenti Parlamentu Nasional ho votos hamutuk 41. Tanba “deseperado” ou tanba la hatene interpreta artigus Konstituisaun nian, Alkatiri dehan: “Aliansa ida so bele forma antes de eleisoens, se halo depois de eleisoens ne’e hanesan manipulasaun demokrasia ida" (EFE, 06/07/07). Depois de fulan ida, iha loron 2 fulan Agustu, Alkatiri haree iha sinal prezidenti Ramos Horta bolu AMP forma Governu maioritariu ida, bazeia ba rezultadu eleisaun prezidenti Parlamentu nian, Alkatiri reforsa tan ninia interpretasaun nebe’e sala ba Konstituisaun RDTL hodi dehan: “voto nebe’e Konstituisaun ko’alia mak voto popular iha eleisoens direktas, la’os voto deputadus sira nian” … AMP la iha ninia existência legal. Koligasoens rua nebe’e aprezenta ona durante eleisaun mak Aliansa Demokratiku KOTA/PPT ho ASDT/PSD”… So koligasoens sira ne’e mak Tribunal de Rekursus ho Komisaun Nasional de Eleisoens rekuinese” … Kaer metin ambiguidade [expressão] “aliansa ho maioria parlamentar [iha artigu 106º Konstituisaun] hodi manipula voto popular no evita partidu nebe’e hetan votus barak liu atu bolu ba forma Governu” … “Iha pratika konvida ona partidu ida hetan segundu lugar hodi forma Governu. Ne’e inkonstitusional” (Lusa, 02/08/07). Alkatiri kunfundi nafatin eleisoens lejislativas ho prezidensiais. Iha eleisoens prezidensiais, nebe’e uza sistema “maioritário” mak “vencedor” haree los de’it ba votu popular iha eleisoens direktas. Maibe iha eleisoens lejislativas, nebe’e uza sistema “reprezentasaun proporsional”, la’os haree de’it ba votu popular iha eleisoens direktas maibe mos, i liliu, haree ba partidu ka aliansa nebe’e hetan maioria iha Parlamentu.

Iha loron 8 fulan Agustu tinan 2007, depois de prezidenti Ramos Horta fo sai ba publiku bolu AMP forma Governu i hatudu Xanana sai PM, Mari Alkatiri dehan aliansa nebee forma husi Xanana “tenki deklara invalida, tanba nia forma depois de eleisoens, la’os antes” (AFP, 06/08/07). Depois Alkatiri mos kritika prezidenti Horta nia desizaun hodi dehan: “Desizaun prezidenti nian la bazeia iha Konstituisaun. Prezidenti la respeita buat nebe’e povu hein hela depois de eleisoens” (Reuters, 06/08/07). Aliansa Demokratika (AD) KOTA/PPT nebe’e hanesan aliadu fiel Fretilin nian, liu husi Manuel Tilman, nudar xefe AD nian, mos kritika desizaun Horta nian, maibe, implisitamente, nia rekuinese desizaun ne’e mak bele fo estabilidade governativa. Hatudu AMP forma Governu “bele iha desobendiencia sivil i ida ne’e sei bele hamsou instabilidade sosial. Desizaun [Horta] nian ne’e bele fo estabilidade institusional [govenativa], maibe sei kria instabilidade sosial i ida ne’e hanesan buat ida la diak ba rai ne’e”, dehan Manuel Tilman (Lusa, 06/08/07).

Desobediensia sivil nebe’e deputadu Manuel Tilman preokupa, to’o ohin loron la akontese, buat ne’e prova mak Alkatiri dehan “la sei iha paz” iha Timor kuandu la hatudu Fretilin mak forma Governu. La iha paz ne’e reflekte ba violensia ho sunu uma nebe’e mosu iha fatin barak ita Timor laran depois de prezidenti Horta hatudu Xanana forma Governu. Alkatiri rasik rekuinese Fretilin sai frustrado tanba ne’e mak provoka violensia. "Militantes ho ema sira tuir Fretilin agora frustrado tanba manan eleisoens maibe la forma Governu, maibe hatudu fali partidu sira lakon hodi forma Governu. Neduni, sira kontra de’it buat nebe’e sira kunsidera la iha justisa” (EFE, 07/08/07). Alkatiri nega la’os lideransa Fretilin mak dudu militantes sira halo violensia, maibe husi ninia ko’alia, “… sira kontra de’it buat nebe’e sira kunsidera la iha justisa”, nota katak, lideransa Fretilin la halo esforsu makaas hodi evita violensia. Kontra injustisa la’os kontra liu husi dalan violensia nian, tanba violensia hanesan faktur ida husi faktor barak hodi halakon paz.

Se ita haree ba eleisoens iha Israel nian, Netanyahu ho Likud mos forma koligasaun ida depois de eleisoens. Antes eleisoens la iha koligasoens ruma entre partidu politikus sira iha Israel. Nem uniku partidu nebe’e la halo parte Governu Netanyahu nian dehan koligasaun Likud ho partidus direita sira seluk nian ilegal ho inkonstitusional. Sira mos la sinti frustradu ba buat ruma, tanba sira hatene koligasaun antes ho depois de eleisoens, mesak legal hotu. Prezidenti Shimon Peres nebee halo parte Kadima mos hatene ida ne’e i la iha opsaun seluk ba nian hodi bolu Netanyahu forma Governu, tanba ex-PM Likud ne’e, hetan ona maioria iha Parlamentu. Fretilin sai frustradu tanba ninia ignorasia rasik. (...)


Fretilin mak uluk hakerek Konstituisaun RDTL nian ho kontribuisaun boot husi Mari Alkatiri. Ita la hatene, sira uluk hakerek ho kakutak nabilang ou kopia los de’’it husi Portugal nian. Tanba buat ida kopia de’it ema seluk nian, dala ruma, bele halo ita mos la percebe diak i mos bele interpreta sala. So ema na’in mak hatene interpreta buat nebe’e sira hakerek.

Ema hotu hatene, Konstituisaun RDTL nian la iha diferensa boot ho Portugal nian. Ema konstitusionalista portugues ida, Prof. Pedro Bacelar de Vasconcelos, nebee tulun hakerek Konstituisaun RDTL nian hatan ba Fretilin ho Alkatiri nune’e: “La tama ulun tau iha kauza legitimidade konstitusional ho politika husi Governu ida forma husi aliansa maioritária opozisaun nian” (Diário Digital/Lusa, 08/07/2007). Konstitusionalista ne’e dehan TL kaer “sistema proporsional”, la’os “sistema maioritário”. Karik “sistema maioritário”, Fretilin iha razaun, katak sira mak manan, maibe “sistema proporsional” la funsiona hanesan Alkatiri interpreta ne’e. Ema matenek na’in seluk husi Australia, Damien Kingsbury, professor associado Universidade Deakin, Melbourne reforsa tan Prof. Bacelar hodi dehan: “Alkatiri kala mehi hela i hanoin partidu ida ho minoria iha Parlamentu iha lejitimidade politika boot liu kompara ho koligasaun maioritaria ida” iha Parlamentu, hakerek Kingsbury iha debate husi rede ETAN nian. Damien mos rekuinese, artigu 106 nebe’e dehan: "O primeiro-ministro é indigitado [indicado] pelo partidu mais votadu ou pela aliança de partidos com maioria parlamentar e nomeado pelo presidente da República, ouvidos os partidos políticos representados no Parlamentu nacional", husik fatin ba “Governu minoritariu ida hanesan iha kualker demokrasia parlamentar”, maibe mos “iha artigu nee ko’alia momos kona ba alternativa koligasaun ida”.

Karik Alkatiri ninia lojika ne’e los, entaun la presiza halo votasaun ruma iha Parlamentu, tanba Fretilin ninia vitoria garantidu tiha ona ho numeru 21. Numeru 21 hanesan numeru majiku ida ba Alkatiri, la’os boot liu de’it numeru sira 20 mai okos maibe mos boot liu numeru 22 ba leten. Ho lia-fuan seluk, numeru 21 ne’e bele halo lakon numeru sira 20 mai kraik, maibe mos halo lakon numeru sira 22 ba leten.

La presiza eskola hodi hatene numeru 21 ki’ik liu numeru 22, sa tan numeru 37 ka 44. So ema ida fraku tebtebes iha aritimetika ou la hatene sura liu kedas mak bele hanoin numeru 21 boot liu 37 ou 44. Alkatiri haluha buat ida, votasaun ba OGE ho selu-seluk tan iha Parlamentu, nebe’e atu hametin ka hamonu Governu ida, la’os submete ba votu direitu popular nian, maibe votu deputadus sira nian. Iha ne’e mak Alkatiri ninia lojika faila total.

Prezidenti Ramos Horta hatene sura. La haree numeru 21 hanesan majiku ida nebe’e boot liu numeru 37 i, bazeia ba eleisaun prezidenti Parlamentu Nasional nian iha loron 30 fulan Juillu, iha nebe’e, La’Sama manan ho votus hamutuk 41, Horta la laran rurua i, fo sai ofisialmente ba publiku, fo fiar ba AMP forma IV Governu Konstitusional. "Hau disidi ona bolu aliansa forma Governu tanba momentu ne’e nia reprezenta opiniaun politika maioria nian. La’os tempu nem okaziaun ba ita atu halo tan eleisoens [antecipadas] dala ida. Maiorias ho minorias iha Parlamentu, la’os iha dalan tanba povu fo ona poderes ba deputadu sira hodi reprezenta sira”, dehan Horta (Lusa, 06/08/07).

Iha Israel, prezidenti Shimon Pires la hein to’o semana rua hodi fo fiar ba Netanyahu forma Governu, enkuantu iha TL, prezidenti hein to’o fulan ida resin foin fo fiar ba Xanana forma Governu. Basaa, iha Israel ema hatene oin-sa sistema “reprezentasaun proporsional” ida funsiona, enkuantu iha TL, partidu nebe’e mak hakerek ho aprova Konstituisaun RDTL mak buka interpreta arbiru tuir nia gostu hodi difikulta formasaun Governu ida.

Prezidenti Ramos Horta la bolu Fretilin forma Governu hanesan mos Shimon Peres la bolu Kadima tanba, Fretilin ninia deputadus hamutuk na’in 21 de’it. Tau tan deputadu na’in rua husi AD KOTA/PPT foin hetan 23. Partidu seluk hanesan UNDERTIM (deputadu 2), PUN (deputadu 3), PD (8), ASDT-PSD (11) ho CNRT (18 deputadus) lakohi forma koligasaun ida hamutuk ho Fretilin. Partidu 4 ikus ne’e hamutuk forma aliansa ida ho deputadus hamutuk 37, numeru nebe’e boot liu 33 hodi assegura maioria iha Parlamentu. Numeru ida prense kondisoens hodi forma Governu forte ho estavel ida.

Baziea ba artigu 106º RDTL no leno ba opsoens “reprezentasaun proporsional” nebe’e temi iha leten, bele dehan, Horta ninia desizaun fo fiar ba CNRT hodi forma Governu koligasaun la kontra lei. PR hili ona opsaun nebe’e diak liu hodi assegura Governu ida forte ho estavel. Desizaun nebe’e Horta hola hanesan mos desizaun nebe’e Shimon Peres hola iha Israel, hodi fo fiar ba Netanyahu, segundo vensedor eleisoens, hodi forma Governu, nebe’e hetan basa liman husi PM Ehud Olmert, aktual PM husi partidu Kadima. Olmert “elojia desizaun nebe’e prezidenti Shimon Peres hola ona hodi hatudu líder bloku konservador Likud, Benjamin Netanyahu, hodi forma Governu foun. Olmert dehan tan, Israel presiza duni Governu forti ho estável ida, hodi bele hasoru dezafius nebe’e rai ne’e hasoru” (Publico, 22/02/09).

Iha TL oin seluk, lideransa Fretilin, lakohi haree ba mekanizmu forma Governu iha rai nebe’e kaer sistema “reprezentasaun proporsional”, maibe haree liu ba poder i kuandu lakon poder halo reaksaun politika ho violensia hasoru desizaun prezidenti Horta nian. La’os de’it rame-rame kritika no akuza prezidenti Horta nian desizaun ilegal ho inkonstitusional, maibe balu, direita ou indireitamente, fanu mos militantes sira hodi halo violensia.

Enkuantu iha Israel, partidu Kadima nebe’e nudar partidu “mais votadu” i sai opozisaun simu ho laran tomak desizaun prezidenti Shimon Peres nian nebe’e hatudu partidu Likud, segundu vensedor hodi forma Governu koligasaun ida. Sira la hasai, nem unika lia-fuan hodi dehan desizaun Peres nian ilegal ho inkonstitusional. La halo ameasa ruma atu lori prezidenti Shimos Peres ba Tribunal, la halo ameasa ruma atu la koopera ho Governu koligasaun Likud nian, la ameasa abandona Parlamentu, la ameasa halo “marcha da paz” hodi hamonu Governu maibe sira prefere sai opozisaun ida forte, responsavel ho konstrutiva. Kadima simu ho laran tomak desizaun Shimon Peres nian tanba sira hatene desizaun ne’e iha baze legal ho konstitusional tuir sistema reprezentasaun proporsional nian. Preszidente Kadima, Tzipi Livni garante ba Netanyahu sira sei halo opozisaun ida ho responsabilidade tomak: "We will be a responsible opposition", dehan Livni (Sydney Morning Herald, 27/02/09). Lia-fuan hanesan ne’e, ita nunka rona husi lideransa Fretilin ruma nia ibun. Buat nebe’e ita rona mak ameasas oioin atu evita AMP labele forma Governu hanesan Mari Alkatiri dehan: Se ita la hatene halo leitura [Fretilin manan eleisoens] i tenta ho kustu hothotu dudu ses partidu mais votadu, entaun la sei kria paz iha rai ida ne’e” (Lusa, 06/07/07). Liu husi AFP, 06.08.09, Alkatiri kritika no ameasa nafatin AMP: Governu [AMP] ne’e “kompletamente ilegal no kontra ita nia Konstituisaun”. “Nune’e Governu ne’e la sei konta ho kooperasaun Fretilin nian tanba ne’e Governu ilegal ida (AFP, 06/08/07). Ikus liu Alkatiri ameasa ho abandona Parlamentu hodi dehan: "Governu Fretilin ida la sei hetan aprovasaun ninia programa iha Parlamentu [tanba Fretilin la hetan maioria iha Parlamentu]. Agora, Governu AMP nian la iha Parlamentu [tanba Fretilin sei abandona Parlamentu] hodi aprova programa" (Lusa, 02/08/07). Seluk ho ne’e, Fretilin la’os ameasa de’it ho la koopera ho Governu AMP nian, maibe ameasa atu lori prezidenti Republika ba iha Tribunal hanesan Lu-Olo dehan: Fretilin “la sei serbisu hamutuk ho Governu ida nebe’e simu posse la tuir Konstituisaun rai ne’e nian i sei halo funu hasoru nian liu husi dalan legais hadau poder nian” (Lusa, 06/08/07).

To’o ohin loron, kala, realiza de’it ameasa balu. AMP nia programa sempre hetan aprovasaun ho maioria absoluta. Fretilin la abandona Parlamentu i tuur nafatin iha nebaa hodi kritika ho vota kontra, hodi fo legalidade ho lejitimidade ba programa AMP nian. Tanba iha regras ho jogos demokratikas nian, vota kontra la signifika sasan ne’e ilegal, maibe signifika la aseita ou la konkorda. Tanba iha ne’e interese politika mak joga, la’os problema legalidade ho lejitimidade. Ameasa atu lori prezidenti Horta ba Tribunal mos la realiza to’o ohin loron. Tanba sira hatene momos, la’os problema legalidade ka konstituisionalidade mak sai “causa”, maibe problema politika hakarak kaer ukun ho sai PM mak hanesan “causa”. Tan ne’e, besik tinan rua ona, la brani nafatin hakat ba Tribunal hodi halo keisa, maibe uza fali hodi halo politika iha dalan, hodi lohi militantes ho simpatizantes ho objektivu hodi hatun Governu hodi sira bele kaer fali ukun. Fretilin hakarak halo justisa liu husi “marcha da paz”, la’os liu husi Tribunal, tanba sira hatene momos sira la iha razaun.

Ameasa balu, kala, realiza duni, hanesan provoka violensia ho sunu uma iha fatin balu iha distritus Dili, Baukau, Vikeke ho Lautem hodi justifika la iha paz iha Timor hanesan Alkatiri temi iha leten. Nune’e mos la koopera ho Governu AMP hanesan vota kontra tomak kualker proposta Governu nian, mezmu ke programa ne’e diak, i la mosu iha loron tomada de posse IV Governu Konstitusional nian.

Maski Fretilin to’o ohin loron afirma nafatin katak Governu AMP ilegal, maibe mundu tomak, liu husi ONU, sauda desizaun Horta nian hodi nomeia Xanana ba PM i rekuinese internasionalmente Governu AMP nian.

Ema sira independente ou aliadu Fretilin nian, nebe’e iha kuinesimentu diak kona ba Konstituisaun RDTL, mos fo hanoin la hanesan ho Fretilin. Hanesan mos Prof. Pedro Bacelar de Vasconcelos ho Prof. Damien Kingsbury koalia iha leten, prezidenti Tribunal de Recursos, Claudio Ximenes ho deputadu husi partidu KOTA, Manuel Tilman, mai reforsa tan de’it katak Fretilin la iha razaun kuandu kestiona inkonstitusionalidade aliansa ida forma depois de eleisoens. Iha reuniaun ida Claudio Ximenes ho kuadros Timor oan iha Lisboa, nebe deputadu Manuel Tilman, prezidenti partidu KOTA, aliado Fretilin nian, partisipa hotu, hatan ba pergunta ida husi partisipante reuniaun ida kona ba Governu AMP legal ka ilegal, Cláudio Ximenes lakohi hatan direitamente: “La’os nia mak hatan ou ko’alia kona ba kestaun ne’e, husik ba politikus sira mak hatan” (Timor Lorosae Nação, 15/05/08). Iha ne’e Claudio lakohi hatan direitamente, maibe iha 2007, depois de interpretasaun polemika kona ba inkosntitusionalidade aliansa ida forma depois de eleisoens, Claudio eksplika ba Jornal Expresso katak “Konstituisaun Timor nian simu juridikamente aliansas sira nebee halo depois de eleisaun. Buat nebee agora iha jogo la’os kestaun juridika, maibe kestaun politik” (Fórum Haksesuk, 15/07/2007). Maski Cláudio lakohi hatan direitamente iha reuniaun ne’e, maibe deputadu Manuel Tilman, nudar plitiku, simu dezafiu Cláudio Ximenes nian hodi hatan nune’e: "Governu ida ne’e [AMP] mak mais korrektu possível, maibe se monu provoka evolusaun diabolika ida iha panorama politika aktual … interpretasaun polemika kona ba inkonstitusionalidade hanesan serve ba konsumu internu [Fretilin nian] ho ambisaun grupus [Maputo] ho partidus balu [Fretilin] nebe’e haharak poder” (Fórum Haksesuk, 15/05/08). Iha fali fatin seluk, iha debate ida organiza husi estudantes Timor oan sira iha Coimbra, Tilman ko’alia klaru liu tan i rekuinese Governu AMP: "Maski iha opozisaun, Governu [AMP] ida ne’e hau nian Governu tanba iha ona problemas aat tebtebes depois de ukun an. Ita iha sorti hodi kaer metin buat nebe’e importante liu iha ita nian istoria “ita nian soberania” (Fórum Haksesuk, 15/05/08).

Manuel Tilman hanesan mos Cláudio Ximenes, hasai kursu direitu iha Portugal, neduni, nia hatene oin-sa sistema “reprezentasaun proporsional” ida funsiona iha Portugal nune’e mos iha fatin seluk, enkuantu Mari Alkatiri, hasai kursu direitu iha Mosambike, neduni, ita la hatene, se nia hatene ou la hatene interpreta. Ou parece hanesan deputadu Manuel Tilman dehan iha leten, halo interpretasaun ida tuir sira nia gostu hodi serve ba konsumu internu hodi bele atinji sira nian ambisaun politika, hakarak kaer ukun.

Haree ba Manuel Tilman nia afirmasaun iha leten, hatudu momos Fretilin la iha razaun. Afirmasaun Manuel Tilman nian hanesan forma de rekuinesimento ida ba “existência” Governu Xanana nian i hanesan golpe ida ba ninia aliadu Fretilin. Ikus liu, AD KOTA/PPT nebe’e sempre apoia Fretilin mos hatudu hadok an oituan husi Fretilin. Iha aprezentasaun OGE 2009, deputadu Jacob Xavier, husi PPT, nebe’e halo parte AD, vota a favor ba Orsamentu nebe’e Xanana aprezenta. Iha 2007, AD KOTA/PPT vota hamutuk ho nia aliadu Fretilin kontra bloku AMP ho sira seluk. Enkuantu Manuel Tilman nia voto la hatene, tanba nia la tuir votasaun OGE 2009. Interesante mos deputada Fretilin ida, Cipriana Pereira, la vota kontra OGE 2009, maibe hola pozisaun abstein (Fórum Haksesuk, 30/01/09). Husi buat hirak ne’e, ita bele nota katak, estratejia lideransa Fretilin nian atu manipula militantes sira hodi dehan AMP ilegal ho inkonstitusional hahu naksobu dadaun ona. Militantes sira hahu konsiente katak, lideransa partidu nian mak manipula rasik sira ba intereses pesoais lideransa balu nian.

Tuir Sun Tzu, estratega militar ida husi China, nia dehan iha kualker funu presiza bosok ka fo informasaun falsu ba ita nia inimigu hodi sira hakat sala. Kuandu ita nia inimigu halo sala hanesan vantagem ou vitoria relativa ida mai ita (Sun Tzu, A Arte de Guerra, Portugal, 4ª ed., Mem Martins, Europa-America, 2002: 14.) Iha politika, kualker sala boot ka ki’ik ida nebe’e ita nia adversariu halo, ne’e hanesan kreditu politiku ida mai ita. Iha Fretilin oin seluk, lideransa Fretilin mak konsientemente bosok ho fo fali informasaun falsu ba ninia militantes sira, hanesan dehan desizaun prezidenti Horta nian hatudu AMP forma Governu ne’e ilegal ho inkonstitusional. Kompara fali eleisoens lejislativas ho “futu manu” (sistema maioritário) nian. Haluha tiha katak, sistema “maioritário” nebe’e hanesan ho jogo “futu manu”, la’os uza iha eleisoens lejislativas, maibe iha eleisoens presidenciais. Ho bosok no fo informasaun falsu ba militantes sira hodi dudu ba oin kontra no hatun Governu AMP. Maibe estratejia ne’e dudu mos militante sira ba halo sala, halo violensia ho komete krimi, hanesan sunu uma ho hakanek ema seluk.

Se mak sei manan ho estratejia lideransa Fretilin nian? Klaru partidu sira seluk hanesan adversariu Fretilin nian mak manan, tanba Fretilin naran aat i lakon kredibilidade ba povu nia matan, mak sira la sei hili tan Fretilin, tanba Fretilin konotadu ona ho violensia i ninia lideransa manipulador ho bosokten. Ne’e hanesan mos kampanye gratis ida ba adversariu politiku Fretilin nian. Lideransa Fretilin to’o agora, seidauk konsiente nafatin ba sala boot nebe’e sira halo. Kontinua fo nafatin informasaun falsu ba militantes sira hodi dudu sira tuir “marcha da paz” nebe’e sei iha ajenda ka planu Fretilin nian. “Marcha” nebe’e ninia objektivu lolos la’os buka paz, maibe buka doko ho hamonu Governu hodi hadau hikas poder nebe’e lakon husi sira nia liman.

Karik lideransa Fretilin hanoin diak duni ba povu i hanoin eduka militantes Fretilin sira hodi halo opozisaun ida responsavel ho konstrutiva, tuir lolos sira eksplika lolos ba militantes sira katak, tuir sistema “reprezentasaun proporsional”, Fretilin labele ukun tanba la hetan maioria iha Parlamentu, la’os ba bosok fali militantes sira hodi dehan buat legal ho konstitusional sai fali ilegal ho inkonstitusional. La’os ba lohi fali militante sira hodi kompara fali eleisoens lejislativas ho “futu manu“, buat ida nebe’e labele kompara nian. Parese ida ne’e mak primeira vez iha mundu, lideransa partidu nian bosok, lohi, manipula no fornece fali informasaun falsu ba ninia militante sira hodi oho ninia partidu rasik.

Partidu vensedor eleisoens la forma Governu i sai opozisaun hanesan buat normal iha rai sira kaer sistema “reprezentasaun proporsional” ou demokrasia parlamentar. Partidu ki’ik ka sira nebe’e la’os “mais votadu” mos bele hetan maioria iha Parlamentu kuandu sira forma koligasaun ida hamutuk i bele forma Governu forte ho estavel ida. Hanesan daudaun partido ki’ik sira Likud, Yisrael Beiteinu, Shas, Judaizmu Unidu da Torah, Uniaun Nasional ho Habayit Hayehudi, forma Governu iha Israel ou CNRT hamutuk ho ASDT-PSD ho PD forma Governo iha TL.

Besik tinan rua ona, tempo ida naruk tebes ba ema jenius sira iha Fretilin, bele hadi’a nia sala, sala nebe’e halo interpretasaun kle’uk ba artigu 106 kona ba “aliança ho maioria parlamentar”. Tempu ona rekuinese desizaun Horta nian hatudu AMP forma Governu la kontra Konstituisaun.

Ho eleisoens lejislativas Israel nian bele mos loke lideransa Fretilin nia matan, liliu sira nebe’e hasai kursu iha direito, hanesan Mari Alkatiri ho José Texeira, hodi percebe diak liu tan katak, aliansa nebe’e forma antes ho depois eleisoens mesak legal hotu, i sistema “reprezentasaun proporsional” mos loke dalan ba partidu “menos votadu” sira hodi forma Governu liu husi koligasoens nebe’e hetan maioria iha Parlamentu. Xave atu forma Governu ida forte ho estavel iha ida de’it, mak se mak iha maioria iha Parlamentu. Maioria ne’e bele hetan husi partidu ida manan eleisoens ho maioria absoluta ou husi aliasa nebe’e hetan maioria iha Parlamentu. CNRT, ASDT-PSD, PD i ikus mais UNDERTIM tama tan, sira hetan maioria iha Parlamentu ho deputadus hamutuk na’in 39, iha nebe’e garante Governu forte ho estavel ida.

Partidu “mais votadu” sai opozisaun hanesan buat baibain ida. Bele haree, Kadima nebe’e kaer Governu iha Israel, no mos nudar “partidu mais votadu”, simu ho liman rua passa ba opozisaun i simu Governu Netanyahu nian ho legitimidade tomak. Ita hein lideransa Fretilin bele aprende buat ruma husi partidu Kadima ho senhora Tzipi Livni nebe’e hatene halo politika iha rai demokratiku ho sivilizadu ida.

*ex Coordenador Pedagógico iha Centro Nacional de Emprego e Formação Profissional - Tibar

Publikadu iha Forum Haksesuk, loron 2, 4, 6 fulan Marsu tinan 2009





Wednesday, 18 March 2009

ELIMINAÇÃO DA POBREZA DEVE CONTINUAR A SER PRIORIDADE


Por Dom Carlos Filipe Ximenes Belo, SDB, Bispo Emérito de Dili e Co-laureado Premio Nobel da Paz 1996






Ex.mo senhor Encarregado de Negócios da República Democrática de Timor-Leste em Lisboa;
Ex-mo senhor embaixador de Timor Leste junto da CPLP;
Ilustríssimo senhor presidente da Associação Timorense;
Ilustríssimo senhor Presidente da Associação Académicos de Coimbra, e Presidentes e membros das demais Associações;
Caros universitários timorenses;
Maun Alin inan feto sira;
Minhas senhoras e meus senhores:

A todos endereço as minhas cordiais saudações. Constitui para mim um prazer estar a conviver convosco neste dia, e convosco repensar na construção da nossa querida Pátria, Timor Leste. Os organizadores deste encontro pediram-me para desenvolver o Tema da Paz e do Desenvolvimento em Timor.

1. - A República Democrática de Timor Leste proclamou unilateralmente a sua independência, a 28 de Novembro de 1975, em vésperas da iminente invasão das forças armadas da Indonésia, invasão essa que veio a verificar-se no dia 7 de Dezembro daquele fatídico ano. A Restauração (Declaração) da mesma independência, feita a 20 de Maio de 2002, depois participação massiva de todos os Timorenses no Referendo de 30 de Agosto de 1999, que a desejaram e legitimaram essa independência com o seu voto, e depois de obtido o apoio da comunidade internacional, foi uma declaração que culminou depois de 24 anos de luta, sofrimentos, de fome, de doenças e de morte de um terço da população timorense.

Todos nós esperávamos que depois de 20 de Agosto de 2002, Timor Leste iria viver um período de paz, de desenvolvimento, de progresso e de bem-estar. Mas, infelizmente, estes primeiros seis anos de independência efectiva não trouxeram a verdadeira paz e justiça para todos os timorenses. De facto verificamos que apesar de todo o esforço de implementação de um Estado de direito, da construção de um país democrático, a construção do bem comum, apesar disto tudo, continua a existir antinomias que dificultam que a paz e a justiça reinem verdadeiramente em Timor. Ficamos independentes politicamente, mas permanecemos dependentes e escravos dos nosso vícios ancestrais: ódios, invejas, violência, divisões, sede do ter e do poder, falta de maturidade política, falta de cultura de paz, cultura de cidadania, cultura de diálogo, de tolerância, de perdão. Falta-nos ainda a perseverança e o gosto pelo trabalho, pelo estudo. Invadiu-nos e invade-nos o desejo de obter tudo num só dia: dinheiro, habitação, emprego, desenvolvimento económico e social, fama, nome e felicidade. Podemos afirmar que a independência não é uma meta final, um edifício já acabado, mas uma realidade a ser construída dia pós dia, com sacrifício, perseverança, generosidade e a firme vontade de todos os Timorenses. Diziam os nosso guerrilheiros: “A Luta continua…”. Pois a construção de um Timor livre, soberano e independente não acabou, por isso, a Luta continua. Não já uma luta com armas brancas ou convencionais, mas com as armas da inteligência, da vontade, da capacidade de respeitar os direitos humanos e de trabalhar para o bem comum de todos os Timorenses. Luta contra o analfabetismo, a iliteracia, intolerência, contra a preguiça, do ganho fácil, do sucesso fácil, contra o pessimismo, o desânimo, etc. etc.
Se olharmos para o nosso passado, para a nossa história como povo nos últimos quinhentos anos, repararmos que ao longo da história, apesar de sermos um povo pequeno, e para mais divididos em pequenos reinos, com costumes semelhantes mas com línguas diferentes, (os entendidos no passado chegaram a registar 33 dialectos), que nossos antepassados andavam em contínuas conflitos e guerras. O que levou a Afonso de Castro governador de Timor entre 1859 a 1862, a afirmar que “a guerra fazia parte do dia do indígena, ou que o indígena está tão arreigado à guerra, que não pode viver sem ela”.

Já em 1811, nas suas recomendações ao Governador Vitorino Freire da Cunha Gusmão, o Conde Sarzedas, Vice-rei da Índia, falando de 64 reinos existentes em Timor dizia: “A Província dos Bellos compreende 46 reinos, de maior e menor poder, mas todos livres e independentes entre si, e terão alista mandada extrair entre 1722 e 1725, 40 mil de armas, 3.000 espingardas e os mais de espada, rodelas, zagaias e arcos e frexas. A província de Servião te 16 reinos (…) terá 25.000 homens de peleja, 2.000 de espingarda, e os restantes de zagaias, arcos e frexas e espadas e rodelas”. (Doc. P.151).

Praticamente durante os 4 séculos de convivência com os Portugueses, nunca em Timor se registou um século de tempo de paz. No século XVII, houve conflitos entre os reinos por causa do comércio de sândalo, de cera, e de escravos. Em 1640, deu-se a invasão do Imperador Carriliquio de Talo, Celebes (Sulawesi), que depois de meses de ataque às povoações marítimas de Timor, fez 4 mil escravos. Em consequência desse ataque, responderam os portugueses (Frades e mosqueteros) destruindo o reino de We-Hali.

No segundo quartel do século XVIII, deu-se a famosa guerra de Cailaco que durou quase 50 anos (1719-1760). Ao longo do século XIX, registaram-se várias rebeliões contra a soberania portuguesa. Já no fim do século o governador José Celestino da silva conseguiu impor a pacificação (Ver René Pelissir, Timor en Guerre: Le Crocodile et les Portuguais (1874-1913); o romance Ana Joana, a Batalha das Lágrimas). O século XX: a guerra de Manufahi (1911-1912) comas de 4 mil vitimas; (ver Jaime do Inso, Timor 1912); a ocupação japonesa (1942-1945) com mais de 60 mil mortos. A revolta de Viqueque e Watolari (1959). Ocorre este ano o quinquagésimo aniversário desse acontecimento, cuja história está ainda por se escrever…

A invasão indonésia e consequente ocupação (1975-1999). Sem dúvida muitos dos conflitos eram entre os Timorenses e as potências coloniais e /ou estrangeiras. Mas também havia conflitos entre os timorenses; vários os motivos: o roubo do gado, a ocupação de propriedade, o rapto de princesas, etc. (ver o Livro do Padre José Bernardino Rodrigues, o Rei de Nari, 1961).Todo este passado criou nos timorenses uma mentalidade de ódios, vingança, de conflitos e de guerra. Por isso, sem querer cantamos: “horu uluk hori wain, timor oan assuwain”. Os acontecimentos de 2006 e o “11 de Fevereiro” de 2008 devem alertar-nos para uma educação contínua para os valores da paz, da justiça, da democracia e dos direitos humanos.

2. - ”Pensar a paz é numa sociedade justa”, constitui e representa a nossa maior luta nos dias que correm. Como vimos sucintamente a história passada do nosso povo, o fenómeno da guerra contribuiu para a perda de vidas, de bens e do atraso económico e social do nosso povo.

“Não matar” é a ordem dada por Deus ao homem e é da ordem natural. Mas o homem desde sempre quebrou este preceito. A guerra é a violação mais atroz e universal das leis da convivência humana. A história humana é a história de tantas guerras. A guerra é um flagelo e não representa nunca um meio idóneo para resolver os problemas que surgem entre as nações. “Nunca foi e jamais será porque gera conflitos novos e mais complexos. Quando deflagra, a guerra torna-se uma carnificina inútil, uma aventura sem retorno, que compromete o presente e coloca em risco o futuro da humandiade” . O Papa João XXIII, dizia: “ Nada se perde com a paz; mas com a guerra, tudo pode perder-se” (Pacem in Terris, 288). Vamos, portanto, cultivar a paz, e espalhar as sementes de paz nos vales, planícies e montanhas de Timor Loro Sa’e.

Mas o que é paz? A palavra portuguesa PAZ, a inglesa “peace”, a francesa “paix”, a espanhola “paz”, a italiana “pace”, provem da palavra latina “pax, pacis,” e o seu correspondente em hebraico é Shalom. E shalom deriva da raiz shelemut, que significa plenitude, perfeição. Na Bíblia a palavra shalom aparece sempre associada a hum estado de harmonia, tranquilidade e prosperidade. Shalom significa ainda bênção, manifestação da graça divina. Está também ligada à ausência de guerra e sugere um estado de ordem e tranquilidade. Santo Agostinho, um bispo do século IV, definia precisamente a paz como a “tranquilidade na ordem”. A paz não é unicamente ausência de guerra, nem se reduz a um mero equilíbrio de forças adversas, nem provém de um domínio despótico, mas define-se com razão e propriedade, obra da justiça. ´E fruto de uma ordem inscrita na sociedade humana por Deus.

Segundo alguns historiadores, o conceito de “Pax”, vigente no Império romano, indicava o período em que, a nível interno, não haveria guerras nem conflitos. Essa situação de ordem e tranquilidade nos domínios romanos, denominava-se “Pax Romana”. Ligada ao conceito de “pax”, os romanos cultivavam outros conceitos abstractos como concórdia, honor, fides, virtus, visctoria.

O papa Paulo VI (163-1878), de feliz memória, deu um novo nome à Paz. Dizia ele que o “novo nome da paz é o desenvolvimento”. Nesta perspectiva, a paz significa a erradicação de injustiças e desigualdades de ordem economia e social, erradicação de invejas, de desconfiança e de orgulho que grassam entre os homens e nações e que são uma constante ameaça à paz. E Concílio Vaticano II, na Gadium et Spes, afirma: “ as instituições da comunidade internacional devem, cada um a seu modo, prover as necessidades das pessoas e dos povos, tanto no sector da vida social a que pertencem a alimentação, a higiene, a educação, o trabalho, como em algumas condições, como por exemplo a necessidade geral de fomentar o progresso das nações subdesenvolvidas, ir o encontro das necessidades dos refugiados dispersos pelo mundo inteiro, ou de ajudar os emigrantes e suas famílias” n.85).

Como dissemos acima, a paz é fruto da justiça. De facto, por trás de cada conflito pode-se notar facilmente uma drástica negação da justiça. A exigência da justiça aumenta no mundo actual e a resposta a tal exigência, ou não chegam ou chegam muito lentamente. “Não atender a tal exigência poderia propiciar o irromper duma tentação de resposta violenta, por parte das vítimas da injustiça, como acontece na origem de muitas guerras. As populações excluídas da partilha equitativa dos bens, destinados originariamente a todos, poderiam perguntar-se : por que não responder com a violência a quantos são os primeiros a tratar-nos com violência?” (João Paulo II, Sollicitudo Rei Socialis 10, 2). A injustiça nasce da falta de respeito pela dignidade da pessoa e elo desprezo dos seus direitos fundamentais. Desprezar a pessoa humana é prepará-la para o conflito. A justiça fundamenta-se no respeito pelos direitos humanos. Justiça e paz não são conceitos abstractos nem ideais inacessíveis, são valores inseridos no coração de cada pessoa, como património comum. Indivíduos, comunidades, nações são chamados a viver em justiça e a trabalhar para a paz.

A pobreza extrema, onde quer que ela surja, é uma injustiça primordial. A sua eliminação deve permanecer como uma prioridade tanto ao nível nacional como internacional. “…Não se pode tolerara um mundo onde vivem lado a lado super-ricos e miseráveis, pobres privados mesmo do essencial e gente que esbanja desenfreadamente aquilo que outros têm desesperada necessidade. Tais contrastes são uma afronta à dignidade da pessoa humana” (João Paulo II, Mensagem Dia Mundial da Paz, 1988, n 4). Os povos em vias de desenvolvimento a viverem em pesada pobreza, sofrem não só de uma economia negativa, mas também de analfabetismo, de inabilidade para participarem na construção da sua terra, de exploração nos sectores económico, social e político. O seu direito a iniciativas económicas ficam sem capacidade para explorar os próprios recursos e desenvolver as tecnologias, a fim de alcançarem a um desenvolvimento económico próprio. A dependência cresce e a igualdade de cada um na sociedade diminui. Gradualmente, um partido político usurpa o papel de guia, tornando os indivíduos meros objectos. Os direitos humanos passam a ser espezinhados. O subdesenvolvimento causa tensões internas num país, criando-se, assim, pouco a pouco, situações de conflito.

3. A educação para a Paz: A primeira iniciativa para prevenir a guerra é a educação para paz. Deve-se iniciar este processo, começando na família e continuando na escola. Cada estado verdadeiramente amante da paz tem de insistir na formação dos seus cidadãos para a paz. Esta educação deve passar a englobar todos os sectores da sociedade. A educação para a paz é uma educação que deve mostrar outra visão da guerra, com o fim de evitar que o fenómeno bélico seja considerado como algo normal. Mas que há outras soluções alternativas não violentas. A educação para a paz deve ser um esforço para consolidar uma nova maneira de ver, entender e viver o mundo, começando pelo próprio ser e continuando com os demais, horizontalmente, formando uma rede, dando confiança, segurança, autoridade às pessoas e às sociedade, fazendo intercâmbios, superando desconfianças, ajudando a mobilizar e superar as diferenças.

A educação para a paz é uma educação para a cidadania global, e isto implica favorecer a compreensão da interdependência global e os laços entre as zonas mais ricas e as mais pobres. É uma educação que promove o multiculturalismo, o conhecimento da diversidade social e cultural desde a sua própria percepção superando o racismo e a xenofobia.

A educação da paz deve ser uma tarefa de todos. Em primeiro lugar a tarefa do Estado. Trata-se da defesa dos valores democráticos e da boa governação a partir de promoção de uma boa política educativa que contemple os valores da paz, solidariedade e justiça social. Na educação formal, deve-se promover um currículo que favoreça uma maior compreensão das raízes da violência. Para isso, é necessário melhorar as formação de docentes, os planos de estudos, os conteúdos dos manuais e cursos e de outros manuais pedagógicos como as novas tecnologias.

Em 1974, a UNESCO publicou uma recomendação sobre a educação para a compreensão e a educação relativa aos direitos do homem e à liberdade fundamentais. Na recomendação 33, apresentaram-se os objectivos que deveriam ser considerados como ‘princípios directores´ da política de educação de qualquer Estado:
a. Uma dimensão internacional e uma perspectiva mundial da educação a todos os níveis e sob todas as formas;
b. A compreensão e o respeito de todos os povos, das suas civilizações, dos seus valores e dos modos de vida, incluindo as culturas das etnias e de outros nações; c. A consciência de interdependência mundial crescente dos povos; d. A capacidade comunicar com outros povos; e. A consciência não só dos direitos, mas também dos deveres que os indivíduos, os grupos sociais e as nações têm uns para com os ouros; f. A compreensão e a necessidade da solidariedade e da cooperação internacionais; g. A vontade, nos indivíduos de contribuir para resolver os problemas das suas comunidades, dos seus países e do mundo” (Conferencia Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação. A Ciência e a Cultura, Paris, 17 a 23 de Outubro de 1974, p.34).

4. Educação para a Cidadania
A crescente globalização, quer da economia, da cultura e do mercado, quer das estruturas politicas regionais ou mundiais, tem vindo a descarecterizar os modelos nacionais, com as respectivas filosofias na política da educação. A escola é solicitada a incluir uma educação de cidadania que extravasão espaço nacional e se assume cada vez mais global. Naturalmente a educação para a cidadania para ser compreensiva terá de ser ter estas dimensões: educação para a cidadania nacional; educação para a cidadania regional (educação europeia, africana, americana ou latino-americana, asiática, e educação para a cidadania mundial.

Assumindo-nos como cidadãos do mundo, como membros da Família das nações ou da humanidade, podemos apontar os seguintes temas a serem transmitidos nas famílias, escolas e na sociedade civil:
- a defesa do planeta e doa ambiente; a paz universal, o desenvolvimento económico, cientifico e técnico aos serviço de todos os homens;
- a igualdade entre homens e mulheres; - a tolerância e o combate contra a exclusão, o racismo, a xenofobia, o fanatismo religioso;
Resumindo, esta educação para a cidadania global, incluiria estas vertentes:
a. Educação para a cidadania s democrática, centrada no valor da pessoa humana e na sua dignidade; b. Educação para a cidadania social: isto é, agir em defesa dos mais fracos e carenciados, o que significa a realização da justiça social; c. Educação paritária, visa a defender a igualdade entre o homem e a mulher, igualdade de direitos e deveres; d. Educação para a cidadania intercultural, equivale impulsionar o diálogo entre as culturas, o diálogo entre as religiões; e. Finalmente, uma educação para a cidadania ambiental que vise a qualificação total do ecosistema e na sua preservação, e aponta para estratégias de desenvolvimento sustentável que venha a ter um rosto verdadeiramente humano.

Caros compatriotas “maun alin no ina feto sira”: falamos da paz e da justiça, da educação para a paz, direitos humanos, democracia e da cidadania e do diálogo a serem implementados na nossa Pátria. Mas quem é que os vai implementar? Todos nós: os nossos compatriotas que estão lá em Timor, no Território, e os que estamos no Estrangeiro. Em qualquer ponto do mundo onde nos encontrarmos, quer como estudantes, como trabalhadores, como famílias ou como indivíduos, a construção da Pátria deve constituir a nossa contínua preocupação. E nesta tarefa ingente, exige-se da parte de cada um de nós o sermos perseverantes no trabalho, no estudo, cultivando unidade, respeito, tolerância e um grande sentido de patriotismo para podermos tirar o país do grau da pobreza em que se encontra.

A Luta da consolidação da democracia, do estado de direito, da paz, da justiça e da fraternidade nunca e uma tarefa acabada. Por isso, mesmo depois de seis anos de independência, podemos ainda gritar bem alto: Maun alin inan feto sira: A Luta continua!... A todos bem-hajam

Encontro de Quadros Timorenses em Coimbra
Coimbra, 14 de Março de 2009.

Tuesday, 17 March 2009

A PAZ E O DESENVOLVIMENTO EM TIMOR LESTE
Por: Dom Carlos Filipe Ximenes Belo, SDB, Bispo Emérito de Dili e Co-laureado Premio Nobel da Paz 1996



1. História:
a) Fontes chinesas:
As primeira referências a ilha de Timor, datam de 1225 e foram dadas por um inspector chinês do comércio exterior, Chau-u-KUA, segundo o qual "Timor era um local rico em sândalo". A outra referência é do ano de 1350. Nesse longínquo ano um chinês de nome Tão-i-chin Lueh fez a descrição da ilha de Timor. "Nas montanhas (de Timor) não crescem outras árvores que não sejam sândalo, que é muito abundante. É trocado por prata, ferro, chávenas, tecido etafetás coloridos dos países orientais. Há na totalidade doze locais que se chamam portos" (In Gun, op. cit. p.56). "Os registos da dinastia Ming são eloquentes descrevendo Timor como uma ilha coberta de madeira aromática, tendo pelo menos dez locais de desembarque onde os mercadores chineses aportavam". Nessa mesma época foi aberta por marinheiros chineses, uma rota marítima directa para Timor. E a terceira referência data do ano 1430. Num manuscrito anónimo refere que a Ilha de Timor era o destino mais ao sul de cerca de 100 viagens. Nesse manuscrito, a palavra ‘Timor’ "Ch’in-Wen’ e Cupão (Kupang), a actual capital de Timor Ocidental, dizia-se "Chu-pang". Outra fonte ainda relata que "as montanhas de Timor estavam cobertas de árvores de sândalo, e o país nada mais produzia".

Estudiosos holandeses determinaram que na época do império javanês de Srivijaya (por volta do séc. X, d.C.) o sândalo de Timor era transportado até ao estreito de Malaca e sai, para Índia e China.

b) Fontes portuguesas:
Os navegadores portugueses chegaram às Ilhas da Insulíndia, depois da conquista de Malaca, por Afonso de Albuquerque em Agosto de 1511. Depois da Conquista de Maca Albuquerque recebe do rei de Portugal ordens para enviar uma expedição às Ilhas Molucas para determinar em que lado do meridiano se situavam e estabelecer relações com os governantes locais e assegurar o monopólio português sobre o comércio da especiarias e do sândalo. Em Novembro ou Dezembro desse ano, partiu uma missão composta por três armadas (a nau santa Catarina, Sabaia comandada por Francisco Serrão), e comandada por António de Abreu. O segundo comandante era Francisco Serrão, acompanhado por Francisco Rodrigues, o cartógrafo pioneiro das Índias Orientais. Consoante o estudo dos roteiros seguidos, os navios bordejavam a costa norte de ilha de Sumatra, Java. Bali, Sumbawa, Solor, Weter , e daqui rumaram para o norte, singraram direitos à ilha de Amboina, ancorando na ilha de Ceram, aproando seguidamente para Banda, onde colocaram padrões. Depois seguiram para as ilhas de Ternate e Tidore.

Já que estamos a falar das ilhas Molucas, recordamos a estância de Luís de Camões:
"Olha cá pelos mares do Oriente,
As infinitas ilhas espalhadas:
Vê Tidore e Ternate co fervente
Cume que lança as flamas ondeadas:
As árvores verás do cravo ardente
C’o sangue português inda compradas:
Aqui há as áureas aves que não decem
Nunca à terra, e só mortas aparecem".
Canto X, 132.

Quanto a Timor, Luís de Camões escreve: Canto X, estancia 34:
"Ali também Timor, que o lenho manda
Sândalo, salutífero e cheiroso.
Olha Sunda, tão larga que uma banda
Esconde para o Sul dificultoso;
A gente do Sertão que as terras anda,
Um rio diz que tem miraculoso,
Que, por onde ele só, sem outro, vai
Converte em pedra o pau que nele cai"

Historiadores portugueses como Armando Cortesão e Humberto Leitão defendem que Timor não foi avistado nesta viagem. Enquanto que as ilhas de Flores e Solor foram delineadas e representadas por Francisco Rodrigues. Apesar disso, e conforme atestas os dois autores cima citados, que com base em várias cartas e documentos, os Portugueses certamente estabeleceram contactos com Timor dentro de um período de três anos a partir da primeira expedição saída de Malaca.

De facto no dia 6 de Janeiro de 1514, Rui de Brito Patalim por carta endereça ao Rei Dom Manuel I, dá conta dos navios que de Malaca haviam partido para Java, Sunda, Bengala, Palaecata e Timor. Menciona a ilha de Timor, dizendo: "He huã ylha alem de Java. Tem muytos sândalos, muyto mel, muyta cêra. Non tem juncos para navegar. He ylha grande de cafres. Por non haver juncos, non foram lá…"(In A. Faria de Morais, Solor e Timor, p.81).

O boticário Tomé Pires, anotou em 1515, na sua Suma Oriental, uma "rota entre esta ilha de Solor e de Bima e o canal para as ilhas de Timor". E diz ainda: "Os mercadores malaios dizem que Deus criou Timor para o sândalo, Banda para noz moscada e as Molucas para os cravos da índia e que estas mercadorias não se encontram em mais parte nenhuma parte do mundo". Timor, juntamente com Solor, também é mencionado em diversos parágrafos no manuscrito de Duarte Barbosa intitulado Livro em que dá relação do que viu e ouviu no Oriente, escrito em 1516.

Entretanto em 1516, Jorge Fogaça, mandado indubitavelmente por Jorge de Brito (1515-1517) realizou uma viagem a Timor, e no regresso levou um bom carregamento de sândalo. Diz-se que Fogaça recorreu à força quando estava para recolher a mercadoria, lançando assim a semente de futuros conflitos entre Timorenses e portugueses. Da carta escrita ao Rei, D. Manuel por Jorge de Faria, a 5 de Janeiro de 1517, , lê-se : "deixaram uma terra em tumulto, dado que os portugueses espancaram os mercadores da terra".

Seis anos mais tarde, isto é, no ano de 1522, concretamente no dia 26 de Janeiro, chega às costas de Timor a nau "Vitória". Comandada por Juan Sebastian del Cano e tripulada por 46 espanhóis e 13 nativos, e embarcados durante a viagem ao largo de Amabau (?). A descrição da estadia nas povoações costeiras de Timor foi feita por António Pigafetta, cronista (cf Gunn, op. cit., p.60). Estiveram lá 18 dias. Pigafetta anota a existência da doença venérea "sífilis" (maladie portugaise) ou doença S. Job. Sobre os contactos mantido entre os espanhóis e timorenses, em 1522, diz o cronista, Pigafetta:
"No sábado, 25 de Janeiro de mil quinhentos e vinte e dois, partimos da ilha de Mallua (Allor). E no Domingo seguinte chegámos a uma grande ilha a cinco léguas de distância da outra, entre sul e sudoeste. E eu fui à terra sozinho, para falar com o chefe de uma terra chamada Amabau, para ver se ele nos podia fornecer mantimentos. Respondeu que nos daria bois, porcos e cabras; mas não conseguimos entrar em acordo porque ele queria, em troca de um boi, demasiadas coisas das quais tínhamos pequena quantidade. Assim, com a fome a pressionar-nos, retivemos no nosso barco, juntamente com o seu filho, um dos homens importantes de outra cidade chamada Balibó. E, com o medo de que o matássemos, deram seis bois, cinco cabras e dois porcos e, para completar o número de dez porcos e dez cabras, deram-nos um boi, dado ter sido este o resgate que pedimos para eles. Mandámo-los então para terra e forma muito contentes porque lhes demos linho, tecidos de seda e de algodão, facas, espelhos e outras coisas" (in Gunn, p.60).
Sobre o povo de Timor, sua forma de governação e o ainda existente mito do seu ouro, Pigafetta, prossegue:
"Esse senhor de Amabau, com quem falei, tinha só mulheres ao seu serviço, Andam, como as outras, todas nuas e usam nas orelhas pequenas argolas de ouro pendurado por fios de seda, e nos braços, até aos cotovelos, muitas pulseiras de ouro e algodão. E os homens andam como as mulheres, mas suam, ao pescoço, certas argolas de ouro arredondadas e de tamanho de um trincho, e usam, no penteado, pentes de bambu enfeitados a ouro. Alguns usam também outros ornamentos de ouro…Do outro lado da ilha estão quatro irmãos, os seus reis. E onde estivemos só há cidades e alguns chefes e senhores destas. Os nomes das habitações dos quatro reis são: Oibich (Oebico), Lichsana, Suai, Cabanasa. Oebich é a cidade maior. Em Cabanaza (segundo nos disseram) há ouro numa montanha e eles compram tudo com um certo tipo de pequenas peças que têm". (Gunn, p.61). (…) " A ilha é toda habitada e é muito comprida no sentido este-oeste, de norte a sul, não muito larga. Situa-se a dez graus de latitude na direcção do pólo Árctico e, em longitude, a cento e sessenta e quatro graus e meio da linha de separação, e chama-se Timor".

No entanto, até meados do século XVII, não ouvimos falar de estabelecimentos de feitorias portuguesas ou entrepostos comerciais.

Quando se fala da missionação de Timor e ilhas circunvizinhas, costuma-se citar o nome do padre Frei António Taveira, dominicano, que no ano de 1556, teriam baptizado cinco mil pessoas nas ilhas de Timor e Ende (Flores). Desde 1561, altura em que se estabeleceram os Frades Dominicanos em Solor, até 1702, Timor, Solor e outras ilhas foram "governadas"por frades dominicanos. O segundo missionário que esteve em Mena, foi o padre Frei Belchior da Luz ou das Antas. Em 1633, aparece na costa norte, no reino de Silawan, hoje a dois quilómetros de Batugade, o padre Frei Cristóvão Rangel que converteu o régulo, e construiu ali uma igreja e uma capela.

Até 1613, os Portugueses contentaram-se com a sua base na Ilha de Solor como ponto de recolha para produtos vindos de Timor, e ocupavam um pequeno forte em Kupang, no Timor ocidental. A 20 de Abril de 1613, os Holandeses conquistam Solor, e dali enviam as suas naus para se apoderarem das povoações costeiras de Timor, sobretudo na parte ocidental. Com a presença permanente da Companhia das Índia orientais, os holandeses firmam diversos acordos com os chefes locais, que entram em contínuos conflitos com os Portugueses. Entretanto, em 1627, as funções de governador de Solor foram assumidos por Jan d’Hornay, protegidos de holandeses. Por causa das divergências, Jan d’Hornay, converte-se ao catolicismo e alia-se aos Portugueses. Ele seria o chefe de uma numeroso clã que juntamente com o de Mateus da costa iria, dominar a cena política e social de Timor ao na segunda metade do século XVII, e na segunda metade do século XVII.

Em 1640, deu-se a invasão de Timor por uma poderosa armada de Karrilikio (Camiliquio) sultão de (Tolo) Tallo, em Sulawesi (Celebes). Avançou sobre Timor atacando as costas norte e sul com uma frota de 150 "perahu" (barcos à vela) e 700 homens e procurou os nativos a levantarem-se contra os Portugueses. Após três meses de devastação ao longo do litoral de Timor e alguns êxitos na conversão de alguns chefes timorenses, Karrlikio retira-se. No entanto, a sua acção obrigou os Portugueses então residentes em Larantuca, na ponta oriental da ilha de Flores, a transferir as suas actividades para Timor.

É neste contexto que entra em cena um dos grandes apóstolos de Timor, o padre Frei António de São Jacinto, dominicano e vigário-geral de Solor. Acompanhado de 70 soldados, partiu de Larantuca para Mena, encontrou-a destruída e o seu chefe morto. A rainha viúva, devido à invasão muçulmana, foge para o interior, a cerca de 12 léguas de distância. Depois de ter sido auxiliada pelo padre Frei António de S. jacinto, a rainha converte-se e regressa a Mena. A partir daqui, sobe de intensidade a influencia do dominicano junto dos régulos. Movidos pelo exemplo e palavras de António de S. Jacinto, convertem-se os régulos ou chefes de Lifau, Oe-Cusse, Amanuban e Kupang. Por causa da influência dos muçulmanos de Celebes junto de alguns chefes timores, os portugueses organizam uma expedição contra o Reino de Behale que foi destruído. Comandada por Francisco Fernandes, esta operação tomou a forma de quatro desembarques de dois corpos de tropas, realizados a 26 de Maio de 1641 e envolveu, ao todo, 90 soldados e frades dominicanos. A vitória sobre Behale ou Wehale, em 1642, trouxe a conversão de vários reis, e a consolidação da soberania portuguesa na parte leste, conhecida pelo nome Província dos Belos. Os reinos que abraçavam a fé, juravam também lealdade à Coroa de Portugal. Além disso tinham de pagar ao superior da missão dominicana certos artigos, como tributo, bem como de fornecer efectivos humanos em caso da ameaça da parte dos holandeses ou régulos rivais.

Os Holandeses: Com a tomada de Malaca em 1642, os holandeses começam a marcar sua presença no Arquipélago indonésio. Em 27 de Janeiro de 1562, sob o comando do general Arnold de Vlamingh von Outshroom, uma armada de holandeses desembarcam na baía de Kupang e avançam sobre a povoação de Amarasi. Mas Arnold van Vlaming foi derrotado e retirou-se para Solor. Em 1660, os holandeses com uma esquadra de 26 barcos fizeram uma malograda tentativa para destruir Larantuca. Foi para reagir a este constante assédio dos holandeses que o Vice-Rei António Melo de Castro, decidiu em 1665 criar o posto de capitão-mor de Timor, para coordenar a luta contra os holandeses. O primeiro a ocupar esse cargo foi Simão Luís.

A 6 de Agosto de 1661, A Holanda e Portugal assinaram um acordo de paz. Segundo esse acordo, ficava determinado que cada potência reservaria para si os territórios já ocupados em Solor e Timor. Os Holandeses conservavam Kupang, mas com a obrigação de fornecer duas corvetas armadas para o serviço do governador português, uma para transportar os impostos colectados em Timor, e outra para defender a costa contra os ataques de Macáçar. (Gunn, p. 85).

Lifau, Foi neste período, que, uma vez perdidas Macaçar e Kupang os Portugueses, sobretudo os mercadores de sândalo, começaram a frequentar a povoação costeira de Lifau. Vários foram os pedidos ao Governo central de Lisboa para se estabelecer estruturas permanentes de governo em Timor. A partir de 1695, o Vice-rei do estado da Índia começou a fazer tentativas de colocar em Lifau um governador. Assim o primeiro governador a ir para Timor foi António de Mesquita Pimentel, mas infelizmente foi expulso por Domingos da Costa. O seu sucessor André Coelho Vieira foi preso por Domingos da Costa e reenviado para Macau. Por volta de 1697 Lifau já se podia considerar a capital de Solor e Timor. Segundo William Dampier que visitou Lifau no decurso da sua estadia de três meses em Timor, verificou que na povoação estava firmemente estabelecida uma comunidade com estruturas básicas. Dampier encontrou em Lifau três portugueses, dos quais dois eram padres. A população era constituída na sua generalidade por mestiços portugueses e alguns residentes chineses que traficavam cera, ouro, escravos, e sândalo em troca de arroz, porcelana e certos produtos europeus importados anualmente de Macau numa frota de 20 navios. Em termos de governo, observou Dampier, a verdadeira autoridade pertencia ao capitão-mor, um homem chamado António Henriques, um português enviado pelo Vice-rei de Goa. (cf Gunn, pp.86-87).

A partir 20 de Fevereiro de 1702, a praça de Lifau passou a ser governada com mais rigor, como sede de governo português em Timor. O primeiro a desempenhar as funções de governador e capitão general das Ilhas de Timor e Solor, foi António Coelho Guerreiro( 1702-1705). Este governador deixou-nos o primeiro mapa de Lifau. Datada de 1702, revela uma estrutura urbana razoavelmente complexa, com elementos militares, civis e eclesiásticos, incluindo a Ermida de Santo António e um hospital. Quando foi nomeado, António Coelho Guerreiro tinha a obrigação de neutralizar o domínio holandês e chinês sobre o sândalo e de tomar posição firme contra a rebelião do Clã dos Costas. O governador empenhou-se em equilibrar o poder dos régulos timorenses, conferindo a categoria de "datos", ou de ‘coronel’. Por causa de várias circunstâncias adversas, António Coelho Guerreiro acabou por abandonar o cargo e partiu descontente para Goa. A seguir, foram nomeados governadores de Timor e Solor: Jácome de Morais (1708-1709), Manuel de Sotto Mayor (1709-1713), Manuel Ferreira de Almeida (1713-1718), Francisco de Mello e Castro (1718-1720 e António de Albuquerque Coelho (1722-1725). O governo interino do Bispo Frei Manuel de Santo António (vários frades dominicanos, como governadores interinos).
Timor foi nesse período de contínuas revoltas e sublevações. O caso dos topasses.

Em 1719, deu-se a primeira grande sublevação, mais conhecida pela "Rebelião de Cailaco". Na sequência de diversos actos de revoltas, que incluíram o assassinato de dois missionários dominicanos e a profanação de igrejas, vários chefes dos reinos da região centro e ocidental (Lamaquitos e outros) aliaram-se ao rei de Camanasa para expulsarem de Timor os Portugueses e os cristãos. Para esse fim celebraram um pacto de sangue de acordo com os ritos locais. O pacto consistia num juramento de lealdade entres participantes acompanhado pelo sacrifício ritual de um galo e de um cão e pela ingestão do respectivo sangue. Iniciou-se a rebelião contra os Portugueses e durou 50 anos. Em 1722, deu-se a guerra de Luca. As causas: rejeição de pagamento de fintas (impostos). Era uma espécie de tributo pagável pelos reinos considerados leais. As fintas incluíam sândalo, óleo, trigo ou qualquer produto exportável. A primeira codificação do sistema foi estabelecido pelo governador António Moniz de Macedo (1725-29; 1734-39), contemplava ambos os por sexos e abrangia reinos e sucos. Liderado por Camanasa, os reinos de Lemac Hitu, Cailaco, Leo-Hitu, Sani, Atsabe, Leimean, Diribate e Hermera. Uniram-se O governador António Moniz de Macedo procedeu o castigo dos rebeldes e encarregou o capitão-mor da província, Gonçalo de Magalhães de atacar os redutos dos reinos rebeldes. Foi então decidido atacar Cailaco, considerado o quartel-general dos rebeldes.

Em 1769, deu-se o cerco da Praça de Lifau. Em 1766, deu-se o envenenamento do governador Dionísio Galvão Rebelo (1760-1766) por Francisco Hornay, António da Costa, Quintino da Conceição e Lourenço de Mello. Foram entretanto nomeados governadores interinos, frei António de S. Boaventura e o régulo José Rodrigues Pereira. Francisco de Hornay maquina tomar o lugar de governador. Entretanto chega o novo governador, António José Teles de Meneses ( 1768-1775). Entretanto dificuldades de toda a ordem (falta de alimentos, comunicações com o interior cortadas, a praça cercada por topases de Francisco Hornay), decide o governador abandonar Lifau., no dia 11 de Agosto de 1769. Depois de ter embarcado a população (cerca de 1200 pessoas, na sua maioria mulheres e crianças) os navios São Vicente, e de Santa Rosa, que haviam chegado de Macau, e de ter carregados bagagens e material de guerra, António Teles de Meneses toma o rumo do oriente indo estabelecer a nova sede do governo na praça de Díli, aonde chegaram a 10 de Outubro desse mesmo ano.

A localização de Díli numa planície aberta oferecia uma defesa natural e era rica para cultivo de arroz. Entretanto, Lifau e os reinos circunvizinhos ficaram em poder de Francisco Hornay, e o comércio do sândalo na mão dos chineses. Depois de ter estabelecido a nova capital na praça de Díli, e de ali ter hasteado a bandeira, cerca de 42 reis da Província dos Belos deslocaram à Praça para jurara a lealdade a Portugal. Nos anos sucessivos todos os reinos se mantiveram em paz, à excepção de Luca onde deflagrou um revolta chamada a "guerra dos loucos"ou dos doidos. (1781-178). Assim chamada porque a revolta tinha sido chefiada por um pretenso profeta que se julgava invulnerável. Esse homem comandando ‘gente rude, ignorante e supersticiosa, no dizer do governador Afonso de Castro, marchou sobre Díli. A rebelião foi esmagada pelo governador João Baptista Vieira Godinho (1785-1788).

Até a fim do século registaram-se várias revoltas, praticamente em todos os reinos dos Belos. Em 1778, houve rebeliões nos reinos de Belu e Manatuto. Em 1790, nos reinos de Maubara e Senobai. No reino de Manatuto, muitos liurais (Dom Matias Soares, Boaventura Soares Doutel e Francisco Soares Doutel) e cristãos aliaram-se ao Governador do Bispado, contra o governador. António Feliciano Nogueira Lisboa (1788-1790).

Por alturas do novo século, a administração estava fracionada entre o liurai de Motael, cujo reino se tornara uma poderosa independente e a Igreja, com a sede em Manatuto. Em 1881, havia 23 reinos fiéis a Portugal e que eram considerados tributários. E outros 18 reinos aliados. Para impedir os ataques de franceses, ingleses e holandeses e dos topases, o governador João Baptista Vesquain mandou construir uma fortaleza em Díli. Formaram-se os moradores, isto é forças civis militarizadas, os de Bidau (naturais de Solor) e Sicas, naturais de Flores (Sicca).Havia um corpo de soldados de regulares, constituído por europeus e cipaios provenientes de Goa.
O desenvolvimento do comércio (cf. Gunn. P.122-124): na primeira metade do século XIX, registava-se a presença de uma comunidade chinesa em Díli e isso deveu-se ao comércio do sândalo em vários pontos da ilha. Durante a visita de F.E. de Rosely a Díli, observou no porto de Díli dois navios portugueses de Macau, cada um deles de 300 toneladas. Chegaram em Março e regressaram em finais de Junho com uma carga de sândalo, mel e alguns escravos. Além de comerciantes de Macau, havia os macáçares que faziam de intermediários entre Timor e Macau. Produtos procurados de Timor: além do sândalo, exportava canela vendida para Goa, couros, cobre, cachalotes, bambu, tabaco, mel, sal búfalos e cavalos. Crawfurd, escrevendo em 1820 três produtos Principais de exportação; SANDALO, CERA E BALEIA. (p.126-128)

A primeira plantação de café foi feita em 1815, no tempo do governador José Pinto Alcoforado de Azevedo e Sousa (1815-1819). Foi ele quem enviou 20 homens numa expedição em busca do petróleo nos reinos de Bibicussu, Samoro, Turiscai e Tutuluro. Por volta de 1858, o café figurava já nas estatísticas das exportações como tendo um elevado volume de produção e um elevado valor comercial, ao lado das exportações mais tradicionais, como cera, mel, couros, trigo, sândalo tartarugas, cavalos. Nessa altura parou a exportação de escravos (Gunn, p.147). Em 1867, a economia de café, em Timor começou a crescer de "um modo extraordinário", como se dizia num relatório oficial. No mês de Setembro desse ano, cinco navios holandeses e um inglês (ou seja, um total de 661 toneladas) chegaram a Díli provenientes de Kupang, Melbourne, Amboina e Macáçar, para carregar café e sândalo. No ano económico de 1858 a 59, exportaram-se 19 toneladas de café. No ano de 1860, 61 toneladas e em 1865, 145 toneladas.
O seu sucessor, Manuel Joaquim de Matos Góis (1831-1832) contratou um perito para pesquisar ouro, cobre, enxofre e outros recursos minerais.

Na década dos anos 30 do século XIX, surgem de novo os conflitos. Primeiro a nível do governo. Com a morte do Governador Miguel de Silveira Lorena, em 1832, a governação foi confiada a título interino, ao Padre Vicente Ferreira Varela, que em conflito com dois outros membros da junta, os mandou prender e tomou conta do governo até a chegada do novo governador José Maria Marques. Em Lauterm (Sama) registou-se ouve um conflito entre 70 buguises (macaçares) e as forças recrutadas pelo governo, forças constituída por 3 mil homens. Registaram revoltas em Ermera, no tempo do governador Olavo Monteiro Torres (1848-1851). Depois de uma rebelião por parte de moradores de Ermera, governo mandou uma força de 6.000 homens que arrasou Ermera e matou o liurai e 60 dos seus súbditos. Houve revoltas em Balibó.

A perda dos territórios de Flores e Solor: Até 1859, Portugal detinha a maior parte do território na ilha de Timor, e nas ilha de Flores, os portugueses podiam contar com a lealdade dos reinos de Sica, Noumba, Larantuca, e Maubese. Dois reinos em Ombai (Alor) e Loblem. Em 1814, as ilhas de Pantar e de Adonara reconheciam igualmente a suserania portuguesas.

Em 1847, o governador Julião da Silva Vieira envolveu numa disputa com o governador e residente de Kupang sobre actos alegadamente cometidos pelo régulo de Oe-Cusse, território que os holandeses consideravam seus. Para resolver o problema da soberania nestas ilhas, o governador-geral holandês em Batavia mandou um representante a Díli ( D.Styem Parvé), em Março de 1848, a fim de negociar sobre este assunto. O governador Julião Silveira respondeu "considerar portugueses todos os territórios que tinham a bandeira portuguesa e holandeses os que arvorassem a holandesa". Mas, embora ordenando ao régulo de Oe-cusse que mantivesse a sua posição, o próprio governador concedeu a posse das ilhas em disputa aos Países Baixos, aguardando a conclusão de um acordo na Europa. Em 1850, o Ministério dos Negócios Estrangeiros dos Países Baixos transmitiu uma nota ao seu equivalente português insistindo na necessidade de resolver o problema das fronteiras. No ano seguinte foram nomeados comissários por ambas as partes tendo em vista o início das conversações. A 23 de Junho de 1851 chega a Timor o novo governador, José Joaquim Lopes de Lima. Perante dificuldade de ordem financeira, o novo governador entregou aos Holandeses o distrito de Larantuca, na ilha de Flores, juntamente com o grupo de ilhas de Solor. (Portugal foi obrigado a ceder aos Países Baixos enclaves na parte leste da Ilha de Flores, como Sica, e Paga, bem como a ilha de Adonara e o estado de Wure e a ilha de Solor. Portugal abandonou também as suas pretensões a Loblem, Pantar e Ombai, pondo assim termo a uma soberania de 300 anos naquelas terras. Em contrapartida, Portugal receberia 200.00 florins de indemnização, em três prestações, e receberia o reino de Maubara Enquanto se aguardava a assinatura de acordos entre os dois governos (Haia e Lisboa), a Holanda apressou-se a ocupar Larantuca e Solor. Lopes de Lima foi demitido e mandado regressar. Morreu a caminha da Batavia. Influencia portuguesa em Larantuca: a Confraria de Nossa Senhora do Rosário.
Do período que vai de 1860 a 1912, sucederam-se várias revoltas contra a soberania portuguesa em Timor. Após o tratado de Lisboa, a colónia de Timor foi dividida em dez distritos pelo governador Afonso de Castro. Com esta finalidade, foram estabelecidos, dez e depois onze comandos militares para gerirem os distritos, assessorados por um secretário. Como embrião doa actual sistema político administrativo de Timor-Leste, estes comandos centravam-se, respectivamente, em Díli, Manatuto, Viqueque, Lautém, Vemasse, Alas, Bubusucu, Maubara e Batugadé. Mais tarde foi adicionado Oe-cusse (1863). No tempo de Afonso de castro, os liurais receberam ordens para plantar café e entregar cerca de 20 por cento da colheita às autoridades portuguesas, Os reinos que não cultivavam café eram obrigado a entregar um décimo da sua colheita de arroz. (Gunn, p.176 - 177). Em 1861 após a entrada em vigor do estabelecimento dos distritos, pequenos reinos revoltaram-se, como era o caso de Ulmera e Lalcó. Em Junho de 1863, deu-se uma rebelião em Laga. Mais tarde foi a vez de Fatumassi. Em 1867 deram-se revoltas em Vemasse, Leimean e Sanirin, cujo reino se recusava a pagar os impostos. Em 1868 deu-se a revolta de Cova. Além das guerras, houve um incêndio em Díli, no dia 24 de Agosto de 1866. Esse incêndio consumira os quartéis, a igreja, o paiol de munições, a Fazenda Pública, o palácio do governo, e quinze propriedades privadas, na sua maioria construídas em palapa. O fogo destruiu também o que restava dos arquivos que restavam da época de Lifau. (Gunn, p. 139-140). Nessa altura funcionava em Díli, um hospital militar. Doenças de varíola, epidemias de cólera e de varíola. Segundo o governador António Joaquim Garcia (1868-1869), o hospital existente podia apenas acomodar uns poucos doentes e a sua higiene era precária.

O Plano do Porto de Díli, uma planta de 90 x 40 produzido por T. Andrea e T. Machado em 1870, revela que se fazia a recuperação da praça de Díli. "Nessa altura estava completado o estudo hidrógrafico do porto e o ancoradouro estava terminado, e que estava protegido por um forte chamado Carqueto. A grelha das ruas é bem visível, bem como os contornos do forte de Nossa senhora da Conceição. Estavam sinalizados um farol. Um hospital militar e uma ponte, baptizado com o nome de Dom Luís I.
Em 1788, em deu-se, a revolta dos moradores, com o consequente assassinato do governador Alfredo de Lacerda e Maia (1885-1887). Os moradores, eram timorenses nativos mobilizados para o recrutamento. Não recebiam salário ou uniforme, nem sequer lhes eram fornecidos mantimentos. Eram recrutados nos reinos leais em números proporcionais às respectivas populações. As razões parecem ter sido os excessos cometidos em nome do governador pelo secretário, Francisco Ferreira. No dizer do historiador francês Gabriel Defert o assassínio do governador Lacerda Maia marcou na realidade o início da insurreição dirigida conjuntamente por diversos liurais chefiados por Do, Duarte Sotomayor e seu filho, Dom Boaventura Em 1893, deu-se a revolta de Maubara. Sotomayor, de Manufahi.

Em 1894 é nomeado governador de Timor, José Celestino da Silva. Ficou célebre pelas campanhas de pacificação, pois vários estavam revoltados: Encetou três ofensivas principais: em Outubro de 1894, contra os reinos de Lamaquitos (Bobonaro); em Maço de 1895, contra Fatumane, Fohorem, Lalaba, Cassabau, Obulo e Marobo, e a mais dura conta Manufahi. Nesse mesmo ano, os reis de Manuafai, Raimean e Suai reuniram vários sucos e povoações para um pacto de sangue. O reino de Manufai foi atacado em 1896, por foças leais ao governo. Nos primeiros anos do século XX, deram-se revoltas em Ainaro e Letefoho (1903), em Kelicai (1904), e novamente Manufahi (1907). Depois da implantação da República, deu-se a grande Revolta de Manufahi ( os timorenses chamam "funu Manufahi").

Manufahi (Maun fahae) era um reino com a sede em Same e fazia parte do distrito de Alas, de acordo com a nova organização de 1860. Segundo Rafael da Dores, em 1903, esse reino tinha uma população de 42 mil habitantes e 6.500 fogos.

Em 11 de Outubro de 1911, reuniram em Díli os régulos e outros chefes dos sucos a convite do Governador para celebrarem o primeiro aniversário da proclamação da república. Nesta ocasião alguns deles fizeram secretamente um pacto de sangue a fim de expulsarem os portugueses. Nos finais de 1911, como reacção a uma informação transmita pelo comandante de Suai, anunciando o aumento de imposto de capitação, um grupo de liurais, incluído Dom Boaventura, de Same, procurou reunir-se em Suai para pedir a redução fiscal. Tomou-se a decisão de expulsar uma companhia inglesa que ali fazia a exploração de minas de petróleo obrigado a saída dos prospectores ingleses. Um soldado moçambicano que ia levar a notícia a Bobonaro foi morto durante a viagem. No dia 20 de Dezembro, o liurai de Camansa acompanhado de 1.200 pessoas entram no enclave holandês de Maucatar e pedem a protecção holandesa contra a represália português. No dia 24 do mesmo mês em Same cinco europeus foram mortos na sede do comando militar de Same, por ordem de Boaventura. Foi morto o Tenente Álvares da Silva, e a sua cabeça foi apresentada à sua mulher. Esta e os filhos foram poupados e remetido a Díli. Perante estes factos o governador Filomeno da Câmara organiza expedições contra Manufahi e reinos sublevados. Para esmagar a rebelião o governador ordenou que os rebeldes fossem batidos nas suas próprias terras. A 5 de Janeiro de 1912, partia de Díli uma força de 200 homens comandados pelo próprio Filomeno da Câmara. Alguns reinos apoiaram as forças governamentais como foi o caso de Suro A campanha militar prossegue até Março. Em 6 de Fevereiro chega a Díli a canhoneira Pátria. A 27 e Maio, os "rebeldes" preparam uma resistência heróica nas montanhas de Cablac (2.362 m), uma região de ravinas abruptas e grande rochedos. Aí os timorenses construíram uma tranqueira de madeira e pedra para reforçar a fortaleza natural. Alguns rebeldes procuraram refúgios em caves e grutas subterrâneas. Encurralados numa área de 35 km2, nos redutos de Riac e Leolaku, juraram combater até ao fim e não se render. No reinos rebeldes, mais de 12 mil homens, mulheres e crianças se haviam retirado para as montanhas de Leo-Laco. Nesta altura Filomeno da Câmara dispôs os seus efectivos: 8.000 auxiliares irregulares, 647 soldados de segunda linha e 500 soldados de primeira linha e 34 oficiais. Da parte do povo de Same e reinos Dispondo de maior numero de soldados, as forças governamentais alcançaram vitórias sobre os reinos de Umboe, na Ermera, e de Lelai em Lequidoe. Seguidamente foram submetidos os reinos de Manucate, Laquedoe, Hato-Bessi, Mau-Lau Dailor, Turiscai, Bibisusu e Mabisse. E Aituto. Leo-Laco foi cercado e mais de 3000 timorenses foram mortos quando tentavam romper o cerco. Em 27 de Maio de 1912, Kablak rendia-se. E, 22 de Junho, as forças governamentais conquistam Riac, onde foram feitos oito a dez mil prisioneiros e apreendidas 36 espingardas, 590 espingardas de pederneira e 495 espadas, além de alguns cartuchos. O Liurai Dom Boaventura conseguiu escapar, fugindo para Turron, mas o régulo de Alas caiu varado na planície de Ai-Assa. Os régulos de Bibisussu (Dom Afonso Pereira), de Ulmera (Dom Clementino Barreto Pereira) de Ermera, Dom Miguel, e outros, foram desapossados das honrarias. Em 26 de Outubro de 1912, D. Boaventura decidiu entregar-se voluntariamente. No ano de 1913, o regulo de Manufai perdeu o seu estatuto de "Rei-coronel". Reza a tradição oral que D. Boaventura acabou os seus dias na prisão de Aipelo, cerca de 20 km de Díli, e que foi enterrado na porta do cemitério de Santa Cruz para ser pisado por todos os transeuntes. Em Agosto, The Times de Londres dava a noticia sobre o fim do conflito em Timor. Dizendo que uma grande batalha entre forças colónias e rebeldes, e de resultaram 3000 mortos e feridos e 4.000 prisioneiros. Porém Pelissier conclui que a guerra de Manufahi (1911-1912) custou 15.000 e 25.000 mortes, sem contar aqueles que foram para o exílio (refugiaram-se no Timor indonésio).

O período que decorre entre 1913 e 1940 foram anos de sossego e de colonização. "Período de aparente tranquilidade e de trabalho tranquilo" A Sociedade Agrícola Pátria e Trabalho (SAPT), criada por Celestino da Silva em 1897 implementa a plantação e a exportação de café. Foram concedidos hectares de terrenos a individuais portugueses. O sândalo, a copra, cere e cacau eram produtos de exportação nesse período. Em 941, a SAPT era o único grande empreendimento agrícola a operara em Timor. Monopolizava as compras do café Arábica de melhor qualidade produzida em Timor. Exercia o monopólio do comércio entre Timor e o Japão e entre Timor e Portugal. Plantações de coqueiros, borracha e cana-de- açúcar e algodão. No campo de minerais, fazia a prospecção do petróleo, de cromite, manganésio, cobre e ouro. As primeiras companhias foram a companhia australiana e inglesa.

A Invasão estrangeira: Australianos, Holandeses e Japoneses.
No dia 17 de Dezembro de 1941 as tropas holandesas e australiana desembarcam em Díli à força. Cerca de meia noite de 19 de Fevereiro de 1942, navios japoneses bombardearam e as suas tropas desembarcaram num local chamado Madoi, a oeste da cidade. Dali marcharam sobre a capital, que ficava a cinco milhas de distância. Os holandeses retiraram para a fronteira e os Australianos para a região de Ermera, onde se entregaram à luta de guerrilha.

Os motivos do Japão para invadir Timor foram dados a conhecer pela primeira vez à população de Díli em panfletos largados sobre a cidade em 21 de Fevereiro de 1942, um após o ataque naval e terrestre contra Timor Português. Esses panfletos declaravam que o Japão estava agora em guerra com os Países Baixos e com a Austrália e que as forças japonesas eram obrigadas a actuar em resposta à presença das forças holandesas "num país neutral".

Em Maio de 1942, os australianos começaram a bombardear a capital de Timor; os japoneses apressaram-se a demolir a catedral, sob o pretexto de que as suas torres serviam de guia aos aviões inimigos. O governador Capitão Manuel Ferreira de Carvalho não tinha liberdade movimento, ficando praticamente prisioneiro no seu palácio. Os japoneses ocuparam o território de Timor desde 1942 até 1945. Em Setembro de 1975, deu-se o armistício. Balanço da ocupação japonesa: todas as igrejas destruídas, salvando-se a de Laleia; morreram neste conflito mais de 60 mil timorenses, entre quais 4 mil católicos e 3 sacerdotes. Díli sofreu 94 bombardeamentos aéreos, ficando apenas 10 casas de pé. Várias povoações haviam desaparecido; hospitais, postos sanitários, escolas e quartéis, foi tudo arrasado, apenas se salvou o hospital de Díli. As vias de comunicação e o porto, destruídos; a pecuária desaparecera praticamente; as ricas plantações de café abandonadas. Noventa por cento dos habitantes estavam sarnosos e mais de cinquenta por cento sofriam de pústulas bubáticas. No dia 27 de Setembro de 1945, chegaram a Timor os avisos Bartolomeu Dias e Gonçalves Zarco com o pessoal para a reocupação e levando material para a reconstrução de alguns edifícios governamentais. Com o governador Óscar Ruas, começou a faina da reconstrução. Mas o período de paz só durar 14 anos. Em Junho de 1959 deu-se a revolta de Viqueque, a qual se estendeu a Watolari e Watocarbau. Esta revolta foi imediatamente afogada. Segue-se outro período de acalmia: 1960 a 1975.

De acordo com a Constituição Política Portuguesa, a Lei Orgânica do Ultramar e o Esatatuto Político Administrativo, aprovado pelo Decreto nº 45 378, de 2 de Novembro de 1963, Timor Português era considerado uma província ultramarina com administração própria. No seu topo estava o governador, abaixo deste os administradores do concelho e os administrador do posto, e abaixo destes, os chefes dos sucos e de povoação. Existiam na Província os seguintes serviços:
A) Da Administração Geral e Fiscalização que englobava: Serviço de Administração vicial, Serviços de Educação, Organização Nacional da Mocidade Portuguesa, Polícia Internacional e de Defesa do Estado, Corpo de Polícia Pública, Serviços de Saúde e Assistência;
B) Serviços de Fazenda e Contabilidade; Serviços da Alfandega;
C) de Justiça;
D) De Fomento- Serviços de Economia, de Obras Públicas, de Agricultura e Florestas, de Veterinária, de Correios, Telégrafos e Telefones, de Aeronática Civil, de Transportes Aéreos, Serviços Meteorológico, e Centro de Informação e Turismo.

A divisão da colónia em nove concelhos (anterior à guerra japonesa) foi alterada e criaram-se dez concelhos, uma circunscrição civil, com 60 postos administrativos e uma Câmara municipal (Díli). 1. Concelho de Díli, com sede em Díli e Postos Administrativos de Aileu, Ataúro e Remexio.
2. Concelho de Ainaro, com sede em Ainaro, e Postos administrativos de Maubisse, Hato-Builico, Turiscai.
3. Concelho de Baucau, com sede em Vila Salazar, e Postos Administrativos de Quelicai, Venilale, Baguia, Laga e Vemasse.
4. Concelho de Bobonaro, com a sede na Maliana, e Postos Administrativos de Balibó, Bobonaro, Atabai, Cailaco e Lolotoi.
5. Concelho de Cova-Lima, com sede em Suai, e Postos Administrativos de Fatu-mean, Fohorém, Fatu-lulik, Mape e Tilomar.
6. Concelho de Ermera, com a sede em Ermera, e Postos Administrativos de Lautem, com a sede em Lospalos e Postos Administrativos de Luro, Iliomar, Lautém e Tututala.
7, Concelho de liquiçá, com a sede em Liquiçá, com Postos Administrativos de Maubara e Bazartete.
8. Concelho de Manatuto, com a sede em Manatuto, com os Postos Administrativos de Laclubar, Barique, Lacló, e Laleia.
9. Concelho de Same, com a sede em Same, e Postos Administrativos de Alas, Fatu-berliu e Hato-Udo.
10. Concelho de Viqueque, com a sede em Viqueque e Postos Administrativos de Ossu, Watolari, Watocarbau, Lacluta.
11. Circunscrição de Oe-Cusse, com a sede em Pante Macássar, com os Postos Administrativos de Oe-Silo, Nitibe e Pasabe. Em 1970, duas freguesias foram criadas, designadas por freguesia de Santo António de Motael e freguesia de Santo António de Baucau.
A nível militar, depois dos acontecimentos de Viqueque (1959), foram criadas as companhias de Caçadores e a polícia militar. Criou-se ainda uma delegação polícia política portuguesa – a PIDE. A nível de infra-estruturas, iniciou-se a electrificação de uma parte da cidade de Díli e realizou-se o alcatroamento das ruas principais da capital. Os quadros médios administrativos até aí estritamente reservados, em grande parte, aos metropolitanos, goeses ou cabo-verdianos, começavam a ser "compartilhados" por timorenses saídos do Seminário de Dare ou do Liceu de Díli.



Alguns Serviços, no período 1960-1975:
Ensino Primário
: Coube à ordem dominicana (século XVIII) e às Missões Católicas (Diocese de Macau e o Vicariato de Timor) (1877-1940)a honra da fundação das primeiras escolas em Timor. Já em 1740, era aberto o primeiro Seminário em Oe-Kusse; em 1747, abria-se o segundo Seminário em Manatuto. Com a inclusão das Missões de Timor na Diocese de Macau, a partir de 1877, os missionários foram abrindo escolas nas sedes das Missões: Díli, Manatuto, Baucau, Oe-Cusse, Maubara, Lacluta, Soibada. No tempo do Bispo Dom António Joaquim Medeiros, o padre João Gomes, mais tarde Superior e Vigário das Missões de Timor, abria em Díli uma escola Profissional. O mesmo Bispo abria em Dare uma granja agrícola. Em 1924, Dom José da Costa Nunes, Bispo de Macau e Timor, abria em Lahane a Escola de Preparação de Professores- catequistas, e reabriu a escola de Artes e Ofícios, entregue aos Salesianos em 1927. Em 1936, o então superior da Missão de Soibada, padre Jaime Garcia Goulart, mais tarde 1º Bispo de Díli, abria na Missão de Soibada, o Pré-Seminário de nossa Senhora de Fátima, mais tarde erecto em Seminário Menor (1954). Em 1964, os Salesianos abriam em Fatumaca a Escola Agrícola de e depois a Escola Técnica. As Irmãs canossianas que entraram em Timor 1879, tomaram conta das escolas femininas em Díli, Bidau,(Dare), Manatuto, Soibada.Os Padre jesuítas, a Escola de Soibada (1899-1910).
Da Parte do Governo: A escola régia fundada em 1860, por Afonso de Castro. Em 1864, essa escola era frequentada por 6º alunos, com um professor destacado por nomeação real (cf. Gunn, p. 138). Outra escola em Manatuto, era frequentada por 20 alunos, ensinados por um missionário goês. O comandante do forte de Batugadé dava também educação a 15 alunos, naquela localidade. Fora ainda estabelecido em Díli um colégio de Educação para os filhos dos régulos.

Em 1916, o Governador Filomeno da Câmara, com a publicação, da Portaria Legislativa nº 154 deu uma planificação bem definida e maior planificação regulamentação ao ensino então ministrado em Timor. Outros governadores publicaram proposta ou diploma legislativo: Teófilo Duarte, em 1927, com a Proposta Legislativa nº 110; Álvaro de Fontoura, com o diploma Legislativo nº 154, em 1938.

Depois da ocupação japonesa, houve a necessidade de regulamentar de novo o ensino, o qual foi objecto do Diploma Legislativo nº 254. Todavia o primeiro grande passo no sentido de possibilitar a matrícula escolar a um muito maior número de crianças timorenses, dispersas pelo interior da Província, foi dado no princípio da década de 1960, por diploma de 1961do governador Themudo Barata, ao criar os postos escolares a cargo das Comissões municipais. Assim no ano lectivo de 1960/61, no território havia 6.076 alunos matriculados e 239 agentes de ensino, já no ano de 1968/69, havia 27 299 alunos matriculados e 513 agentes de ensino.
Ensino Liceal (a cargo do governo). Com o carácter de ensino particular liceal oficializado foi, em 1938, instituído o Colégio Liceu Dr. Vieira Machado. Mas só em 1952, é que se pode considerar autenticamente oficial com a criação do 1º ciclo. Foi a partir de então que nele se puderam realizar, com validade oficial, os exames de admissão, os de 1º e 2º ciclo, e ao mesmo tempo foi autorizado o ensino das disciplinas do 2º ciclo liceal. Data de 1960º então Liceu Dr. Francisco Machado. No ano lectivo de 1960/61, havia 175alunos matriculados e 15 agentes de ensino; em 1968/69, havia 376 alunos matriculados.

Ensino Técnico: Foi só a partir de 1967, é que se abriu o ensino técnico profissional, na "Escola Técnica Elementar Prof. Silva Cunha", mais tarde transformada na "Escola Industria e Comercial". N ano seguinte, a Escola teve uma frequência de 333 alunos, 1969.
O ensino elementar agrícola, instituído de acordo com o Decreto nº 46.464, de 31 de Julho de 1965 e regulamentado, em Timor, pelo Diploma Legislativo nº 740, de 26 de Novembro de 1966, foi entregue por contrato de Novembro de 1967, à Congregação salesiana. A escola era em Fatumaca (Banewaga).

Enfermagem: Junto do Hospital Central de Díli, vinham funcionando, desde 1947, escolas de habilitação de enfermeiros, parteiras pessoal auxiliar de enfermagem. Em 1964, em consequência da publicação do Decreto nº 45 818, foi criada a Escola Técnica de Serviços de Saúde e Assistência, com o urso geral de enfermagem e de auxiliar de enfermagem, e naquele ano tinha uma frequência de 58 alunos.

SAÚDE E ASSITÊNCIA- O primeiro Hospital de que há noticia, foi aberto em Lifau, no tempo do Governador António Coelho Guerreiro (1702-1702). Com a mudança da capital de Lifau para Díli, em 1769, foi naturalmente, construído em Díli, um hospital.
Em 1861, Alred Russel Wallace que estava visitar Timor observou: "Díli, rodeada de pântanos e lamaçais, é muito insalubre e só uma noite passada dá frequentemente aos recém-chegados uma febre que não pouca vezes se mostra fatal"(in The Malay Archipelago, Londres, 1872, Chap XII). No tempo do governador José Manuel Pereira de Almeida (1863-1864) foi concluído o hospital Castro-Lahane (Gunn. P.139). Um médico formado em Goa foi nomeado para prestar assistência ao Batalhão, mas não sabemos se havia médico para o hospital. Uma fonte oficial de 1868 dizia que as febres e a disenteria se haviam espalhado para o interior da Ilha e que as chuvas sazonais haviam piorado a situação na província. Em 1883 foi nomeado para Díli um oficial médico com a missão de dirigir a secção timorense dos serviços de Saúde de Macau e Timor. Era o dr. Gomes da Silva que encontrou no hospital várias lacunas nas estruturas de saúde publica. Em 1906, foi inaugurado em Lahane um edifício para hospital militar, ao qual foi dado o nome de "Hospital D. Carlos I", mais tarde mudado para "Hospital Dr. Carvalho", em homenagem a um médico falecido em Timor, vítima da sua dedicação. Em 1915 havia três médicos em Díli, os quais visitavam o interior alternadamente. Em 1918, com a criação de Serviços de saúde, foi a rede sanitária alargada a Baucau, Manufahi e Bobonaro, ao mesmo tempo que pelo interior se espalhavam ambulância com enfermeiros recrutados nos diversos comandos militares e habilitados com cursos de enfermagem. Antes da invasão das tropas estrangeiras (1941), havia em Timor 3 hospitais dos Serviços de Saúde, 1 hospital particular, 1 maternidade, 19 postos sanitários e 1 posto de socorros, dispondo, ao todo, de 5 médicos e 42 enfermeiros. Depois da guerra japonesa e sobretudo, a partir de 1948, foram construídos ou reparados os hospitais de Baucau e Ainaro, as maternidades de Díli e de Baucau e os postos sanitários d Lospalos, Laclubar, Aileu, Same, Lautém, Oe-Silo, Ossu e Venilale. Em 1970, a rede sanitária de Timor Português era constituída pelo Hospital Central de Díli e Regional de Díli, o Hospital Sub-regional de Baucau e 8 hospitais rurais e 48 postos sanitários rurais, nas sedes dos postos administrativos. Os postos sanitários rurais tinham, no mínimo, uma capacidade para 20 a 30 camas, para doentes de ambos os sexos.

Actividade económica: Agricultura e florestas; Pecuária e Pesca; Indústria e Energia, Comunicações.

Timor no Período 1975-1999.
Com a Revolução dos cravos de 24 de Abril de 1974, surgem e Timor Português as primeiras organizações políticas. O primeiro grupo a organizar-se foi a União Democrática Timorense, ou UDT. Fundada a 11 de Maio de 1974, a UDT, era favorável a uma eventual independência de corrente de um extenso período de transição em continuada associação com Portugal. A Fretilin, ou Frente Revolucionária de Timor Leste Independente, emergia da Associação Democrática Timorense (ASDT) fundada a 20 de Maio de 1974.O primeiro manifesta da ASDT rejeitava o colonialismo a reclamava a imediata participação dos timorenses na administração e governos locais, um fim à discriminação racial, a luta contra a corrupção e um bom relacionamento com os países vizinhos. A 27 de Maio de 1974, surgia um terceiro partido minoritário, a Associação Popular Democrática Timorense (Apodeti). Este partido declarou desde o início que não seria economicamente viável a menos que posse apoiado pelos seus irmão étnicos na Indonésia. Outros partidos: KOTA- Klibur Oan Timor Aswain, inicialmente formado por sete Liurais. O Partido Trabalhista e Adilta (Associação Democrática para Integração na Austrália).
Convém nota a posição oficial portuguesa que foi transmita pelo governador Fernando Alves Aldeia, sob três formas de opções: primeira, manutenção da associação com Portugal; segunda, independência; terceira, integração na Indonésia. Entretanto, a indonésia, por intermédio do jornal do Exército Berita Yudah, e de outros canais, começou a lançar campanha de difamação e desinformação apelidando a Fretilin de marxista/comunista e a UDT de fascista. A 14 de Novembro de 1974 o Coronel Mário Lemos Pires, foi nomeado governador de Timor, o qual pautava a sua atitude como árbitro entre os partidos em conflito. A partir de Dezembro de 1974, com a chegada os oficiais do MFA em Timor estabeleceram um conselho governativo com o propósito de chamar todos os partidos ao processo político. Houve logo recusas da parte de Apodeti e da Fretili. Em Março de 1975, a UDT e a Fretilin decidem formar uma Coligação. A 27 de Maio, a UDT toma a decisão de se retirar da coligação. A 17 de Julho de 1975, Lisboa estabeleceu o calendário da descolonização de Timor de acordo com a Lei n. 7 175. Formalmente anunciada como "cimeira", efectuou-se em Macau uma reunião entre os funcionários portugueses e indonésio, e membros dos partidos timorenses a excepção da Fretilin.
A 11 de Agosto de 1975, a UDT desencadeia o golpe de estado provocando o contra-golpe da Fretilin, iniciando-se assim guerra civil. Rapidamente a Fretilin conquista posições deixadas pelas forças conjuntas da UDT e estabelece uma administração, ainda sob a bandeira portuguesa. A 28 de Novembro de 1975, o Presidente da Fretilin, Francisco Xavier do Amaral, proclamou, unilateralmente a independência de Timor e a criação da república Democrática de Timor Leste. Conforme Xavier do Amaral comunicou por telegrama a Lisboa, no dia seguinte, esta medida era necessária devido à "agressão" da Indonésia, que violava as leis da ONU sobre o direito à autodeterminação e independência, e ao "desinteresse" do governo português em procurar uma solução concreta para a descolonização.". Um dia após a Fretilin ter proclamado unilateralmente a independência, os quatro partidos (UDT, Apodeti, Kota e o Partido Trabalhista) proclamaram a integração de Timor na Indonésia. Esta declaração conhecida pela "Declaração Balibó" (Proclamasi Balibó) serviu de pretexto à Indonésia para invadir Timor Leste, facto que veio a verificar-se no dia 7 de Dezembro de 1975. Conquistado o território de Timor-Leste, o governo de Jakarta estabelece um governo Provisório e uma Assembleia Legislativa (DPRD). Com a Lei nº 711.976, de 17 de Julho de 1976, o Presidente Soeharto declara a formalização da integração de Timor Português na República unitária da Indonésia e a criação da 27 ª Província de "Timor Timur". Em Junho a Novembro de 1978, as Forças Armadas Indonésias lançaram uma operação contra os guerrilheiros com o fim de aniquilar o inimigo, usando bombas e napalm . Em Dezembro desse mesmo ano, O Presidente da Fretilin, que substituíra Xavier do Amaral (capturado), foi morto em Turiscai. Em Março de 1981, os guerrilheiros escolheram Xanana Gusmão para chefe das Falintil e criaram o CNRM (Conselho Nacional de Resistência Maubere). Em Junho, deu-se a Operasi Keamanan, cujo objectivo era destruir a resistência e capturar os líderes dos guerrilheiros. Em 1983, Xanana e oficiais indonésios começaram a negociar tréguas locais (acordo entre Xanana e Coronel Purwanto. O cessar fogo, durou pouco, pois o General Moerdani , comandante-chefe das Forças Armadas Indonésias, organiza uma nova operação, Operasi Persatuan, destinada a atingir a resistência "sem piedade" e no decurso da qual quinze dos vinte batalhões estacionados em Timor, foram enviados para a zona leste da Ilha, com o objectivo de capturar Xanana Gusmão e outros comandantes. Em 12 de Outubro o papa João Paulo II visita Timor. Em 1991, deu-se o massacre de Santa Cruz, que fez amais de 241 vítimas. Em Novembro de 1992, o Comandante Xanana Gusmão é capturado. Em Fevereiro de 1993, o tribunal indonésio emitiu a sentença de prisão perpétua, mais tarde comutada para vinte anos de prisão em Jakarta. Em 1996, foi a concessão do Prémio Nobel da Paz. Em Abril de 2008, realizou em Peniche realizou uma convenção destinada a reforçar a unidade e a delinear uma visão para o futuro em torno de uma Magna Carta de Timor Leste. Nessa convenção os timorenses da Diáspora bem como os do interior, elegeram Xanana Gusmão e Ramos-Horta como presidente e vice-presidente do Conselho Nacional da resistência Timorense (CNRT). Entretanto, em Maio desse ocorreram em Jacarta dramáticos acontecimentos que levaram à demissão do presidente Soeharto e conduzira à eleição do seu sucessor Yusuf B. J. Habibbie. Em Junho o presidente indonésio fez uma proposta de ampla autonomia para Timor Timur. Porém em Janeiro de 1999, o presidente surpreendeu a todos ao fazer saber que se os Timorenses rejeitasse a "autonomia" dentro da Indonésia, então Timor Leste poderia voltar ao estatuto anterior a 1975, e ou Portugal ou a ONU deveriam reiniciar o processo da descolonização. Em Maio de 1999, sob os auspícios das Nações Unidas Portugal e Indonésia concordam a realização de uma Consulta Popular em Timor. O plebiscito realizou-se a 30 de Agosto de 1999. A maioria do povo timorense escolheu a opção de não autonomia dentro da Indonésia Os que rejeitaram a autonomia: 78,5 %, e os que votaram a favor da autonomia, 21,5%. Mais uma vez deflagrou a violência causando divisão entre a sociedade timorenses. Muitos foram procurar refúgio para o território indonésio, outros saíram para Austrália, Macau e Portugal. Foi então que as nações Unidas decidem enviar para o Território De 1999 a 2002, Timor era administrado pelas Nações unidas (UNTAET). Diziam os responsáveis (Sérgio Vieira de Melo) que as nações Unidas estavam em Timor para prepara o povo para as eleições e para independência e não para fazer o desenvolvimento.
No ano 2000, reuniu pela primeira vez a Assembleia Constituinte para preparar nova Constituição da República Democrática de Timor Leste. Em 2001, realizou a eleição do primeiro Presidente da República, na pessoa do Comandante e guerrilheiro Kairala Xanana Gusmão. No 20 de Maio de 2002, foi oficializada a Independência segundo o Direito Internacional. Nesse dia tome posse o primeiro Governo Constitucional. Infelizmente, em Dezembro de 2002, surgem de novo os conflitos, registando com incêndios de casas em Díli. A crise mais grave surgiu em 2006, em consequência das manifestações dos assim chamados "Peticionários". Depois de uma manifestação de quase vinte três semanas organizadas pela Igreja e pelos partidos da oposição, demite-se o primeiro Governo Constitucional liderado por Mari Alkatiri. Entretanto o Governo da Indonésia e da República de Timor-Leste, através da Comissão da Amizade e Verdade promovem esforços de reconciliação e de paz. A 11 de Fevereiro de 2008, deu-se o atentado contra o Presidente da República e contra o Primeiro-Ministro e concomitantemente, regista-se a morte do Major Alfredo Reinado, e mais tarde a rendição de vários peticionários.
Hoje, o ambiente geral é de calma, mas o trabalho da paz e da reconciliação continua a ser fundamental para um verdadeiro desenvolvimento do Povo Timorense.

Bibliografia:
1) Alerto Faria de Morais, Solor e Timor, Agência Geral das Colónias,Lisboa, 1944.
2) Geoffrey Gunn, Timor Loro Sae, 500 Anos, Livro do Oriente, Macau, 1999.
3) "Timor. Pequena Monografia, Agência Geral do Ultramar, 1970.