My photo
Um escritor, um poeta, um aventureiro,

Thursday, 26 November 2009

POESIA DE BORJA DA COSTA – lançamento na Embaixada de Timor-Leste, em Lisboa


.

Na próxima Segunda-Feira, dia 30 de Novembro pelas 18h30m na Embaixada de Timor-Leste, Largo dos Jerónimos nº 3- 1º Belém, será lançado o livro de Poesia Borja da Costa, editado pela LIDEL.

O livro é uma compilação de poemas de Borja da Costa, poeta Timorense assassinado no dia 7 de Dezembro de 1975 pelas tropas invasoras, e foi compilado pelo Luís Costa, irmão do poeta.

Descrição

A poesia de Borja da Costa, compilada neste livro, transcreve a rebeldia educacional e religiosa a par com as ideias revolucionárias do poeta, autor do hino nacional de Timor-Leste.

Os seus poemas foram escritos sobretudo para sensibilizar o povo explorado e a sua linguagem está enquadrada no espírito da época anti-colonial e na luta social através da revolução.Na sua poesia não foram esquecidos os problemas regionais a nível educacional e do desenvolvimento. Podemos encontrar a influência dos movimentos de libertação africanos e dos estudantes da Casa de Timor em Lisboa, bem como a percepção das injustiças e desigualdades com que se foi deparando na convivência com os portugueses na tropa e aquando do seu trabalho na administração pública.

Esta obra reúne os poemas de Borja da Costa, em edição bilingue – Português/Tétum ou Tétum/Português, conforme a língua do original – traduzidos pelo seu irmão Luís Costa que os organizou e ainda aperfeiçoou algumas traduções já existentes.

Francisco Borja da Costa

Nasceu em Fatu-Belak, no dia 14 de Outubro de 1946. Entrou para a função pública, em 1967, a título experimental. De 1968 a 1971 cumpriu o serviço militar obrigatório e, terminado o mesmo, regressou à função pública, na categoria de aspirante da Repartição de Gabinete. Em 1973 esteve em Lisboa de licença onde frequentou a Casa de Timor. De regresso a Díli participou mais activamente nos encontros nacionalistas e, quando se deu o 25 de Abril de 1974, entrou para o movimento ASDT (Associação Social Democrática Timorense). No dia 7 de Dezembro de 1975, dia da invasão indonésia, desprevenido e sem possibilidade de fugir para as montanhas, Borja da Costa foi assassinado nessa madrugada à frente da sua residência em Kolan-ibun, Bairro dos Grilos. O seu corpo juntamente com o de outros membros da Fretilin e da Apodeti (Associação Popular Democrática de Timor) foi lançado ao mar tendo sido enterrado, posteriormente, na praia entre Lecidere e a ponte Santana, segundo dizem, ao pé de um coqueiro.

O(s) Autor(es)

Luís Costa
.
Irmão de Borja da Costa, Luís Costa nasceu a 13 de Dezembro de 1945, em Fatu-Belak. Fez o curso de Teologia no Seminário de Leiria tendo estagiado na freguesia de Freixianda, onde continuou a cooperar após ordenação sacerdotal em Dezembro de 1973. Em Novembro de 1974 regressa a Timor onde foi cooperar na missão de Ossú. Durante a invasão esteve de 1976 a 79 nas montanhas com a população, tendo regressado a Díli em Abril de 1979. De Janeiro de 1980 a Fevereiro de 1981 colaborou na tradução para tétum do Ordo Missae, Ferial e Leituras das missas, tradução essa que foi aprovada pela Santa Sé, em Abril de 1981. Em 1983 regressa a Portugal tendo cooperado nas paróquias dos Anjos e Ajuda. Em 1986 abandona a vida sacerdotal. Em Portugal, desde 1984, colaborou em actividades pela causa timorense. É autor do Dicionário Tétum-Português, 2000 e do Guia de Conversação Português-Tétum, 2001.

Índice

1. Foho Ramelau/Monte Ramelau
2. O povo Maubere não pode ser escravo de mais ninguém/Povu maubere la bele tenik ema seluk nia atan
3. O rasto da tua passagem/Tuir o ain klor
4. Povu kiak/Povo pobre
5. Kole lele mai/Kole lele mai
6. Kdadalak/Regatos
7. O grito do soldado maubere/Soldadu maubere nia lian
8. Ela vencerá/Feto sei manán
9. Um minuto de silêncio/Nonók minutu ida
10. O amor/Domin
11. Pátria, Pátria/Patria, Patria
12. Os ventos do teu dorso/Anin susuut o kotuk
13. Fitu mutin/Estrela d’Alva
14. Demagogicamente/Hateten ibun boboot

No comments:

Post a Comment