My photo
Um escritor, um poeta, um aventureiro,

Thursday, 3 September 2009

VÍTIMAS DA GUERRA CIVIL REJEITAM AMNISTIA GERAL EM TIMOR


.
Lusa, Brasil

Díli, 2 set (Lusa) - A ideia de uma anistia geral para os crimes cometidos entre 1974 e 1999, lançada pelo presidente timorense, Ramos-Horta, foi fortemente contestada no congresso da rede de vítimas de violações de direitos humanos em Timor Leste.

A iniciativa do congresso, que se prolonga até sexta-feira e reúne na capital Díli uma centena e meia de representantes, acontece poucos dias após o presidente timorense ter defendido a aprovação da anistia geral.

O porta-voz da comissão organizadora, Élio Saldanha, disse à Agência Lusa que este primeiro congresso nacional das vítimas pretende que os respectivos direitos sejam acautelados.

“O objetivo desta reunião é expor as suas ideias e exigências, bem como procurar acautelar e proteger direitos das vítimas como a verdade, justiça e reparação”, explicou Saldanha.

O congresso é promovido por várias organizações não governamentais timorenses, incluindo o “Comité 12 de Novembro”, formado pelos sobreviventes do massacre de Santa Cruz, e conta com a presença de uma delegação indonésia de vítimas do tempo do regime ditatorial de Suharto.

Além disso, participam nos trabalhos representantes dos vários distritos, escolhidos em encontros locais com vítimas e familiares, realizados desde Março pelo fórum para organizações não-governamentais timorenses FONGTIL.

A rede das vítimas visa defender os seus interesses e pontos de vista na discussão nacional, que pretende ser ampliada sobre possíveis soluções para as questões pendentes relativas à justiça, reconciliação e indenizações.

No primeiro dia de trabalhos, o congresso teve como oradores convidados Aniceto Guterres, deputado da Frentlin e membro da Comissão de Verdade e Amizade (CVA), Lois Gentil, da Missão Integrada em Timo Leste das Nações Unidas (UNMIT), e Marek Michon, chefe da Unidade de Investigação de Crimes Graves (SCIT) daquela missão.

Impunidade

As numerosas participações da assistência criticaram a ideia de uma anistia geral para os crimes de que foram vítimas, sendo a posição dominante sintetizada por Saldanha.

“Os crimes contra a humanidade não podem ficar impunes, pelo que não aceitamos que sejam amnistiáveis”, disse.

A maioria dos congressistas, vindos dos distritos, apoia que seja estabelecido um tribunal internacional para julgar os crimes graves que ocorreram no país, baseando essa exigência na própria Constituição de Timor Leste.

Segundo Saldanha, “a ideia do presidente viola a Constituição de 2002, que no seu artigo 160º estipula que os crimes contra a humanidade, genocídio e crimes de guerra têm de ser alvo de processo no tribunal nacional e internacional”.

“A justiça que reclamamos não é para ressuscitar ódios ou por vingança, mas sim para educar as gerações desta nação e evitar violações futuras dos direitos humanos”, acrescentou.

“Entendemos que será útil para promover a justiça e a paz, e fazer a prevenção de conflitos, garantindo o respeito pelo Estado de Direito, como condição para a harmonia”, concluiu.

1 comment:

  1. A si, não o entendo ...
    Passo a citar o que um comentador anónimo deixou no blogue Uma Lulik:
    "Os crimes contra a humanidade nao devem ser amnestiados.

    No entanto nao e' justo que a responsabilidade de julgar esses crimes recaia unicamente sobre o estado Timorense, especialmente quando as medidas a serem tomadas para que tal aconteca podem e mais certo que iriam desestabilizar as relacoes entre Timor e a Indonesia e por em causa a estabilidade nacional timorense.

    Os timorenses ja pagaram um enorme preco pela sua independencia lutando quase sozinhos (com a exepcao da ajuda portuguesa) durante 24 anos perante a apatia da comunidade internacional.

    E' altura da comunidade internacional assumir as suas responsabilidades nesta materia e deixar Timor livre para perseguir outras questoes da mais alta importancia para um futuro estavel e prospero da nacao timorense.

    Se os crimes sao contra a humanidade, a ONU deve assumir o papel principal em estabelecer um tribunal internacional e julgar os culpados dos crimes contra a humanidade cometidos em Timor durante a ocupacao indonesia.

    Nesse contexto, as autoridades timorenses podem e devem concentrar no fortalecimento das relacoes bilaterais Timor-Indonesia e ao mesmo tempo a ONU deve adoptar medidas proactivas para a criacao de um tribunal internacional." (http://umalulik.blogspot.com/2009/09/timor-leste-liberta-indonesio-acusado.html)

    Cumprimentos

    ReplyDelete